PUBLICIDADE

Topo

Raquel Motta

Como redescobri a culinária (e boas receitas!) com Overcooked

Overcooked 2 - Divulgação
Overcooked 2
Imagem: Divulgação
Raquel Motta

Raquel Motta é desenvolvedora de jogos e fundadora da Sue The Real, estúdio de jogos focado em narrativas afro-brasileiras. Apaixonada por animais, plantas, entusiasta da área de finanças e nas horas vagas chef de Overcooked. Raquel se dedica a concluir o Jogo Aya e seu lindo black power, e sua maior ambição é ver a palavra do Jogo One Beat Min ser espalhada pelo mundo.

Colunista do UOL

03/11/2020 08h00

Eu nunca tinha parado para pensar como as mulheres são designadas a realizar trabalhos domésticos desde da infância, até eu começar a negar o espaço da cozinha que era um ambiente acolhedor para mim.

Lembro como me divertia aprendendo novas receitas. Além disso, durante a minha infância amava acompanhar todo o processo de produção de pães na padaria dos meus pais.

Eu acordava animada para ver os pães em formato de tartaruga que o meu tio Adilson e o padeiro Nô produziam em dias especiais. Era realmente incrível! Naquela época eu considerava virar padeira um dia.

Sem dúvida teria apoio do meu pai, sendo ele um excelente padeiro, sabia produzir uma grande variedade de pães, mas eu tinha minhas receitas preferidas, pães de coco e pizza. Será que poderia criar minha padaria servindo somente essas duas guloseimas? Naquela época eu achava que sim, e aproveitava os sábados, no fim do expediente dos meus pais, para aprender e evidentemente para pedir aquele recheio caprichado.

AOS POUCOS, ESSE ESPAÇO ACOLHEDOR NA COZINHA FOI DEIXANDO DE EXISTIR NO MUNDO REAL, MAS EU ACABEI ENCONTRANDO NOS GAMES COM TEMÁTICA DE COMIDA AQUELA ANTIGA VONTADE DE COLOCAR A MÃO NA MASSA

via GIPHY

Com o passar dos anos e o acumulo de trabalho, os meus pais não conseguiam mais se dedicar no preparo das refeições do dia-a-dia. Nesse momento me vi sendo responsável a cozinhar junto à minha irmã: eu passei a não gostar do ambiente na cozinha, por se tornar a minha obrigação.

Nos dias de festas com a família, reparei que as mulheres eram sempre as que cozinhavam enquanto os homens tinham a prioridade de assistir futebol, jogar videogame e ficar tomando conta da churrasqueira, mas sabemos que a maior parte da demanda ficava com as mulheres.

Aos poucos, esse espaço acolhedor na cozinha foi deixando de existir no mundo real, mas eu acabei encontrando nos games com temática de comida aquela antiga vontade de colocar a mão na massa. Me dediquei por horas jogando Café Mania, Good Pizza - Great Pizza e Farm Mania.

A minha perspectiva sobre a cozinha foi mudar muitos anos depois com o jogo Overcooked . Me senti engajada e logo que cheguei nas primeiras fases de produção de batatas fritas, me veio a lembrança da infância, reunida na cozinha com a minha irmã e avó Lazara —que eu chamava de lasanha. Juntas, enrolávamos a massa de nhoque feito de batata, sem dúvida uma das melhores receitas que já provei. Comida de vó é incrível, né?

Enquanto me recordava disso jogando, uma fila imensa de pedidos se acumulou, e todos os pratos eram diferentes. Aquela variedade me fez sorrir quando lembrei que na vida real não havia aprendido quase nada além de arroz, feijão e criar um Mix de salada. Me reconectei ao jogo e tentei ao máximo me concentrar na organização e harmonização dos pratos, como era cada processo para criá-los e quais as preferências dos clientes.

O OVERCOOKED ME DESPERTAVA O AMOR ESCONDIDO PELA COZINHA, ENQUANTO, A CADA NOVA FASE, EU QUERIA REPRODUZIR O MESMO PRATO EM CASA

via GIPHY

Aprendi muito e cada vez mais ficava encantada com a simplicidade da cozinha em Overcooked. Cheguei a me questionar se deveria voltar para a cozinha e experimentar coisas diferentes. O momento de decisão que havia esperado por muito tempo enfim chegou e decidi que voltaria a cozinhar.

O Overcooked me despertava o amor escondido pela cozinha, enquanto, a cada nova fase, eu queria reproduzir o mesmo prato em casa.

Quem dera pudéssemos cozinhar na vida como em Overcooked. Além disso, tive que adaptar a maioria dos pratos para a minha realidade —eu sou vegana, intolerante a lactose e a glúten. Só jogo no Hard, né?

Quando eu queria comer hambúrguer, descobri as infinitas possibilidades no mundo dos hambúrgueres vegetais. Me rendi à adaptação cozinhando hambúrgueres de feijão preto e montei um sanduíche com tomates e alface, assim como seguimos o roteiro nas fases iniciais de Overcooked. Um lanche para ninguém botar defeito!

Também já me aventurei criando uma pizza. Juro que até duvidei se iria dar certo, mas o resultado foi incrível. O melhor de tudo é que era uma pizza vegana, sem glúten e com queijo vegetal feito com mandioquinha.

Overcooked - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Não pense que larguei o jogo só para me aventurar na cozinha. Eu continuo jogando Overcooked 2, com a DLC Campfire CookOff. Sinceramente, eu sou muito grata por cada experiência que os jogos me proporcionam. Quem sabe não sai do jogo mais alguma receita legal para compartilhar na reunião de família, quando essa pandemia passar?

Aproveitando, você conhece algum jogo com temática de comida que tenha exclusivamente comida vegana?

Agora, o próximo desafio é conseguir cozinhar um sushi vegano, contendo alga marinha, arroz japonês e pepino. Imagino que não seja tão difícil! Se quiser acompanhar nessa aventura culinária e de gameplay me segue.

Overcooked - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Em outubro houve uma atualização gratuita em Overcooked 2 com o conteúdo extra Moon Harvest Festival. Jogando eu descobri a nova receita de Mooncakes de origem chinesa. Outro desafio para a lista, só me falta a batedeira para essa receita incrível que vai ser adaptada com muito amor e carinho.

Um detalhe importante, o Overcooked ficou famoso por ser um jogo que causa briga e discórdia entre amigos, mas não deixe sua diversão de lado e aprenda novas receitas durante as partidas, depois reproduza em casa e a diversão estará garantida.

Overcooked 2

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.