PUBLICIDADE
Topo

Globo tem a melhor audiência em março dos últimos 12 anos

Márcio Gomes comanda o "Combate ao Coronavírus", programa especial que a Globo estreou em março - Reprodução / Internet
Márcio Gomes comanda o "Combate ao Coronavírus", programa especial que a Globo estreou em março Imagem: Reprodução / Internet
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

04/04/2020 06h01

A quarentena forçada e a busca por notícias sobre a pandemia de coronavírus tiveram um impacto poderoso sobre a audiência da Globo, em São Paulo. Na média das 24 horas, a emissora não registrava um resultado tão bom em um mês de março desde 2008, há 12 anos.

Segundo dados do Kantar Ibope, a Globo registrou média de 15 pontos e foi sintonizada por 36% dos aparelhos ligados em março. Isso significa um aumento de dois pontos em relação a março de 2019.

As principais concorrentes não registraram aumento na média mensal. SBT (6 pontos), Band (2 pontos) e RedeTV! (1 ponto) repetiram suas médias de março de 2019. A Record registrou perda - foi de 6 pontos em 2019 para 5 em 2020.

No consolidado do primeiro trimestre, a Globo teve uma média de 13 pontos nas 24 horas (com 35% de participação). É um crescimento de um ponto em relação ao primeiro trimestre de 2019.

Da mesma forma do que ocorreu em março, no conjunto do primeiro trimestre SBT, Band e RedeTV! mantiveram as mesmas médias de 2019 e a Record perdeu um ponto.

Na faixa das 7h à 0h, a Globo registrou em março média de 18 pontos, um aumento de três pontos em relação a março de 2019. Foi também o melhor março da emissora nesta faixa desde março de 2008.

No horário nobre, na faixa das 18h à 0h, a Globo registrou média de 27 pontos em março, um aumento de cinco pontos em relação a março de 2019.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL