PUBLICIDADE
Topo

Blogueiros brasileiros fazem sucesso e ditam tendências em Buenos Aires

El Caminito é um dos pontos turísticos mais visitados por brasileiros em Buenos Aires - Melissa Pio/UOL
El Caminito é um dos pontos turísticos mais visitados por brasileiros em Buenos Aires Imagem: Melissa Pio/UOL

Gabriela Grosskopf Antunes

Do Clarín, em Buenos Aires

27/02/2014 16h42

O Clarín entrevistou alguns dos responsáveis pelos blogs mais populares em português da cidade e mostra bastidores de uma atividade que vem formando opiniões e atendendo a enorme demanda de brasileiros que visitam o país.

“Qualquer brasileiro pensa que um dia virá conhecer Buenos Aires”, diz Ludmy Paiva, do blog “Vou Contigo”. “Às vezes, o turista nem planeja, mas sai uma promoção imperdível para Buenos Aires e ele acaba vindo”, conta Túlio Bragança Pires, do blog “Aires Buenos”.

O brasileiro é o principal turista internacional na Argentina. Cerca de 40% dos estrangeiros que desembarcam todos os meses no país são brasileiros. Segundo os últimos dados consolidados, em 2010 as cifras superaram um milhão de turistas.

O intercâmbio é intenso tanto de brasileiros que visitam a Argentina, como de argentinos que vão ao Brasil: 1,7 milhão no ano passado.

Escapadinha

Já foi para Buenos Aires?
Mande sua foto pra gente!

Para muitos, é a primeira viagem internacional. Para outros, Buenos Aires já se tornou uma escapadinha usual regada a vinho e tango. E a busca por informações personalizadas, confiáveis e dadas por brasileiros é uma demanda que vem crescendo.

Segundo um estudo da Associação Brasileira de Blogs de Viagem (ABBA), a maioria dos leitores deste tipo de blog seria do sexo feminino, urbanas, com nível superior e com renda mensal de mais de dez salários mínimos, que viaja pelo menos uma vez ao ano ao exterior e é leitora frequente de blogs.

Além disso, são viajantes experientes que usam a internet como fonte de informação e de aquisição de serviços. 70% desses leitores terminam usando as dicas dadas nos blogs. E 80% planejam a viagem sozinhos, pela internet, sem intermediários.

Tendências

Graças a esses leitores, os blogs vêm se transformando numa verdadeira indústria, ditando tendências de viagens e consumo.  “Eu já tive mais de dez blogs. Comecei a brincar com isso quando tinha 12 anos. Gostava de jogar com os layouts e imagens. Mas depois surgiu a paixão por escrever e eu resolvi escrever um blog sobre moda”, explica Mariana Figueiró que hoje vive exclusivamente da publicidade gerada pelo blog “Oh Fashion”.

O blog da Mariana já supera 170 mil visitas ao mês. “No começo, eu cheguei a cobrar R$ 15 por banner (publicidade no blog). Com o aumento no número de acessos, este valor foi subindo. No Brasil, algumas blogueiras chegam a cobrar R$ 2.000 por mês por um banner”, explica.

“Em 2008, me mudei para cá. Eu vi que a Argentina não teve o mesmo boom de blogs de moda e aproveitei isso. Comecei a escrever sobre as marcas de roupas argentinas, colocando achados nas lojas, mostrando as coleções de verão e inverno na Argentina, mostrando tendências”.

Para todos os gostos

No mundo dos blogs, cresce a tendência à segmentação do nicho, explica Gisele Teixeira do blog “Aqui me Quedo”, um dos mais populares sobre Buenos Aires. Gisele está terminando a Universidade do Tango e se especializa em abastecer seus leitores com as melhores dicas para os fãs da dança.

“Meu nicho é tangueiro. Muitos turistas vêm exclusivamente para dançar tango. Não os vemos porque não circulam por aí. Fazem apenas isso”. “O correspondente internacional que hoje está aqui tem que cobrir Cristina, futebol, deixando de fora algumas coisas que correm pelas laterais”, diz Gisele que também é jornalista.

Naiara Santarem, do “Pindalolas”, por exemplo, aposta no turismo em família e passeios para todas as idades. “A ideia é mostrar que você pode vir a Buenos Aires com seus filhos ou com seus pais e se divertir”.

Embora nem todos os blogueiros concordem que a quantidade de visitas ao site seja essencial (muitos argumentam que a qualidade desse leitor é o que importa), Túlio calcula que sua página tenha uma média de 3.000 acessos ao dia, quase 100 mil ao mês.

Resposta

Mas por que apostar na popularidade dos blogs? O sonho dourado de fazer dele uma fonte de renda é a resposta.

“Eu quero transformar meu blog em uma espécie de agência de viagem”, conta Amanda Mormito, autora do “Buenos Aires para Chicas”, um blog muito popular especializado em dar dicas a mulheres que visitam a cidade. “Meu público é de meninas da mesma idade que eu. Gostaria de ser um receptivo turístico para elas”, afirma a blogueira de 23 anos.

Alguns blogueiros já oferecem serviços personalizados, como passeios customizados, companhia para viajantes solitários, roteiros exclusivos e até tour de compras.

Mariana Pereira, além do blog, abriu um hotel em um dos novos bairros da moda de Buenos Aires, Villa Crespo.  “A ideia era ter um conteúdo sobre o bairro para quem viesse se hospedar no hotel”, diz.

Ligia Baleeiro, do blog “La vestuarista”, é outra blogueira que inovou nos serviços, ao oferecer ajuda com o guarda roupa de argentinos e brasileiros, workshops de moda e até tours de “personal shopping”. “Vim estudar figurino e acabei criando o blog como portfólio. Foi crescendo e virou um blog de moda e inspiração”.

Turista brasileiro

O turista brasileiro é um visitante importante para a economia local. Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (INDEC), a maior quantidade de visitantes estrangeiros no país é de brasileiros e são eles que mais divisas despendem. O brasileiro teria um gasto médio de US$ 152,6 por dia, US$ 80 a mais que a média geral.

E, apesar de todos os esforços para manter os turistas longe dos caminhos mais batidos (Calle Florida, Obelisco, Café Tortoni, entre outros destinos de brasileiros), os blogueiros admitem que ainda há muita demanda pelas informações mais básicas sobre a cidade. “As pessoas querem coisas prontas, como roteiro para quatro dias em Buenos Aires”, conta Túlio.

Túlio tem uma visão mais utilitária do seu blog. “Eu tento fugir dos posts sobre Caminito ou Obelisco, mas às vezes é o que as pessoas querem. Então, temos que falar a respeito”. “Eu tomo cuidado para que não seja um blog robô”.

Já Ludmy prefere que seu blog se foque em assuntos ligados a comportamento e cultura, como explica: “Não me interessa fazer um post sobre o Obelisco ou a Calle Florida e sim dar a visão de uma brasileira expatriada no país”.

“Hoje existe tanta informação que as pessoas querem que a gente organize estas informações para elas”, completa Gisele. “É um vínculo de confiança que a gente termina criando”, diz Ludmy.

São perfis diferentes, de diversas calçadas da vida, abordando distintos aspectos da cultura, gastronomia e comportamento, com apenas um interesse em comum: Buenos Aires.

“No final, é muito simples: escrevemos porque nos apaixonamos pela cidade”, diz Túlio. Verdadeiro amor portenho para exportação.

(Texto originalmente publicado no site do Clarín em português)