PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Bom trabalho de Oswaldo pode ser entrave para retorno de Cuca ao Atlético

Cuca fez muito sucesso na passagem pelo Galo, entre agosto 2011 e dezembro de 2013 - Bruno Cantini/site oficial do Atlético-MG
Cuca fez muito sucesso na passagem pelo Galo, entre agosto 2011 e dezembro de 2013 Imagem: Bruno Cantini/site oficial do Atlético-MG

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

18/10/2017 04h00

Cuca é nome favorito para comandar o Atlético-MG na próxima temporada e tem o desejo de retornar ao clube mineiro, por onde passou entre agosto de 2011 e dezembro de 2013 com muito sucesso. Fechar o negócio, porém, não é das coisas mais fáceis. Se Cuca está livre após a rescisão com o Palmeiras, na semana passada, Oswaldo de Oliveira tem compromisso longo e vai somando bons resultados em seu começo de trabalho, minando qualquer ideia de substituição.

Quando procurado pelo Atlético, no fim de setembro, Oswaldo de Oliveira não aceitou um acordo menor do que o atual, até dezembro de 2018, o que que deixou a direção atleticana numa situação complicada. Sem técnico, com o time em queda e começando a ser ameaçado pela Série B, o Galo topou as diretrizes do treinador. 

O Atlético não fez proposta para ter Cuca em 2018, mas o treinador já estava ciente do desejo atleticano ainda durante a passagem pelo Palmeiras, algo que ficou claro em uma das visitas do clube paulista a Belo Horizonte. Na ocasião, o treinador encontrou o presidente Daniel Nepomuceno e aparou arestas que tinha com o dirigente, vice-presidente de Alexandre Kalil na primeira passagem do técnico pela Cidade do Galo. Estava aberto ali o caminho para o retorno ao Atlético.

O assunto não é novo, ao ponto de Cuca ter sido questionado sobre a possibilidade de retorno durante a entrevista coletiva após o empate entre Atlético e Palmeiras, pelo Brasileirão. “Como que pode? Essa pergunta nem deveria ser feita. Lógico que não! E se alguém tivesse me procurado, eu não iria atender de forma alguma. Fica até ruim para mim essa pergunta, é um desrespeito com o trabalho dos dois técnicos. Eu tenho contrato com o Palmeiras até 2018”, disse o então treinador palmeirense, em setembro, quando Rogério Micale ainda estava do outro lado.

Embora Oswaldo tenha contrato por mais de um ano com o Atlético, a decisão sobre o técnico do time para a próxima temporada caberá ao presidente que for eleito na primeira quinzena de dezembro. Se Cuca tem o histórico e a torcida a seu favor, o atual comandante vem conquistando pontos importantes no Brasileirão e pode vencer a queda de braço pelo sucesso em campo. 

Duas vitórias, dois empates e apenas um gol sofrido. Assim foi o Atlético nos quatro primeiros jogos sob o comando de Oswaldo de Oliveira, incluindo a decisão da Copa da Primeira Liga. Com um bom início de trabalho, que afastou o time da parte de baixo da tabela do Campeonato Brasileiro, o treinador tem a chance, nesta quarta-feira, de entrar de vez na briga por uma vaga na próxima Copa Libertadores.

O Atlético-MG recebe a Chapecoense, às 21h, pela 29ª rodada do Brasileirão. No melhor dos cenários, o clube mineiro pode terminar a rodada apenas dois pontos abaixo do G-7 e nove pontos acima da zona do rebaixamento. Um cenário muito melhor do que aquele que Oswaldo de Oliveira encontrou, quando assumiu o cargo no fim de setembro.

E fazer o time jogar bem e classificar para a Copa Libertadores de 2018 pode ser o que o técnico precise para seguir na Cidade do Galo. Neste momento, Cuca segue com a opção mais forte. Pela apuração do Blog do Marcel Rizzo, não é apenas os torcedores que desejam ter Cuca no comando do time. É o desejo também da diretoria.

Enquanto Cuca surge como sombra, Oswaldo de Oliveira segue seu trabalho na Cidade do Galo. O treinador não esconde o desejo de seguir no comando do clube e já falou aos jogadores sobre o desejo de fechar bem 2017 para então poder montar um time forte e competitivo para a temporada seguinte.

“No primeiro dia o Oswaldo já nos falou que não veio para ficar apenas dois meses, que estava chegando ao Atlético para dar sequência no trabalho dele. É um cara que a gente teve boas referências dele, com quem já trabalhou. E isso vai nos ajudar a terminar o ano bem e que em 2018 ele possa continuar com o trabalho”, contou o lateral direito Marcos Rocha.

A definição, porém, somente em dezembro, após o Atlético eleger seu presidente para o triênio 2018/2020. 

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG X CHAPECOENSE

Data: 18 de outubro de 2017, quarta-feira
Horário: 21h (de Brasília)
Motivo: 29ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Vinicius Goncalves Dias Araújo (SP)
Assistentes Danilo Ricardo Simon Manis (FIFA/SP) e Rogerio Pablos Zanardo (SP)

ATLÉTICO-MG
Victor, Marcos Rocha, Felipe Santana, Gabriel e Fábio Santos; Roger Bernardo, Elias, Cazares e Valdívia; Robinho e Fred.
Técnico: Oswaldo de Oliveira.

CHAPECOENSE
Jandrei, Apodi, Fabrício Bruno, Douglas e Reinaldo; Amaral, Moisés Ribeiro, Canteros e Luiz Antonio; Arthur e Wellington Paulista.
Técnico: Emerson Cris.

Esporte