PUBLICIDADE
Topo

Criolo desabafa sobre morte da irmã e diz que 'temos que nos abraçar mais'

O rapper Criolo - Divulgação
O rapper Criolo Imagem: Divulgação

Colaboração para Splash, em São Paulo

30/11/2021 08h06

O rapper Criolo, de 46 anos, contou como está sendo voltar a fazer shows depois do longo tempo dentro de casa por conta da pandemia de covid-19. Neste último fim de semana, o cantor voltou aos palcos com sua apresentação, "Encontros Tropicais: Frequências do Gueto", em Salvador (BA).

Ele ainda relembrou a irmã, Cleane Gomes, de 39 anos, que faleceu em junho deste ano, em decorrência de complicações do coronavírus.

"Antes de rolar o som, a emoção já rolou. É uma fração de alegria esses encontros e reencontros. Já estava muito mexido, por conta de muita coisa e histórias. A minha música vem talhada de toda essa energia, sonhos, ansiedade e paciência, que reverberam nela. É um misto de sentimentos movidos a coragem e fé. Chegar até aqui este ano, significa muita coisa", disse ele em coletiva de imprensa antes do show.

"Estamos transbordando amor, emoção, carinho. Temos que nos amar muito. É muita ansiedade e uma confusão de coisas que pulsam para fora do meu corpo, porque nós somos canalizadores dessas energias e seres que emanam energia também. A música para mim é bem pessoal e tem esse poder", afirmou o artista.

Por fim, Criolo refletiu sobre o momento atual:

"Nesse ano, a minha irmã se foi. E não posso abraçá-la mais. Que a gente possa entender que, cada vez mais, temos que nos abraçar mais, as pessoas, as nossas histórias. Empresas são empresas, mas dentro de cada pessoa que trabalha ali, bate um coração. E, se a gente desistir do coração de uma pessoa, desistimos de nós mesmos", conclui.