PUBLICIDADE
Topo

Tailândia apresenta o robô médico "Ninja" para lutar contra o novo coronavírus

Tailândia testa robô contra coronavírus - Lillian SUWANRUMPHA / AFP
Tailândia testa robô contra coronavírus Imagem: Lillian SUWANRUMPHA / AFP

Em Bangcoc

19/03/2020 10h02

A Tailândia passou a utilizar em seus hospitais o "Ninja", um robô médico, para lutar contra a pandemia do novo coronavírus.

Os robôs têm a missão de detectar as pessoas afetadas pela covid-19, tratar os pacientes e proteger os funcionários dos hospitais.

Quatro hospitais já receberam um "Ninja" e em breve outros 10 receberão um exemplar.

Os robôs, concebidos para ajudar no cuidado de pacientes que sofreram acidente vascular cerebral (AVV), foram desviados de sua missão inicial e destinados a lutar contra a pandemia que já matou quase 9 mil pessoas no mundo.

Os robôs, com tecnologia 4G, podem detectar a temperatura de um caso suspeito, supervisionar a evolução dos sintomas e permitir aos profissionais da área da saúde e os pacientes um contato por videoconferência.

Em breve, o robô conseguirá levar comida e medicamentos aos pacientes, além de higienizar os quartos dos enfermos.

O objetivo consiste em evitar o máximo possível o contato entre os pacientes e os enfermeiros e médicos.

"Não precisam entrar na zona de risco, podem permanecer fora do quarto e fazer a comunicação por meio do robô", explica à AFP Viboon Sangveraphunsiri, da Universidade Chulalongkorn de Bangcoc.

"Ninja" é fruto da colaboração entre a universidade e a Advanced Info Service (AIS), a maior operadora de telefonia da Tailândia.

O custo de fabricação varias de 100 mil a 300 mil bahts (US$ 3.050 a US$ 9.150), informou Viboon Sangveraphunsiri.

"Tentamos reduzir ao máximo os custos e, de todos os modos, aos hospitais nós fornecemos de maneira gratuita", explica.

A Tailândia registra até o momento 272 pessoas infectadas pelo novo coronavírus, incluindo uma morte.

A Tailândia não é o país que recorre a inovações tecnológicas para combater a pandemia.

Wuhan, a cidade chinesa berço do novo coronavírus, anunciou no início do mês o primeiro "hospital de campanha inteligente", dotado de 20.000 leitos e de robôs que funcionam 24 horas por dia.