PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Jornal aponta segredo da 'felicidade' do Barça: liberdade ao trio de ataque

Segundo "Sport", Luis Enrique não obriga trio de ataque a seguir orientações em campo - Reprodução
Segundo 'Sport', Luis Enrique não obriga trio de ataque a seguir orientações em campo Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

19/02/2016 15h04

O jornal catalão Sport apontou nesta sexta-feira um dos principais ingredientes para explicar o rendimento do Barcelona. Segundo a publicação, o técnico Luis Enrique deu liberdade para que Lionel Messi, Luis Suárez e Neymar façam o que quiserem em campo, sem obrigação de seguir orientações.

O aval explicaria inclusive o pênalti cobrado em dois toques na vitória sobre o Celta de Vigo. “O tridente goza de total liberdade da comissão técnica para jogar”, afirma o diário. “Podem fazer o que quiserem. ‘Enquanto jogadas como o pênalti (em dois toques) terminarem em gol, não há problemas’, comentam fontes próximas à comissão técnica.”

No caso de Neymar, a medida começou a ganhar forma em maio, na decisão da Copa do Reio 2014/2015. Na ocasião, o Barcelona venceu o Athletic Bilbao por 3 a 1 e conquistou o torneio, mas o jogador ficou marcado pela carretilha que aplicou sobre o zagueiro Unai Bustinza, criando grande confusão em campo. “Que se irritem, eu não vou mudar”, disse o camisa 11 na época.

“Luis Enrique passou de questionador de sua lambreta diante do Athletic, na final da Copa do Rei, a defensor de capa e espada (de Neymar) em cada entrevista coletiva. O brasileiro tem muito claro que o treinador está a seu lado, e de sua boca só sairão palavras boas sobre o asturiano (Luis Enrique)”, descreve o jornal, que vê como único problema para o técnico o fato de ter que administrar o ego dos demais atletas.

“O estafe e os craques estão de acordo. O outro foco que deve ser controlado é o resto do vestiário. O tridente leva todos os louros e o resto está assumindo isso, embora não sejam jogadores menores. No plantel há campeões do mundo, jogadores que também ganharam tudo ou que seriam os astros em qualquer outra equipe”, elogia.

Futebol