PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

É melhor ver tesouros do Baú do SBT do que o atual Programa Silvio Santos

Silvio Santos recebe Xuxa no "Show de Calouros" (1989) - Reprodução
Silvio Santos recebe Xuxa no "Show de Calouros" (1989) Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

31/05/2021 07h01

No lugar de reprisar edições mais ou menos recentes do "Programa Silvio Santos", como tem feito há mais de um ano, neste domingo (30) o SBT decidiu abrir o baú. Por quatro horas, o espectador reviu quadros clássicos da atração, como "Show do Milhão", "Porta da Esperança" e "Show de Calouros".

Muita gente sonhava com isso, e o SBT resistia. Neste domingo ficou claro um dos motivos: esses quadros do passado mostram um "Programa Silvio Santos" bem melhor do que o atual.

Na interação com Xuxa, em 1989, ou com Sandy & Junior, na década de 1990, com o elenco da "Casa dos Artistas", em 2001, e até mesmo com a turma do "Pânico", em 2007, Silvio Santos parecia muito mais leve, feliz e satisfeito do que nos últimos anos. Sem falar do antológico episódio do "Topa Tudo por Dinheiro", com o grupo Raça Negra e o fã mirim, que foi levado a escolher se preferia ganhar uma foto dos artistas ou R$ 1.000.

Imagino que o SBT tenha dificuldades em matéria de direitos autorais para reprisar muitos dos tesouros do seu baú. Mas o programa deste domingo mostrou que a emissora deveria investir mais neste resgate. Um canal online, exclusivamente dedicado a estes grandes momentos do passado, seria um sucesso, aposto.

AVISO: Saio de férias por um período mais longo, para desenvolver um projeto, e retorno com a coluna em setembro. Até a volta.

Siga a coluna no Facebook, no Twitter e no Instagram.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL