PUBLICIDADE
Topo

Cenário de "Harry Potter", castelo inglês tem jardim venenoso como atração

Do UOL, em São Paulo

22/04/2015 16h41

O Castelo de Alnwick é uma das principais atrações turísticas da Inglaterra. Com início da construção em 1096, foi palco de diversas guerras, disputas e mudança de donos ao longo dos séculos. É o segundo maior castelo habitado na Inglaterra, ficando atrás somente do Castelo de Windsor, onde vive a família real britânica.

É Ralph Percy, duque de Northumberland, quem ocupa, com sua família, parte do castelo. O restante é aberto para visitação. O imóvel chega a receber até 800 mil pessoas por ano, boa parte delas em busca da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, já que o espaço serviu de locação para os dois primeiros filmes da saga Harry Potter.

Mas nem tudo são flores em Alnwick. Caveiras desenhadas em um grande portão negro deixam bem claro que não é bom andar despreocupado por ali. “Essas plantas podem matar”, diz o aviso em inglês.

Detalhe do portão de entrada do Jardim Venenoso: "Essas plantas podem matar" - Creative Commons/ Tölvakonu - Creative Commons/ Tölvakonu
Imagem: Creative Commons/ Tölvakonu

Em 1992, a duquesa Jane Percy ficou encarregada de remodelar os 17 hectares de jardins que cercam o castelo, em uma obra que consumiu 42 milhões de libras esterlinas. Ficou tudo lindo, com muitas flores, fontes, portões decorativos e até uma das maiores casas de árvore do mundo. Mas uma área em especial criou controvérsia: o jardim venenoso de Alnwick.
 
“Eu fiquei pensando o motivo de tantos jardins ao redor do mundo focarem no poder de cura das plantas em vez de sua capacidade de matar”, justificou a duquesa no site dedicado ao jardim. “Eu senti que a maioria das crianças que eu conheço ficaria mais interessada em ouvir sobre como uma planta pode matar, quanto tempo você demoraria para morrer e quão horrível e dolorosa essa morte seria”.
 
O local abriga mais de 100 espécies de plantas venenosas, a maioria delas tão bela quanto fatal. Um exemplo é a Noz Vômica, também conhecida como fava de Santo Inácio, da qual se tira o veneno estricnina, ou a aparentemente inofensiva mamona, cujas sementes servem para retirar a ricina (quem assistiu a série Breaking Bad sabe quão perigosa a substância pode ser). Outra atração do jardim são as plantas das quais se extraem entorpecentes, como cannabis, a coca e as papoulas de ópio.