PUBLICIDADE
Topo

Para #domingar com samba: Teresa Cristina dá palhinha com Martinho da Vila

Bruno Calixto

Colaboração para Nossa, de

17/10/2021 04h00

Martinho José Ferreira é o patriarca de uma família de artistas. Aos 83 anos, Martinho da Vila nunca parou: continua lançando livros e músicas. No seu clã (são 8 filhos e 12 netos) "é só alegria e orgulho", como ele faz questão de contar durante bate-papo remoto com Teresa Cristina.

"Nunca dei bronca nem conselho para filho. O importante é ser amigo e dar só exemplos. Naturalmente, eles foram seguindo, e por sorte todos são talentosos", diz o sambista, convidado de honra do programa "Botequim da Teresa".

Martinho da Vila com seus filhos e a mulher, Cleo - Cleo Ferreira/arquivo pessoal - Cleo Ferreira/arquivo pessoal
Martinho da Vila com seus filhos e a mulher, Cleo
Imagem: Cleo Ferreira/arquivo pessoal

Ode a Martinho

Diminutivo só no nome. Martinho da Vila é gigante. Reconhecido mestre, que resiste e escreve suas letras com cuidado e atenção aos momentos políticos do país, sobre o povo desse país.

"Mas você não está aqui? É o Brasil cantando para a Democracia", canta Teresa Cristina, para homenagear seu convidado.

Teresa Cristina nos bastidores da entrevista com Martinho da Vila para o Botequim da Teresa - Zô Guimarães/UOL - Zô Guimarães/UOL
Teresa Cristina nos bastidores da entrevista com Martinho da Vila para o Botequim da Teresa
Imagem: Zô Guimarães/UOL

Recentemente, eles gravaram um novo single "Unidos e Misturados", feito pelos dois. Faz parte de uma série de músicas que Martinho vem fazendo e começou com "Vidas Negras Importam", lançado no dia 13 de maio. Todos eles farão parte do próximo álbum do artista, que será gravado até o fim do ano.

Ano passado, lançou 'Rio Só Vendo a Vista', disco que traz uma visão festiva e alegre sobre o Rio de Janeiro, com 12 músicas — sendo cinco inéditas e sete regravações.

Capa do single "Juntos e Misturados", com música gravada por Martinho Teresa Cristina - Divulgação - Divulgação
Capa do single "Juntos e Misturados", com música gravada por Martinho Teresa Cristina
Imagem: Divulgação

A relação com Angola e o 7 de setembro lá

Uma boa parte da conversa com Teresa Cristina foi dedicada à África, em especial às idas de Martinho para Angola, última colônia de língua portuguesa a se libertar do colonizador, em 1975.

"Fui para Angola ainda no tempo colonial, cinco anos antes da Independência, eu não sabia de nada do que estava acontecendo lá, nem em África", conta o sambista.

Era o período de descolonização, lembra Martinho, e os países de língua portuguesa estavam se tornando independentes com apoio dos soviéticos.

"Eu fiz dois shows em Luanda (capital de Angola), o primeiro num cinema para os pretos. Mais para a frente, um outro para a elite branca portuguesa. Por acaso, era 7 de setembro, e eu de licença da farda de sargento do Exército. Naquele momento, aflorou meu lado milico, e disse que no Brasil estaríamos comemorando o Dia da Independência. Pensei que seria aplaudido, mas ficou aquele silêncio. Tive que continuar o show com 'Na minha casa todo mundo é bamba?'"

Para o mestre do samba, falar em África antes do processo de independência dos seus países era um tabu.

martinho da vila - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Recado final

Antes de se despedir, Martinho deixa um alerta à Teresa extensivo aos fãs e admiradores: "Não perca as esperanças, mas dê motivo, não fiquei só esperando. Quem espera, não alcança nada"

Estamos num momento promissor, eleições no próximo ano, é importante atuar e participar para quando for mais tarde poder se lembrar: é eu fiz parte desta história."

Samba, série e Teresa

O "Botequim da Teresa" vai ao ar todas as sextas-feiras, às 11 horas, no Canal UOL e no YouTube de Nossa (inscreva-se já para receber os lembretes). Em cada episódio, Teresa Cristina recebe um convidado especial e ensina a fazer os petiscos clássicos de alguns do botequins mais famosos do Rio de Janeiro. O programa é uma coprodução de Nossa e MOV, a plataforma de vídeo do UOL.