PUBLICIDADE
Topo

Esporte


Reservas participam de quase 30% dos gols marcados pelo líder Cruzeiro

Julio Baptista comemora gol na vitória do Cruzeiro sobre o Vasco, por 5 a 3, no Mineirão, pelo Brasileirão (1/9/2013) - Washington Alves/Vipcomm
Julio Baptista comemora gol na vitória do Cruzeiro sobre o Vasco, por 5 a 3, no Mineirão, pelo Brasileirão (1/9/2013) Imagem: Washington Alves/Vipcomm

Dionizio Oliveira

Do UOL, em Belo Horizonte

21/09/2013 06h00

Após uma grande reformulação em relação ao ano passado, o Cruzeiro formou um elenco numeroso e que tem dado provas de ser um dos mais qualificados do Brasil. Melhor para o técnico Marcelo Oliveira, que tem utilizado com bons resultados os jogadores à sua disposição. Com várias opções no banco de reservas, as substituições do treinador vêm dando resultado.

No último jogo contra o Botafogo, por exemplo, Julio Baptista, com passagem pela seleção brasileira, e Dagoberto, que tem três títulos do Brasileirão no currículo, vieram do banco e foram decisivos em dois gols da equipe. O camisa 10 marcou duas vezes. Um de pênalti e outro em jogada de contra-ataque, em que recebeu o passe justamente do atacante.

Dos 48 gols marcados pelo time estrelado, 13 deles, ou 27%, tiveram participação direta de jogadores que saíram do banco de reservas. Foram seis gols de jogadores que entraram no decorrer da partida. Luan marcou contra o Atlético-PR. Elber deixou o seu diante do Internacional. Vinícius Araújo fez contra Vitória e Vasco, além de Julio Baptista, marcou duas vezes contra o alvinegro carioca, no triunfo por 3 a 0.

Outros sete gols tiveram participação ativa de jogadores reservas. Lucca deu assistência para Nilton contra o Goiás, na primeira rodada. Elber sofreu o pênalti convertido por Dagoberto no jogo contra o Corinthians. Martinuccio deu assistência para Luan, contra o São Paulo, e para Ricardo Goulart, diante do Criciúma. Elber também deu assistência para Ricardo Goulart diante do Vitória. E Mayke deu os passes para os gols de Goulart, contra o Flamengo, e Willian, diante do Goiás.

Para o volante Lucas Silva, a variedade de opções para o treinador e a quantidade de jogadores que podem ser titular está sendo um diferencial do time celeste. “Acho que um fator muito positivo que está fazendo com que nossa sequência seja muito boa é isso, os jogadores que saem, e os jogadores os que entram dão conta do recado e às vezes vão até melhor”, afirmou.

Segundo ele, essa situação demonstra que o Cruzeiro não tem só 11 jogadores. “Tem elenco mesmo e, nesse Brasileiro, se não tiver elenco não chega aonde quer, e o Cruzeiro está bem servido, e se precisar novamente acho que o Marcelo não tem dúvida de colocar e acho que quem entrar vai dar conta do recado”, acrescentou o meio-campista, que é um dos exemplos da força do elenco, já que ele chegou a ser quinta opção durante a temporada, aproveitou as brechas e hoje é titular.

Pela boa sequência de resultados e o desempenho dos atuais titulares, o técnico Marcelo Oliveira deve manter o time que venceu o Botafogo para a partida contra o Corinthians e segue com Julio Baptista e Dagoberto no banco de reservas, cumprindo a ideia de escalar aos poucos os dois experientes jogadores.

O técnico cruzeirense reconhece que são armas importantes que agregam muito para o time, principalmente, o meia que ainda está se readaptando ao futebol brasileiro.  “A entrada dele (Julio Baptista) e do Dagoberto representou mais experiência e bagagem para executar as jogadas”, afirmou Marcelo Oliveira.

“Ainda penso que ele (Julio Baptista) está em um período de adaptação ao futebol brasileiro, que está muito físico e corrido e por isso a gente tem utilizado aos poucos, mas sempre vislumbrando que ele se torne um atleta fundamental na nossa caminhada e seja importante”, acrescentou.

Dagoberto
Dagoberto
$escape.getHash()uolbr_tagAlbumEmbed('tagalbum','14181', '')

Esporte