Topo

Piada com "Grande Irmão" põe em dúvida se Facebook leva privacidade a sério

Empresa de Mark Zuckerberg (c) cometeu gafe em controles de dispositivo de realidade virtual - Kay Nietfeld/picture alliance via Getty Images
Empresa de Mark Zuckerberg (c) cometeu gafe em controles de dispositivo de realidade virtual Imagem: Kay Nietfeld/picture alliance via Getty Images

Rodrigo Trindade

Do UOL, em São Paulo

14/04/2019 16h05

Resumo da notícia

  • Subsidiária colocou brincadeira dentro de controle de óculos de realidade virtual
  • Chefe do departamento do Facebook lamentou o fato, que era para ficar restrito a protótipos
  • Facebook vem de ressaca do escândalo da Cambridge Analytica, que envolveu tratamento ruim de dados

O Facebook é uma daquelas empresas que despertam preocupações pela forma como tratam os dados de seus usuários, e uma gafe de produção da rede social, divulgada nesta semana, deu lenha para os mais paranoicos. A Oculus, empresa de realidade virtual comprada por Mark Zuckerberg em 2014 por US$ 2 bilhões, fabricou dezenas de milhares de controles com mensagens engraçadinhas escondidas inscritas na parte de dentro.

Nate Mitchell, cofundador da empresa e chefe de realidade virtual no Facebook, confirmou que o conteúdo acabou dentro de unidades comerciais e dos kits enviados a desenvolvedores. Os textos eram para ser easter eggs (termo em inglês usado para surpresas escondidas em filmes ou jogos) que ficariam restritos a protótipos, mas acabaram replicados em versões subsequentes do Oculus Touch, que é como se chamam os controles.

A versão comercial ainda não chegou aos compradores e, mesmo assim, a empresa não irá fazer um recall para corrigir o erro. Quem receber um desses milhares de Oculus Touches e quiser se aventurar desmontando o brinquedo encontrará uma das seguintes frases:

  • "Esse espaço está para aluguel"
  • "Os maçons/pedreiros passaram por aqui"

Neste segundo caso, há uma ambiguidade, pois a frase não dá contexto suficiente para saber qual das traduções da palavra masons se aplica - pode ser tanto maçons quanto pedreiros.

Nas versões enviadas para desenvolvedores, por outro lado, não há dúvida do significado das duas frases. Enquanto uma delas é uma brincadeirinha inofensiva, a outra dá munição para quem questiona como o Facebook cuida dos nossos dados pessoais, ou melhor, nos monitora:

  • "Oi, iFixit! Nós estamos te vendo!"
  • "O Grande Irmão está de olho em você"

Pelo Twitter, Nate Mitchell lamentou o erro de produção, embora aprove as piadas internas na empresa.

"Mesmo gostando dos easter eggs, estes são inapropriados e deveriam ter sido removidos. A integridade e a funcionalidade do harware não foram comprometidos e consertamos nosso processo para que isso não ocorra de novo", escreveu.

Ele ainda detalhou que os controles que são enviados atualmente com o Oculus Rift não têm essas mensagens. Estas estarão inscritas nos controles que vierem com o Oculus Quest, versão portátil do dispositivo que será lançada no outono deste ano, e o Oculus Rift S, que chegará na mesma época do irmão portátil.

Embora seja apenas uma brincadeira, é o tipo de piada que empresas como o Facebook não deveriam fazer. A rede social, assim como o Google, coleta enormes quantidades de informações pessoais de seus usuários e diz cuidar delas com cuidado, mas, se o escândalo de Cambridge Analytica serve como exemplo, ela não vinha levando isso a sério até o ano passado.

Um ano depois, uma subsidiária do Facebook fazer piadas com alusão a um sistema de vigilância fictício - O Grande Irmão é foi um termo criado na distopia "1984", de George Orwell - cai muito mal e mostra que um escândalo pode não ter sido o suficiente para a empresa tratar nossos dados com seriedade.

Não é por acaso que a rede social vem sendo menos usada. Escândalos causam perda de credibilidade, e não é com piadinhas que ela será recuperada.

Mais Facebook