PUBLICIDADE
Topo

Roteirista trans negra estreia na TV paga com série no GNT

Luh Maza, roteirista de capítulos da nova temporada de "Sessão de Terapia", que estreia no GNT - Divulgação
Luh Maza, roteirista de capítulos da nova temporada de "Sessão de Terapia", que estreia no GNT
Imagem: Divulgação
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

11/09/2020 00h09

Dia 14 de setembro estreia na TV paga a mais recente temporada de "Sessão de Terapia" no canal GNT.

Uma das integrantes da produção é Luh Maza, que assina sete episódios como roteirista. A cuidadosa direção é de Selton Mello.

Maza é escritora, dramaturga, trans e negra.

Na TV paga estreia como roteirista de uma série, mas seu trabalho já é reconhecido.

No ano passado Luh roteirizou o curta-metragem "Trinta e Cinco" (Young & Rubicam/Fauna, 2019).

Essa peça ganhou os prêmios "Inclusive and Creative Awards Campaign" (EUA) e a medalha de bronze de Melhor Roteiro no "Festival El Ojo de Iberoamérica", na Argentina.

Luh não é nenhuma novata na arte de escrever: tem 20 anos de experiência no teatro e assina mais de 10 peças (já encenadas no Rio, São Paulo e até no exterior).

Criada por Jaqueline Vargas, com co-produção da Moonshot Pictures, "Sessão de Terapia" estreou na TV paga em 2012, causando boa impressão junto ao público e à crítica.

Numa das tramas de Luh, o personagem Nando, um executivo negro (o ator David Junior), procura o terapeuta Caio (Selton Mello) por causa de uma impotência sexual.

"Os roteiros de Luh trazem elementos do feminismo negro e das reflexões sobre masculinidade tóxica", diz o canal GNT.

´"Sessão de Terapia" está indicada como Melhor Série de TV paga no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro.

Assinantes da Globo Play já podem assistir ao seriado desde o final do ano passado.

Programa: Sessão de Terapia

Onde: Canal GNT

Quando: 14 de setembro (segunda

Horário: 23h30

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL