PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Ele superou "dispensa escolar" no São Paulo e brilha na Suíça: "Rigorosos"

Carlinhos em ação durante jogo do FC Lugano, da Suíça - Divulgação/FC Lugano
Carlinhos em ação durante jogo do FC Lugano, da Suíça Imagem: Divulgação/FC Lugano

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

08/12/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Carlinhos foi dispensado do São Paulo com 13 anos após ser suspenso na escola
  • Atacante passou depois por Paraná e Botafogo-PB antes de chegar ao Lugano
  • Time suíço hoje disputa a Liga Europa e tem brasileiro como destaque
  • Carlinhos já pensa em deixar o Lugano e tem o Porto-POR interessado

Carlinhos Júnior, de 25 anos de idade, é um dos principais jogadores do Lugano, da Suíça. Ele não é muito conhecido no Brasil, a não ser por torcedores mais assíduos de Paraná e Botafogo-PB, clubes que defendeu entre 2013 e 2016. Mas a história do atacante, que hoje é destaque no país europeu e desejado por clubes como o Porto, de Portugal, poderia ter sido diferente se não fosse por uma suspensão na escola que resultou em uma dispensa do São Paulo quando ele ainda tinha 13 anos e estava na base tricolor.

O tricolor paulista não permitia atos de indisciplina dos meninos quando o assunto era escola. Carlinhos fez bagunça demais na sala de aula, foi suspenso e acabou mandado embora do clube. Segundo o próprio atacante, não houve argumentos para tentar reverter a situação, o que fez ele perder a oportunidade de seguir em um dos grandes centros do futebol brasileiro.

"Eu fui suspenso na escola, tinha recebido alguns avisos e tido uma reunião, uma semana antes, dentro do CT, que o São Paulo não ia tolerar indisciplina na escola e no CT, e acabou acontecendo esse episódio comigo, de ter algumas atitudes erradas, de aprontar. Acabei pegando uma suspensão e fui comunicado sobre o desligamento. Não teve nem argumento para que a situação pudesse ter sido revertida", lamentou Carlinhos, em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

Carlinhos comemora gol pelo FC Lugano, da Suíça - Divulgação/FC Lugano - Divulgação/FC Lugano
Imagem: Divulgação/FC Lugano

Passados mais de dez anos, o atacante diz não guardar mágoas do São Paulo. Mas admite: acha que o clube podia ter lhe dado mais uma chance: "Não guardo mágoa do São Paulo, mas acho que eles foram muito rigorosos na minha dispensa. Acho que eles poderiam ter conduzido a situação de outra forma. Mas não guardo mágoa nenhuma", afirmou.

Sem clube,aos 13 anos, Carlinhos seguiu acreditando em seu potencial e precisou de apenas duas semanas para ganhar uma "nova casa" e dar sequência à carreira que ainda engatinhava. "Não pensei em desistir porque, quando eu saí do São Paulo, fiquei dois dias em casa e meu empresário já ligou para eu ir para o Paraná. Então, não deu nem tempo de pensar em desistir", contou.

Do Paraná à Europa passando pela Paraíba

Carlinhos passou três temporadas no Paraná, da base ao profissional, entre 2013 e 2015. No ano seguinte, acertou com o Botafogo-PB e ajudou o time paraibano a chegar às oitavas de final da Copa do Brasil, passando por Linense, River-PI e Ceará. A eliminação só veio diante do Palmeiras, mas, ainda assim, o atacante conseguiu deixar a sua marca na vitória por 1 a 0 na Paraíba - a equipe então comandada por Cuca havia vencido a partida de ida, no Allianz Parque, por 3 a 0.

Carlinhos, do Botafogo-PB - Divulgação / Rafael Bastos - Divulgação / Rafael Bastos
Imagem: Divulgação / Rafael Bastos

A boa passagem pelo Botafogo da Paraíba chamou a atenção do futebol europeu, mais especificamente o suíço. Carlinhos resolveu arriscar e iniciou uma vida completamente nova no Velho Continente. Ele queria novos desafios na carreira, e assim foi.

"Eu estava no Botafogo-PB e apareceu a oportunidade de vir para a Suíça, no começo do campeonato aqui [na Suíça], no meio do ano para nós. O Lugano optou por esperar e continuei fazendo meu trabalho no Botafogo. Quando acabou o campeonato da Série C, fui para casa e fiquei dois meses lá. Nesse período, acabou aparecendo a oportunidade, de novo, de vir para a Suíça, e eu acabei aceitando. Tinham algumas outras coisas correndo, mas a proposta do Lugano estava na mesa e é uma coisa que eu tinha comigo, no meu coração, de enfrentar novos desafios, e acabei aceitando", relembra Carlinhos.

"No Brasil não têm paciência, né?"

Assim como a maioria dos jogadores que deixam o Brasil para tentar a carreira em um país totalmente diferente, Carlinhos sofreu com as mudanças no começo de sua passagem pela Suíça. Mas aos poucos foi se acostumando, ganhando respeito dos companheiros e torcedores e, mais que isso, algo raro no Brasil: tranquilidade para trabalhar, independente do resultado.

Carlinhos, atacante brasileiro que defende o Lugano, da Suíça - Divulgação/FC Lugano - Divulgação/FC Lugano
Imagem: Divulgação/FC Lugano

"O começo no futebol suíço não foi fácil. Eu não dominava a língua, não conhecia ninguém, a cultura, a forma como eles trabalhavam aqui, mas com o tempo fui aprendendo a maneira como eles eram, a cultura, criando uma identificação com o clube, com o campeonato, e fui aprendendo a gerir as coisas. A qualidade do Campeonato Suíço não é tão alta quanto a do Brasileiro, por exemplo, mas aqui o jogador é respeitado, tem uma identificação com o clube, e os torcedores e a instituição te respeitam", ressaltou o atacante de 25 anos.

"O jogador tem estabilidade para conseguir trabalhar, tem o aval de todos quando se tem o contrato e tem tranquilidade para exercer sua função e render o máximo possível e entregar o melhor para o clube. Eles têm paciência, sabem que você vai fazer por onde e te deixam tranquilo para fazer o trabalho da melhor forma. No Brasil não tem mais isso, né? O cara não vai bem hoje e amanhã já é dúvida; no final da temporada já não sabe se serve ou não. É complicado, mas é a cultura do futebol diferente", completou.

Em alta na Suíça e perto de mudar de ares

Principal jogador do Lugano na temporada passada com 14 gols em 33 jogos e um dos destaques do Campeonato Suíço, Carlinhos ajudou o seu time a alcançar mais uma participação na Liga Europa, segundo maior torneio do continente. Mas o atacante quer mais, e acredita que o ciclo no Lugano, apesar de ter contrato até 2021, já chegou ao fim.

Alguns clubes de mais nome da Europa, como Porto (Portugal), Sampdoria e Udinese (ambos da Itália) já demonstraram interesse no jogador, apontado pelo jornal alemão "Blick" como um dos jogadores mais promissores da temporada passada.

"O objetivo no momento é permanecer na Europa, ficar por aqui. Se tiver interesse de outros clubes no mercado de verão, me vejo pronto, preparado. Todo mundo sabe que eu quero sair do clube [presidente, diretoria, jogadores], mas continuo trabalhando da melhor forma, com respeito e profissionalismo", afirma Carlinhos.

Band: "Sentimento de alívio", diz Vitor Bueno, sobre vitória sobre o Inter

Band Sports

Esporte