PUBLICIDADE
Topo

Podcast

Posse de Bola

Programa semanal de futebol com Juca Kfouri, Mauro Cezar Pereira, Arnaldo Ribeiro e Eduardo Tironi


ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Posse de Bola #127: Palmeiras x São Paulo e Renato recusa o Corinthians

Do UOL, em São Paulo

21/05/2021 12h02

Classificação e Jogos

Rivalidade, reencontro em uma final após 29 anos, técnicos estrangeiros, mas dentro de campo o primeiro jogo da final entre Palmeiras e São Paulo não passou de um 0 a 0 e atuações pouco ousadas, deixando a decisão aberta para domingo, às 16h, quando o Morumbi recebe a final do Campeonato Paulista.

No podcast Posse de Bola #127, os jornalistas Arnaldo Ribeiro, Eduardo Tironi, Juca Kfouri e Mauro Cezar Pereira analisam o confronto entre Palmeiras e São Paulo no Paulista, assim como a recusa de Renato Gaúcho ao Corinthians, a disputa entre Flamengo e Fluminense na final do Carioca, o Gre-Nal no Gaúcho e o embate entre América-MG e Atlético-MG na final do Campeonato Mineiro.

O nível do jogo apresentado por Palmeiras e São Paulo é criticado por Mauro Cezar, que vê os times seguindo um roteiro previsível, sem apresentar nada de diferente e fazendo um duelo muito ruim tecnicamente, em especial com dois clubes sendo treinados por técnicos estrangeiros, de quem se espera mais atuando no futebol brasileiro.

"O que me incomoda da final, além do jogo horroroso, da covardia dos técnicos, especialmente do Palmeiras, da falta de desejo de vencer, da estratégia paupérrima, é ver que mesmo com técnicos estrangeiros a gente não consegue sair dessa lama e a gente não consegue elevar o nível da discussão", diz Mauro Cezar.

"Você vê um São Paulo tentando alguma coisa, um Palmeiras fechado quase todo o tempo, exceto a parte final do jogo, mesmo em casa mesmo em seus domínios, você vê o São Paulo subindo a marcação timidamente, mas não abrindo mão de manter os seus três homens lá atrás, tudo muito protegido, com medo do contra-ataque, e o Palmeiras esperando o contra-ataque e você vê um jogo de um roteiro previsível e muito ruim, com jogadores que têm condições de oferecer mais e a tolerância geral da comunidade do futebol", completa.

Mauro afirma que o time do São Paulo, treinado pelo argentino Hernán Crespo, ainda tentou buscar mais o jogo, enquanto o Palmeiras do português Abel Ferreira não tomou a iniciativa nem mesmo jogando uma final de campeonato em seu estádio, tendo jogadores de qualidade para apresentar mais.

"O jogo foi uma porcaria e foi porque a proposta é aquela. Acho até que o Crespo tentou mais, especialmente no segundo tempo o São Paulo subiu, foi para o campo do Palmeiras, tentou ficar com a bola, teve baixas importante de jogadores que saíram lesionados, mas tentou jogar, o Palmeiras a maior parte do tempo não. Com a entrada do Scarpa no final, conseguiu algumas estocadas, começa a surgir mais espaço, vem o cansaço, falha a marcação aqui e ali e você tem uma oportunidade ou outra de finalizar e o Palmeiras tem jogadores com capacidade, é isso o que eu quero dizer, pode fazer mais", critica o jornalista.

"Sendo dois técnicos estrangeiros eu faço questão de encher a boca para falar isso aqui, porque se eu critiquei tanto os técnicos brasileiros por essa mesma postura, eu não posso fechar os olhos diante de um argentino e um português que protagonizam o espetáculo ridículo que a gente viu ontem no Allianz Parque", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter).

A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts. Você pode ouvir, por exemplo, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, Amazon Music e Youtube --neste último, também em vídeo. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL