PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Liga Espanhola faz dossiê e pede punição ao PSG; clube rebate

Claude Paris/AP
Imagem: Claude Paris/AP

Do UOL, em São Paulo

30/10/2017 13h32

O presidente da Liga espanhola de futebol, Javier Tebas, cobrou, em entrevista ao jornal francês L'Équipe publicada nesta segunda-feira, uma punição da Uefa ao PSG por causa do que considera trapaças “econômicas”.

Na reportagem, Tebas explica que a federação espanhola fez um dossiê para mostrar que o clube é financiado pelo Governo do Qatar, o que explicaria os altos investimentos feitos pelos parisienses nas últimas janelas de transferência.

"Vamos esperar até o final do ano para ver o que a UEFA vai fazer. Se nada acontecer, faremos uma queixa à União Europeia porque este sistema não pode durar. Se você permitir que alguém trapaceie, isso prejudica outros clubes”, disse Tebas

O presidente, inclusive, citou a eliminação da Liga dos Campeões como uma punição justa ao PSG, que em agosto fechou a contratação por 222 milhões de euros (cerca de R$ 820 milhões) de Neymar. A transferência, feita mediante ao pagamento da multa rescisória junto ao Barcelona, gerou atrito entre a Liga espanhola e o clube.

“Se o PSG for à final da Champions e depois sancionado, será em detrimento de outras equipes. Os clubes que Paris eliminariam seriam prejudicados. No esporte, você tem que ser rápido para tomar decisões. Em dois meses, sabemos se o PSG trapaceou. [...] Não deveriam ser autorizados a competir. Se, durante a temporada, você percebe que eles trapacearam economicamente, por que não excluí-los? Quando um ciclista está convencido de doping, ele é imediatamente excluído da corrida”, argumentou.

Sobre o dossiê, Tebas explicou ao jornal que foi feita uma comparação da saúde financeira em relação a outros grandes clubes europeus para sustentar a tese. São 44 páginas de relatório.

"Vimos que o PSG e o Manchester City nos últimos cinco anos foram os clubes que mais investiram. Como em seus ingressos reais não se pode justificar esses investimentos, inventaram patrocinadores fictícios, relacionados aos Estados Unidos, com valores que não correspondem ao preço de mercado”, disse.

“Comparamos receitas de PSG e do City com o Real Madrid, Barcelona, Manchester United e Bayern. Eles são superiores. No PSG, as receitas estão diretamente ou indiretamente relacionadas com o governo Qatar e são superiores às do Manchester United. O PSG continua a trapacear economicamente", completou.

PSG rebate

Ao tomar conhecimento da entrevista de Javier Tebas, o PSG emitiu um comunicado dizendo que há imprecisão nos dados apresentados. O clube ainda defendeu seu projeto à longo prazo, dizendo que a Liga espanhola deveria ter outras preocupações.

Veja a nota na íntegra

"Não vamos responder cada declaração caluniosa do Sr. Tebas, nem à grande imprecisão na maioria das suas observações que apenas visam manipular a mídia na tentativa de minar a ambiciosa estratégia de Paris Saint-Germain. Uma estratégia que seus líderes apresentaram recentemente à UEFA com muita clareza e serenidade. Lamentamos profundamente por ele que a L1 (liga espanhola) tenha conquistado este verão um dos três melhores jogadores do mundo, mantendo em suas fronteiras a maior esperança do futebol francês e internacional. Acreditamos que o futebol espanhol tenha mais preocupação do que se concentrar permanentemente nas contas do PSG, que foram perfeitamente equilibradas em 2016-2017. Não entraremos em um debate com o sr Tebas para falar sobre como algumas potências do futebol europeu mantiveram o seu domínio nos últimos vinte anos, apesar de práticas que, em seu tempo tenham provocado muita controvérsia. "

Futebol