PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Repórter deixa ESPN após se recusar a tomar vacina da covid-19

Allison Williams, repórter da ESPN, recusou se vacinar contra a covid - Reprodução
Allison Williams, repórter da ESPN, recusou se vacinar contra a covid Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

17/10/2021 17h36

A repórter Allison Williams anunciou que está deixando a ESPN americana depois de ter comunicado à empresa que não se vacinará contra a covid-19. Em um vídeo publicado ontem em seu perfil no Instagram, a jornalista afirmou que pediu que Grupo Disney, dono da emissora, abrisse uma exceção em sua política de vacinação para os funcionários, o que foi negado.

Allison, que costuma cobrir basquete e futebol americano universitário à beira do campo, alegou questões "éticas e morais" para recusar a vacinação, além de temores em relação a uma futura gravidez. Órgãos de regulamentação sanitária, como o americano CDC e a brasileira Anvisa, além dos próprios fabricantes, garantem que os imunizantes não acarretam riscos às gestantes ou à fertilidade de homens ou mulheres.

"Além da preocupação médica sobre meu desejo de ter outro bebê e receber essa injeção, eu também sou moralmente e eticamente não alinhada com isso", disse ela em vídeo no Instagram. "Eu tive que ir a fundo e analisar meus valores e minha moral, e ultimamente tenho que colocá-los em primeiro lugar."

Em setembro, ela já tinha anunciado a recusa a se imunizar, classificando a decisão como "extremamente difícil". "Entendo que vacinas são essenciais no esforço de encerrar a pandemia, mas tomar a vacina nesse momento não é do meu interesse."

Em maio, a ESPN anunciou que todos os seus 5.500 funcionários que trabalham em estádios e arenas deveriam se vacinar até agosto, já que os administradores desses espaços estavam exigindo que os profissionais que os frequentam estejam imunizados. Na ocasião, a ESPN informou que pedidos de exceção seriam analisados caso a caso.

O debate sobre a vacinação tem sido recorrente nos esportes americanos, já que figuras importantes de ligas como a NBA já se disseram contra a imunização. A situação é um reflexo do que acontece no país, onde movimentos antivacina têm expressão e influência no público.

Na ESPN Brasil, o comentarista Paulo Antunes foi alvo de críticas após defender o armador Kyrie Irving, que recusa a vacina, e sugerir que o imunizante "faz mal". "Eu respeito. Se ele não quiser tomar a vacina, ele não toma", disse Paulo no "ESPN League". "Se é uma vacina que vai funcionar ou não, depende, a vacina faz mal? A gente não sabe, porque geralmente demoram muitos e muitos anos de testes para aprovar uma vacina, e foi um negócio muito rápido aqui. Então eu consigo entender esse pensamento."

Ontem, Paulo Antunes publicou um vídeo no Twitter dizendo que foi mal interpretado e que não é contra a vacinação.

Esporte