PUBLICIDADE
Topo

Brasileirão - 2021

Flu vence Athletico de novo com gol contra e encerra jejum de vitórias

Samuel Xavier e Yago Felipe comemoram gol do Fluminense contra o Athletico-PR - Robson Mafra/AGIF
Samuel Xavier e Yago Felipe comemoram gol do Fluminense contra o Athletico-PR Imagem: Robson Mafra/AGIF

Caio Blois

Do UOL, no Rio de Janeiro

17/10/2021 17h56

Classificação e Jogos

O Fluminense quebrou o jejum de três jogos sem vencer e sem balançar as redes Brasileirão e bateu o Athletico por 1 a 0, na Arena da Baixada. O gol, entretanto, foi contra, de Zé Ivaldo. Curiosamente, em 2020, o resultado foi o mesmo, também com um zagueiro marcando contra o próprio patrimônio — no ano passado, Aguilar fez para o Tricolor.

Com a vitória, o Flu, que não vencia há três jogos, subiu para a oitava posição, com 36 pontos, e voltou à zona de classificação para a Libertadores, que dará nove vagas aos times brasileiros em 2022. O time de Marcão ultrapassou justamente o Furacão, agora o nono, com 34.

Marcos Felipe e André se destacam

A vitória do Fluminense teve boas atuações individuais, mas dois jogadores foram os destaques da equipe. No gol, Marcos Felipe pegou tudo e garantiu o resultado. Na linha, André esteve no campo inteiro, roubou bolas, acertou a maioria dos passes, apareceu na frente e foi o dono do jogo.

John Kennedy aproveita chance e é o mais perigoso do Flu

De todas as alterações que Marcão promoveu na equipe titular, quem melhor aproveitou sua chance foi John Kennedy, escalado no ataque na vaga de Bobadilla. O jovem de Xerém caiu pelas pontas, fez diagonais, deu opções de passe e até trabalhou bem no pivô, embora não seja um jogador de força. Na atuação regular do Fluminense, ele foi o jogador mais perigoso, de longe.

Caio Paulista erra muito e é o pior do Flu

Embora tenha atuado os 90 minutos, Caio Paulista novamente não teve boa apresentação no Fluminense. Taticamente, o jogador desempenhou bem sua função e ajudou Marlon a conter os avanços do Athletico pela esquerda da defesa, mas com a bola no pé, o camisa 70 errou muito e se destacou negativamente.

Athletico começa bem e faz pressão

Em casa, o Athletico fez valer o apelido de Furacão e foi para cima do Fluminense com muita intensidade. Veloz, a equipe de Alberto Valentim dominou as ações no início do jogo e assustou logo aos sete, com Bissoli, que chutou forte, cruzado, mas parou em Marcos Felipe. Aos 18, Christian também tentou, e o goleiro do Flu defendeu novamente.

Santos falha, e Flu balança as redes com gol contra

Com pouca posse de bola e inspiração, o Tricolor resistia aos avanços do Athletico mas não conseguia criar chances. Aos 29, André deu a primeira finalização da equipe de Marcão, mas Santos defendeu sem sustos. Quatro minutos depois, o Flu abriu o placar e balançou as redes depois de três jogos sem fazer gol. Mas foi contra.

Fluminense abre placar em gol contra do Athletico

Samuel Xavier cruzou, Santos saiu mal e a bola bateu na nuca de Zé Ivaldo antes de morrer dentro das redes. Curiosamente, em 2020, na Arena da Baixada, o Furacão também fez gol contra na derrota por 1 a 0 para o Fluminense — Aguilar jogou contra o próprio patrimônio.

Marcos Felipe salva o Flu

Quando marcou seu gol, o Flu até melhorara no jogo, o que seguiu após balançar as redes. Mesmo assim, aos 37, Marcos Felipe precisou fazer grande defesa para salvar o que seria o empate do Furacão. Em uma bola lançada na área, Pedro Rocha pegou a sobra e bateu colocado, no canto, mas o goleiro se esticou todo e evitou o gol.

Marcos Felipe faz grande defesa para o Fluminense e impede empate do Athletico

VAR dá impedimento em lance polêmico de pênalti para o Flu

Logo aos dois minutos, na primeira chance do segundo tempo, Marlon deu belo passe para John Kennedy, que avançou pela esquerda e foi derrubado por Khellven. O juiz Felipe Fernandes Lima apontou para a marca de cal e deu pênalti, mas rapidamente o auxiliar assinalou impedimento. O VAR entrou em ação para traçar as linhas, e o impedimento foi confirmado.

Na transmissão da Globo, entretanto, a imagem mostrava o atacante e o zagueiro Nico Hernández na mesma linha, com os traçados sobrepostos. Sandro Meira Ricci, que estava na Central do Apito, chamou a atenção para a espessura das linhas, que são mais finas para a cabine do VAR do que para a televisão. O ex-árbitro pediu que a CBF tornasse públicos a construção das linhas e do raciocínio para o impedimento, uma vez que, se John Kennedy e Hernández estavam na mesma linha, o correto seria marcar pênalti.

André obriga Santos a fazer grande defesa

Volante que fica mais atrás no esquema do Flu, André apareceu no ataque diversas vezes como elemento surpresa, e aos 22 do segundo tempo, obrigou Santos a fazer grande defesa para impedir que o Tricolor aumentasse o placar. Em chute de fora da área, ele bateu firme, cruzado, e o bom goleiro do Furacão espalmou para a lateral. Na sequência, aos 24, Martinelli pegou sobra e bateu com força, por cima do gol do time da casa.

Mexidas de Valentim bagunçam o Athletico

Se era melhor no primeiro tempo apesar do placar adverso, o Athletico não jogou bem no segundo tempo. Já no intervalo, Alberto Valentim trocou Richard por Márcio Azevedo e passou Pedrinho, que jogava mais aberto pela esquerda, para o meio. Depois, trocou Nico Hernández, que tinha amarelo, pelo meia Jaderson, desfez o esquema com três defensores e abriu mais a equipe. O time ficou bagunçado, o que não mudou com as entradas de Mingotti e Jader nas vagas de Carlos Eduardo e Bissoli. Em campo, até pela falta de entrosamento — já que já começou o jogo com reservas —, o Furacão não se entendeu e criou muito pouco.

Flu perde Nino e Yago por lesão

Depois de ver o Fluminense subir de produção no segundo tempo, bloquear bem as ações ofensivas do Athletico e criar um pouco mais, Marcão perdeu dois jogadores importantes por lesão. Primeiro, Nino se chocou com Carlos Eduardo, machucou o supercílio e saiu de campo para a entrada de Manoel. Depois, Yago, que completou 100 jogos pelo Tricolor, sentiu o tornozelo esquerdo e foi substituído por Nonato. As contusões obrigaram o técnico a antecipar substituição de John Kennedy por Abel Hernández. O Tricolor piorou no jogo.

Manoel e Pedro Rocha perdem chances no fim

Aos 48, quando o Flu fazia de tudo para queimar o tempo e voltar a vencer no Brasileirão, a equipe teve uma falta perigosa no ataque. Na cobrança, Lucca bateu fechado e achou Manoel sozinho, mas o zagueiro tocou para fora, na pequena área. Aos 52, Pedro Rocha subiu mais que todo mundo na pequena área e poderia empatar o jogo, mas mandou por cima do gol.

FICHA TÉCNICA

CAMPEONATO BRASILEIRO 2021

ATHLETICO-PR 0 x 1 FLUMINENSE

Data e horário: 17/10/2021, às 16h
Local: Arena da Baixada, Curitiba (PR)
Árbitro: Felipe Fernandes de Lima (MG)
Assistentes: Guilherme Dias (MG) e Ricardo Junior (MG)
Árbitro de vídeo: Igor Junio Benevenuto (MG)
Cartões amarelos: Lucas Fasson e Nico Hernández (CAP) e Jhon Arias (FLU)
Gol: José Ivaldo (contra), aos 33 minutos do primeiro tempo.

ATHLETICO-PR: Santos; Nico Hernández (Jáderson), José Ivaldo, Lucas Fasson; Khellven, Christian, Richard (Márcio Azevedo), Pedrinho (Erick); Carlos Eduardo (Jader, Pedro Rocha e Bissoli (Mingotti). Técnico: Alberto Valentim.

FLUMINENSE: Marcos Felipe; Samuel Xavier, Nino (Manoel), David Braz, Marlon; André, Yago Felipe (Nonato), Jhon Arias (Martinelli); Luiz Henrique (Lucca), Caio Paulista e John Kennedy. Técnico: Marcão.