Topo

Esporte


Promotor paga R$ 2 mil para bandidos e recupera bicicleta roubada na USP

Roberto Bodini posa com sua bicicleta reserva, após ter a principal roubada na Cidade Universitária - Adriano Vizoni/Folhapress
Roberto Bodini posa com sua bicicleta reserva, após ter a principal roubada na Cidade Universitária Imagem: Adriano Vizoni/Folhapress

Vinicius Segalla

Do UOL, em São Paulo*

23/01/2014 16h35

Quem pratica esporte de manhã na USP (Universidade de São Paulo) foi surpreendido nesta quinta-feira com a presença da PM. O reforço na segurança aconteceu dois dias após o promotor de Justiça Roberto Bodini ter sido mais um dos ciclistas a ter a sua bicicleta roubada na universidade. Bodini, promotor responsável pela investigação da máfia do ISS (Imposto Sobre Serviços) que teria se instalado na Prefeitura de São Paulo, já conseguiu recuperar a sua bike de R$ 20 mil. De acordo com duas testemunhas ouvidas pelo UOL, ele pagou R$ 2 mil aos assaltantes para ter o seu equipamento de volta. O promotor, que em um primeiro contato com a reportagem negou-se a comentar o caso, após a publicação desta reportagem admitiu que a bicicleta foi devolvida, mas nega o pagamento e conta uma versão diferente do episódio.

De acordo com os relatos de duas pessoas que participaram das tratativas com o grupo criminoso em nome do promotor, Bodini e outros ciclistas do grupo "Race", após terem ido à polícia dar queixa do roubo, foram conversar com um funcionário da USP que conhecia os membros da quadrilha que atua na Cidade Universitária. O funcionário, então, teria entrado em contato com os bandidos, que seriam jovens moradores do Jardim São Remo, favela que fica ao lado da Cidade Universitária.

Os assaltantes teriam pedido a quantia de R$ 5 mil pela bicicleta roubada. A proposta foi recusada. O funcionário da USP teria feito contato com os traficantes de drogas na favela. Os donos da "boca", então, teriam dito que já haviam alertado aos jovens assaltantes sobre a inconveniência de praticar roubos sistemáticos dentro da Cidade Universitária, e prometeram interceder em favor da devolução.

Depois disso, os traficantes voltaram a procurar aqueles que falavam em nome dos interesses do promotor, com a contraproposta do pagamento de R$ 2 mil pela bicicleta, ou 10% de seu valor de mercado. A proposta foi aceita.

UOL Esporte ligou para o promotor por volta de 13h nesta quinta-feira. Bodini não confirmou nem negou a história e disse que não se pronunciaria. Por volta das 18h, cerca de uma hora e meia após a publicação da reportagem, a assessoria do promotor entrou em contato para avisar que ele gostaria de dar sua versão. Ele, então, confirmou que está novamente de posse da bicicleta, mas negou o pagamento e a participação em qualquer negociação. "Essa história de R$ 2 mil é absurda. Não sei de absolutamente nada sobre isso. Não negociei com nenhum traficante, não negociei com ninguém, em momento algum".

"O que aconteceu foi o seguinte: um amigo meu conhece um funcionário da USP, que conhece um líder comunitário da favela São Remo. Sem eu ter conhecimento, esse funcionário, amigo desse amigo meu, comentou com o líder comunitário que havia sido roubada a bicicleta e que uma das bicicletas era de uma pessoa do governo. Esse funcionário não me conhece. Observe até a imprecisão da informação -ele disse que sou dou governo e eu não sou do governo", disse o promotor.

"O lider comunitário teria dito que se a bicicleta se estivesse na favela, seria melhor devolver. O líder disse: 'não sei se está, vou verificar'. Ontem, eu estava quase a caminho de Brasília, meu amigo me ligou e me contou que um funcionário pegou a bicicleta, levou pra casa desse meu amigo e deixou lá. Repito: não houve pagamento nenhum".

Já foram registrados 14 casos de roubos a ciclistas na USP neste ano. A onda de crimes, aliada à divulgação do assalto ao promotor de Justiça, fez com que a PM (Polícia Militar) alterasse sua rotina de rondas ostensivas na Cidade Universitária. As duas viaturas policiais que circulam diariamente pelo campus a partir das 7h30, nesta quinta chegaram ao local às 5h, que é quando os cerca de 300 ciclistas que fazem uso do campus como pista de treinamento iniciam suas atividades.

Além disso, de acordo com o capitão Guilherme, da 1ª Companhia do 16º Batalhão da Polícia Militar, responsável pela segurança do local, "estão trabalhando no campus três equipes de dois policiais cada fazendo a ronda em motocicletas".

Antes que a polícia tomasse qualquer ação, porém, alguns ciclistas contrataram seguranças particulares que seguem as bicicletas utilizando motos, com os faróis ligados. Já outros grupos de ciclistas, que utilizam o campus da USP como pista de treinamento, fizeram uma reunião na manhã desta quinta-feira com policiais que estariam oferecendo o serviço de "bico" de escolta armada aos ciclistas. A reportagem tentou acompanhar esta reunião, mas foi mantida à distância pelos participantes.

*atualizada às 18h37, com o novo depoimento do promotor Roberto Bodini.
 

Mais Esporte