PUBLICIDADE
Topo

#MeToo faz 3 anos: o que mudou em Hollywood (e fora dela) pós-campanha?

Harvey Weinstein
Harvey Weinstein
Andrew Kelly - 10.fev.2016/Reuters

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

15/10/2020 04h00

Foi há exatos três anos. No dia 15 de outubro de 2017, a atriz Alyssa Milano sugeriu no Twitter que mulheres assediadas ou agredidas sexualmente respondessem usando uma sugestiva hashtag chamada #MeToo ("Eu também"). Efeito imediato. Nas primeiras 24 horas, mais de um milhão de casos caíram na rede.

Continua depois da publicidade

Essa campanha, que nasceu sem pretensão, virou uma bola de neve esmagadora e entrou para a história. Mexeu profundamente com as estruturas de Hollywood. Mas talvez você esteja se perguntando: o que exatamente o #MeToo mudou no universo entretenimento —e fora dele? Bem, muita coisa.

Pra começar, o #MeToo colocou figuras "intocáveis" na berlinda. Harvey Weinsten, um dos principais produtores do cinema americano, foi preso e sentenciado a 23 anos por estupro e agressão sexual, acusado por mais de 70 mulheres, principalmente atrizes.

Harvey Weinstein no tribunal em Manhattan - REUTERS/Brendan McDermid - REUTERS/Brendan McDermid
Harvey Weinstein no tribunal em Manhattan
Imagem: REUTERS/Brendan McDermid

Harvey era só a ponta do iceberg

Dezenas de figurões foram acusados na esteira do #MeToo. O comediante Bill Cosby e o fotógrafo francês Jean-Claude Arnault também terminaram condenados e presos. Outros, como o ator Kevin Spacey e os diretores Brett Ratner e Bryan Singer foram "cancelados".

Continua depois da publicidade
Kevin Spacey recebe mais duas acusações de abuso sexual - Reprodução / Internet - Reprodução / Internet
Kevin Spacey, que assediou vários homens
Imagem: Reprodução / Internet

Outra consequência do movimento: estúdios e produtoras vêm recorrendo a profissionais "coordenadores de intimidade", uma das funções que mais crescem no entretenimento. Basicamente, uma pessoa contratada para supervisionar cenas de sexo e garantir respeito e condições de consentimento.

A britânica Ita O'Brien dirige cena de sexo em peça de teatral - Ita O'Brien/Arquivo Pessoal - Ita O'Brien/Arquivo Pessoal
A britânica Ita O'Brien dirige cena de sexo em peça de teatral
Imagem: Ita O'Brien/Arquivo Pessoal

O maior sindicato de atores da indústria do cinema, o SAG-AFTRA, que representa 160 mil profissionais, criou um Código de Conduta sobre Assédio Sexual. As diretrizes ensinam a identificar o assédio e, entre outros pontos, pede o fim de audições em quartos de hotel, o famoso "teste do sofá".

Demorou, né?

Continua depois da publicidade

O novo "Mulher-Maravilha 1984", por sinal, que estreia em dezembro, foi a primeira grande produção a investir pesado nessas diretrizes. Vale lembrar que o produtor Brett Ratner, financiador do primeiro filme, foi acusado de assediar sexualmente várias atrizes, incluindo Olivia Munn e Ellen Page.

É importante lembrar: o #Metoo também impulsionou outro movimento, o Time's Up. Liderado por atrizes e personalidades vítimas de Weinsten, ele criou um fundo que levantou mais de US$ 22 milhões e ajudou cerca de 4.000 vítimas.

A nova onda de diversidade na academia do cinema americano, que vem aumentando o percentual de mulheres entre seus associados, também é considerado um dos desdobramentos do #MeToo, que jogou ainda mais luz nas necessárias campanhas de igualdade salarial.

Continua depois da publicidade

Com toda essa repercussão, o número de denúncias de assédio aumentou muito nos EUA.

Segundo a Equal Employment Opportunity Commission, a Comissão pela igualdade trabalhista americana, o #MeToo impulsionou em 50% de processos apenas no primeiro ano da campanha.

Ou seja, não é de admirar que vários estados americanos tenham conseguido aprovar legislações mais rígidas sobre tema. Outros dez países, como Argentina, Bélgica, França e África do Sul, também ratificaram um acordo para apoiar leis e vítimas. É o puro poder da mobilização.

Continua depois da publicidade

Mesmo com avanços, ainda há muito o que ser feito, claro. Segundo especialistas, em muitas regiões dos EUA e do mundo, a legislação ainda minimiza os casos, protegendo criminosos e tirando poder de denúncias. Muitas mulheres e homens são obrigados a sofrer calados.

E não é isso que nós queremos, né?