PUBLICIDADE
Topo

Leandro Carneiro

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Brasileiro deveria poder acordar com Galvão na TV o ano inteiro

Galvão Bueno tem alegrado os brasileiros nas manhãs da Globo - Mauricio Fidalgo/Globo
Galvão Bueno tem alegrado os brasileiros nas manhãs da Globo Imagem: Mauricio Fidalgo/Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Leandro Carneiro

Editor de Splash, viciado por qualquer tipo de reality show, inclusive aqueles que os famosos vivem na vida real. Jornalista há mais de 10 anos e palpiteiro desde sempre. Se o assunto for esporte entro em campo também.

Colunista do UOL

29/07/2021 10h03

Você já pensou Galvão Bueno narrando a CPI ou falando sobre um julgamento no STF? Sabemos que ele não merece isso, mas faria bem para todo brasileiro se a gente tivesse essa oportunidade toda manhã.

Galvão Bueno mostrou hoje, na ginástica, que é capaz de dar emoção até em assuntos mais delicados que envolvem o lado jurídico.

"Subiu a nota. Belíiiisimo recurso", disse. "Não sei nem quem tomou iniciativa, tomou muito bem. Valeu recurso", completou.

O lado torcedor do Galvão despertava exatamente a sensação do torcedor brasileiro ao acompanhar Rebeca Andrade na ginástica artística. "Cadê a nota da Rebeca?", falou o locutor aumentando a ansiedade em todos nós.

Sabe a famosa narração do "olha o que ele fez, olha o que ele fez" após uma jogada do Ronaldinho. Galvão criou uma versão para a ginástica. "Que momento, que momento, que momento da Rebeca".

E para encerrar mais uma transmissão emocionante, nada melhor do que uma medalha para Rebeca, e Galvão narrou, puxando o R como tradicionalmente faz no futebol.

"É muito desconto, é muito desconto. Que venha medalha, que venha medalha. Ela merece. A ginástica feminina brasileira merece".

É prata, é prata, é prata. Saiu a medalha, saiu a medalha inédita. Rrrrrebeca Andrade do Brasil.

Vale lembrar que nesses Jogos Olímpicos já tivemos a sorte de acordar com Galvão na abertura em um diálogo incrível com Rayssa Leal, no bronze de Daniel Cargnin e também nos jogos de futebol.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL