PUBLICIDADE
Topo

Surfe 360°

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

A vez do México

Barra de La Cruz / México - divulgação
Barra de La Cruz / México Imagem: divulgação
Conteúdo exclusivo para assinantes
Thiago Blum

É jornalista esportivo desde 1992, mas acompanha o surfe há quatro décadas. Trabalhou por 19 anos na ESPN e atualmente é editor de esportes do Jornal da Band. Cobriu cinco Copas do Mundo e cinco edições dos Jogos Olímpicos.

Colunista do UOL

04/08/2021 19h36

Resumo da notícia

  • WSL encerra "férias" com evento no México
  • Barra de la Cruz volta ao circuito após 15 anos
  • Direita é uma das mais adoradas pelos surfistas
  • Time brasileiro disputa 7ª etapa com objetivos distintos
  • Gabriel Medina e Carissa Moore já estão classificados para as finais em setembro
  • Campeão Olímpico e 2º no mundial, Italo Ferreira pode carimbar passaporte para a decisão em Trestles, na Califórnia

Olimpíada é passado.

E para quem não foi ao Japão... fim das "férias".

A partir do dia 10, homens e mulheres - os melhores do mundo - se reúnem para a 7ª e penúltima etapa do mundial da WSL.

O local é um paraíso para quem curte as direitas: 'Barra de la Cruz', no estado mexicano de Oaxaca, que volta a receber o World Tour depois de 15 anos.

Um evento fundamental para os candidatos às últimas vagas nas finais... e também para quem precisa de resultado para se manter na elite em 2022.

No masculino, Gabriel Medina lidera folgado o ranking, já garantido entre os 5 finalistas que vão brigar pelo título da temporada.

Italo Ferreira e Filipe Toledo, 2º e 3º no geral, caem no mar para garantir presença na decisão.

O resto do time brasileiro tem objetivos distintos.

Adriano de Souza entocado - reprodução / Instagram - reprodução / Instagram
Adriano de Souza em Barra de La Cruz
Imagem: reprodução / Instagram

Em 9º na classificação, Yago Dora pode se aproximar dos líderes e entrar na briga pelo top 5.

Adriano de Souza está em 13º, se despede das competições neste ano e foi o cara que mais treinou no local para a etapa. Durante a pausa do tour, aproveitou vários dias na pérola mexicana.

A partir de Miguel Pupo, que ocupa a 14ª posição, a principal meta dos brasileiros é se manter na divisão principal.

Além dele, Caio Ibelli (19º) está na bolha dos 22 que seguem no WT.

Jadson André (23º), Deivid Silva (24º) e Peterson Crisanto (26º) estão na porta de entrada.

A pior situação é de Alex Ribeiro (32º), que até agora não conseguiu chegar nenhuma vez nas oitavas de final.

Tati SWeston-Webb - Cait Miers/WSL - Cait Miers/WSL
Tatiana Weston-Webb
Imagem: Cait Miers/WSL

No feminino, as 6 melhores do ranking estiveram na Olimpíada.

E apenas a havaiana Carissa Moore - medalhista de ouro em Tsurigazaki Beach - já está confirmada nas finais de 2021.

A brasileira Tatiana Weston-Webb chega ao México na 4ª posição, atrás ainda da francesa Johanne Defay e da australiana Sally Fitzgibbons.

Stephanie Gilmore (AUS) e Caroline Marks (EUA) também estão próximas na corrida. A briga promete.

Barra de la Cruz, México - WSL - WSL
Barra de la Cruz / México
Imagem: WSL

Pra se ter uma ideia do que vem por aí...

Mick Fanning comparou a onda com a perfeitíssima Kirra, direita indescritível para quem mora na Gold Coast como ele.

Kelly Slater sobe o tom, dizendo que prefere 'Barra de la Cruz' do que 'Snapper Rocks'.

Será ?????????

A verdade é que em 2006, o australiano pegou um tubo de 20 segundos por lá.

Na etapa vencida pelo eterno tricampeão Andy Irons, que derrtou Taylor Knox na decisão.

It´s on again!!!

Que venha o swell!!!!