PUBLICIDADE
Topo

Mauricio Stycer

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

De volta, "Greg News" não vê lugar para a comédia durante um naufrágio

Na estreia da quinta temporada do "Greg News", Gregorio Duvivier criticou a postura do presidente na pandemia - Reprodução
Na estreia da quinta temporada do "Greg News", Gregorio Duvivier criticou a postura do presidente na pandemia Imagem: Reprodução
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

09/04/2021 07h01

Ao estrear a quinta temporada de "Greg News", nesta sexta-feira (09), na HBO, Gregório Duvivier se comparou a um comediante no Titanic. "Certamente tinha um comediante no Titanic", disse. E, diferentemente do violinista, cujo som que produz "combina com o naufrágio", o responsável pelas piadas estava deslocado no momento da tragédia.

"A comédia, se fosse um instrumento, seria uma espécie de cuíca. Você não toca cuíca durante um naufrágio. É isso que a gente faz. É isso que a gente é. DJs de velório... 'Greg News' é uma espécie de MC de chacina, pagodeiro de naufrágio. É isso que a gente faz".

No ar desde 2017, "Greg News" é um programa de comentário político do gênero "comedy news", que funde comédia com notícias. Sempre temático, o programa de estreia da quinta temporada foi dedicado a Jair Bolsonaro, a quem Duvivier responsabiliza pelo naufrágio.

"Até que veio a pandemia e Bolsonaro foi o presidente mais covarde do planeta. Bolsonaro foi supercompetente na execução do seu plano. E é claro que tinha um plano, só que era o plano mais covarde possível. Ele escolheu se render ao vírus. Diante da sensação que ia ser difícil vencê-lo, Bolsonaro se ajoelhou, traiu o Brasil e se aliou ao inimigo", disse.

"E não é só que ele se omitiu. Ele agiu. Jair Bolsonaro trabalhou para o vírus o ano inteiro. Houve uma estratégia de propagação intencional do coronavírus no Brasil", afirmou o comediante.

A quarta temporada, já na pandemia, foi gravada na casa da mãe de Duvivier. "Eu acho que mais do que nunca, o programa era importante da gente fazer num momento em que existe uma infodemia (uma enxurrada de informação)", disse ele, ao UOL, em maio de 2020 (veja abaixo).

Já a quinta temporada, com novo cenário, está sendo gravada num pequeno estúdio, sem plateia alguma, e equipe reduzida, respeitando os protocolos da WarnerMedia e as medidas preventivas da covid-19 recomendadas pelas autoridades de saúde locais.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL