PUBLICIDADE
Topo

Jornalista Lucia Hippolito está há quase 10 anos afastada por doença grave

Lucia Hippolito era uma das comentaristas no quadro "Meninas do Jô" - Divulgação/TV Globo
Lucia Hippolito era uma das comentaristas no quadro "Meninas do Jô" Imagem: Divulgação/TV Globo

De Splash, em São Paulo

05/12/2021 16h37Atualizada em 08/12/2021 08h45

A jornalista, cientista política, historiadora e ex-integrante do quadro "Meninas do Jô" no programa de Jô Soares, Lucia Hippolito, está há quase 10 anos afastada do trabalho por questões de saúde.

Em abril de 2012, ela viajava pela França quando tentou levantar da cama e percebeu que suas pernas não se mexiam. Ela foi levada a um hospital em Paris onde recebeu o diagnóstico: um quadro grave de Síndrome de Guillain-Barré.

Trata-se de uma doença autoimune considerada muito rara, que pode ser desencadeada por infecção bacteriana ou viral. Em entrevista ao site Conexão Jornalismo em 2014, relembrou o dia do diagnóstico:

Quatro horas depois de entrar no hospital, eles me deram o nome da doença e me disseram que eu ia piorar muito, que depois eu ficaria um período estável e, mais tarde, começaria a melhorar lentamente. Fiquei na cama, sem movimentos, entubada. Lucia Hippolito

Ela precisou encontrar uma forma de se comunicar com o marido, Edgar Flexa Ribeiro: "Ele me mostrava um papel com todas as letras e números. E ia indicando letra por letra. Eu piscava o olho para dizer "sim" e virava a cabeça para o lado para dizer "não". E assim eu ia construindo as palavras".

Lucia ficou três meses internada em Paris. Segundo o Ministério da Saúde, a doença costuma piorar nos dois primeiros meses antes de entrar numa fase de estabilização. 15% dos pacientes conseguem se recuperar completamente após 2 anos do início da doença, e entre 5% e 10% continuam incapacitados, como foi o caso da jornalista.

Na entrevista de 2014, Lucia se mostrou otimista: "Não ando, as mãos ainda estão tortas, mas estou feliz porque faço progressos todos os dias. A síndrome de Guillain-Barré tem este lado animador. É uma conquista cotidiana. No início, as dores eram lancinantes. É como se os nervos estivem todos expostos".

Agora, em entrevista a Mariza Tavares para o blog "Longevidade: modo de usar", do G1, Lucia conta que sua recuperação tem altos a baixos: "Eu estava conseguindo segurar uma taça de vinho, mas, depois de uma internação causada por uma pneumonia, as mãos se atrofiaram novamente. Agora tomo vinho com canudinho".

"Tenho muito orgulho da minha vida, do que construí. Fui professora, servidora pública e a primeira mulher a ser chefe de gabinete da presidência do IBGE. Lutei contra a ditadura e pelas Diretas Já, fui jornalista e radialista", reflete.

Não me arrependo do que fiz, nem do que não fiz. Gostaria de visitar Paris uma última vez, mas sei que isso não será possível. Mas, para o hospital, não voltarei. Decidi que não vou desistir, mas não ficarei insistindo. Lucia Hippolito

No mês passado, Lucia relembrou a época de "Meninas do Jô" em live para comentar a morte de Cristiana Lôbo, que também fazia parte do quadro.

Lucia Hippolito também é comentarista política da Rádio CBN e âncora do CBN Rio e autora dos livros 'De raposas e reformistas: o PSD e a experiência democrática brasileira (1945-64)' e 'Por dentro do governo Lula: Anotações num diário de bordo'".