PUBLICIDADE
Topo

O objeto giratório 'assustador' encontrado na Via Láctea por cientistas australianos

Uma imagem mostra a Via Láctea vista da Terra, com um ícone de estrela mostrando a posição do misterioso objeto - ICRAR/CURTIN
Uma imagem mostra a Via Láctea vista da Terra, com um ícone de estrela mostrando a posição do misterioso objeto Imagem: ICRAR/CURTIN

27/01/2022 10h55

Cientistas australianos dizem que o objeto é diferente de tudo que os astrônomos já viram antes.

Cientistas australianos dizem ter descoberto um objeto giratório desconhecido na Via Láctea - e afirmam ser diferente de tudo o que já foi visto antes.

O objeto — descoberto pela primeira vez por um estudante universitário — foi observado liberando uma enorme explosão de energia por um minuto inteiro a cada 18 minutos.

Objetos que pulsam energia no universo são frequentemente descobertos. Mas os cientistas dizem que algo que "fica ligado" por um minuto é muito incomum.

O objeto foi descoberto pela primeira vez pelo estudante Tyrone O'Doherty da Curtin University Honors em uma região do interior da Austrália Ocidental conhecida como Murchison Widefield Array, usando um telescópio e uma nova técnica que ele próprio desenvolveu.

O'Doherty fazia parte de uma equipe liderada pela astrofísica Natasha Hurley-Walker, da divisão da Universidade Curtin dentro do Centro Internacional de Pesquisa em Radioastronomia (ICRAR).

"[Ele] estava aparecendo e desaparecendo ao longo de algumas horas durante nossas observações", disse ela em um comunicado de imprensa do ICRAR sobre a descoberta.

"Isso foi completamente inesperado. Foi meio assustador para um astrônomo porque não há nada conhecido no céu que faça isso."

Objetos que "ligam e desligam" no Universo não são novos para os astrônomos — eles os chamam de "transitórios". Mas um objeto que fica ligado por um minuto inteiro é "realmente estranho", diz a astrofísica do ICRAR-Curtin, Gemma Anderson, segundo o comunicado.

O ICRAR acrescentou que, depois de vasculhar anos de dados, a equipe conseguiu estabelecer que o objeto está a cerca de 4 mil anos-luz da Terra, é incrivelmente brilhante e possui um campo magnético extremamente forte.

Especula-se que o objeto possa ser uma estrela de nêutrons ou uma anã branca — termo usado para os restos de uma estrela colapsada. No entanto, grande parte da descoberta permanece um mistério.

"Mais detecções dirão aos astrônomos se este foi um evento único raro ou uma vasta nova população que nunca havíamos visto antes", disse Hurley-Walker. "Estou ansiosa para entender esse objeto e, em seguida, estender a busca para descobrir mais."