PUBLICIDADE
Topo

Esporte

CEO do Flu, ex-COB crê que dívida da Rio-2016 é muito maior que o divulgado

Marcus Vinicius Freire em 2016, ainda como diretor do Comitê Olímpico Brasileiro - AFP PHOTO / YASUYOSHI CHIBA
Marcus Vinicius Freire em 2016, ainda como diretor do Comitê Olímpico Brasileiro Imagem: AFP PHOTO / YASUYOSHI CHIBA

Do UOL, em São Paulo

20/10/2017 09h51

Em entrevista ao jornal "O Globo", Marcus Vinícius Freire, ex-diretor executivo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), disse que acredita que a dívida do Comitê Rio-2016 é muito maior do que os R$ 132 milhões divulgados no balanço da entidade no fim do último ano. Mesmo assim, o dirigente, hoje CEO do Fluminense, se disse surpreso pela prisão de Carlos Arthur Nuzman.

Questionado sobre a possibilidade de o Comitê Rio-2016 conseguir pagar sua dívida, Freire disse achar improvável.

"Para mim, ela é muito maior do que estão falando. E não acho [que conseguirá quitar]. O COB será o herdeiro dessa dívida [nota da redação: por contrato, quem devem assumir a dívida são prefeitura e governo do Rio]. Edson Menezes, que é meu amigo, aliás, era ex-diretor financeiro do COB e agora está à frente do Rio-2016. Disse que acha que entrou em uma roubada. Mas já era sabido, né?", declarou o dirigente. 

Mesmo com o problema, o dirigente do Fluminense se surpreendeu com a prisão de Nuzman. Freire se disse surpreso com a informação da suposta compra de votos para que o Rio de Janeiro fosse eleito sede das Olimpíadas de 2016.

"Participei da campanha, mas não profundamente, entrei depois que o COB ganhou os Jogos Olímpicos, em 2009. E nunca ouvi falar nessa história de pagar por voto, até porque éramos os mais pobres dos quatro candidatos. Era mais fácil Japão ou Estados Unidos pagarem. Mas, me entristece... Pô, sou gaúcho, cheguei no Rio com 13 anos. Meu pai ligou para o Nuzman e falou: 'Meu filho está na rodoviária. Estou mandando para a seleção infanto (de vôlei). Cuida do cara aí'. Espero que ele consiga se defender, mas o dia a dia tem mostrado o pior, né? Porque tem saído outras coisas... Acho que vai complicar", afirmou.

Para o ex-COB, o Rio seria eleito mesmo sem os votos que supostamente foram comprados.

"Matematicamente sim. A estratégia do Brasil era se salvar na primeira rodada. Esse corte seria o pior dos mundos. E na última votação tínhamos 20 votos a mais. Teríamos de ter comprado mais do que um voto", opinou.

Esporte