PUBLICIDADE
Topo
Empresas que mudam

Empresas que mudam

Homem faz floresta em "ex-cidade" de SP e atrai atenção de Leo DiCaprio

Patrick Assumpção, criador de agrofloresta em ex-"minicidade" no interior de São Paulo - Rodolfo Goud/Reprodução/Facebook
Patrick Assumpção, criador de agrofloresta em ex-"minicidade" no interior de São Paulo Imagem: Rodolfo Goud/Reprodução/Facebook

Marcos Candido

De Ecoa, em São Paulo

27/08/2021 06h00

Um agricultor no interior de São Paulo criou uma floresta no mesmo lugar onde existiu uma "mini-cidade" no passado. Lá havia, nos anos 40, um cinema, um açougue, casas, escolas e até uma moeda própria.

Centenária, a Fazenda Coruputuba é uma das mais populares da cidade e na região de Pindamonhangaba e abrigava uma fábrica de papel e uma plantação de eucalipto, além da pequena cidade. Resultado? A vegetação nativa desapareceu e o solo "dava" cada vez menos. Até que Patrick Assumpção partiu para uma reviravolta sustentável após herdá-la.

Hoje, Patrick produz apenas alimentos orgânicos, tem árvores nativas e vende ingredientes para restaurantes famosos e estrelados, como o DOM, de Alex Atala, o Mani, de Helena Rizzo, e o Mocotó, de Rodrigo Oliveira, localizados na capital paulista.

Após aderir ao modelo sustentável, estudos concluíram que o solo da fazenda de Patrick tem mais vitaminas e uma floresta se formou no terreno com 209 hectares, dos quais 79 hectares ficam intocados. Em 2019, até mesmo o ator estadunidense Leonardo DiCaprio publicou uma fotografia da fazenda e da iniciativa de Patrick.

Escombros de antiga cidadezinha ainda resistem na fazenda agroflorestal no Vale do Paraíba - Asteroide/Reprodução/WRI - Asteroide/Reprodução/WRI
Escombros de antiga cidadezinha ainda resistem na fazenda agroflorestal no Vale do Paraíba
Imagem: Asteroide/Reprodução/WRI

Apesar disso, Patrick quer ir da "porteira para fora" para ampliar o experimento. Segundo ele, é possível gerar 10 mil hectares para produção de alimentos orgânicos e reflorestar 40 mil hectares no Vale do Paraíba em uma década. A região é formada por 39 municípios e ocupa cerca de 6% do estado de São Paulo e tem milhares de agricultores.

"Se a gente reflorestar a Mata Atlântica na região Sudeste, inclusive com [produção de] madeira de forma sustentável, a gente reduz de maneira direta o interesse e o prejuízo ambiental causado pela extração de madeira da Amazônia", diz. "Além disso, podemos gerar alimentos de valor nutricional alto". Há, ainda, muita história no local escolhido por Patrick para o plantio.

A cidade do papel que agora é do vegetal

O bisavô de Patrick se chamava Cícero Prado e comprou o terreno da Fazenda Coruputuba no início dos anos 1900. A história popular é a de que encontrou um lugar pouco ocupado após o trem quebrar a caminho do Rio de Janeiro.

Havia uma oportunidade de empregar lavradores europeus que chegavam ao Brasil por meio de programas de incentivo e ainda oferecer serviços a eles. Cícero construiu casas, escolas, açougue, cinema, centro médico e instalação de energia elétrica. O principal negócio de Cícero era a produção de papel a partir da casca de arroz — uma das maiores da América Latina.

Nos anos 40, Cícero desenvolveu uma moeda própria para mediar os escambos causados pela falta de dinheiro em papel durante a Segunda Guerra Mundial. Bem relacionado, atraiu atenção à sua "pequena cidade" ocupada por quatro a cinco mil pessoas. Em 1959, Mazzaropi produziu o blockbuster Jeca Tatu na fazenda de Cícero. "Era um visionário que tinha grana para caralho", resume o bisneto.

Segundo Patrick, a morte de Cícero Prado deixou o empreendimento a herdeiros com pouca aptidão para a agricultura e administração. Dívidas trabalhistas e a pouca habilidade para os negócios tiveram como saída a venda de parte dos hectares comprados por Cícero.

Parte das estruturas da "minicidade" ainda está de pé. O herdeiro espera que seja tombada pela prefeitura para se tornar um espaço cultural em Pindamonhangaba. Nos anos 90, Patrick se formou em desenho industrial e voltou para administrar fazenda que adorava visitar durante toda a infância.

Patrick em foto republicada por Leonardo DiCaprio - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Patrick em foto republicada por Leonardo DiCaprio
Imagem: Reprodução/Instagram

O "pulo do gato" sustentável

Em 2007, Patrick plantou árvores de guanandi na fazenda para vender como madeira no futuro. Naquela época, pesquisadores da região lhe fizeram uma proposta. "Por que não testar as agroflorestas?", disseram. Dali a cinco anos, eles veriam os resultados. Era uma mão na roda para o agricultor.

Além do guanandi, Patrick também produzia eucalipto. A árvore se tornou símbolo de um modelo de negócio na agricultura que ocupa grandes espaços onde antes existia vegetação nativa para a indústria de papel.

A proposta dos pesquisadores era diferente: aumentar a diversidade de plantas no terreno e criar uma agricultura sustentável. Uma agrofloresta. Patrick aceitou. Ele tinha vontade de vender alimentos saudáveis e, acima disso, poderia livrá-lo da desvalorização do eucalipto devido ao excesso de produtores.

"Eu vendia eucalipto por R$ 68 o metro cúbico. Hoje, sai por cerca de R$ 28", diz. Assim, começou o cultivo agroflorestal que também mudou algo em sua mentalidade. "A agroecologia é um processo de transformação não só de solo, mas principalmente de vida", diz.

Uma agricultura diferente

Normalmente, a agricultura convencional é chamada de monocultivo e costuma plantar uma ou pouco mais de duas espécies para cultivo e venda. Para não levar prejuízo, agricultores costumam usar elementos químicos que causam danos ao ser-humano e ao solo, como agrotóxicos contra insetos e fertilizantes sintéticos para melhorar a terra.

Por outro lado, a agrofloresta é um tipo de agricultura que imita as condições de uma floresta sem intervenção humana. A técnica abole o uso de elementos químicos ao mesmo tempo que refloresta — o que pode causar certa insegurança para agricultores com possíveis prejuízos e demora para a produção, apesar da regeneração do solo aumentar a garantia de ganho.

Um dos segredos deste modelo é o plantio de espécies que demoram tempos diferentes para crescer. Por exemplo: uma planta que demora 20 anos para crescer é colocada próximo ao vegetal que demora dois anos e outra que leva cinco anos para crescer.

Assim, as espécies que crescem primeiro melhoram a atividade orgânica no solo, o que ajuda na saúde daquele meio ambiente e, especialmente, paga as contas. As que demoram mais para crescer regulam a luminosidade do terreno abaixo. Como em uma floresta que se ajuda.

O número maior de espécies no terreno também aumenta o número de itens que podem ser vendidos para mercados, consumidores avulsos, prefeituras, restaurantes, empresas de produção orgânica, etc. Fora a madeira - que também pode ser vendida.

Resultados

Hoje, Patrick planta arroz, cambuci, palmito, cereja, cúrcuma, banana e pretende vender madeira de alto padrão no futuro. Também cultivou as chamadas PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), como ora-pro-nóbis, palmito de pupunha e palmeira real. Só de cúrcuma, produz 1 tonelada e meia por hectare ao ano; de banana, são 4 toneladas.

Fazendo Coruputuba parece com floresta tradicional, mas na verdade é um espaço de cultivo de frutas, raízes e madeira no Vale do Paraíba - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Fazendo Coruputuba parece com floresta tradicional, mas na verdade é um espaço de cultivo de frutas, raízes e madeira no Vale do Paraíba
Imagem: Reprodução/Instagram

A ideia é que toda a região que o cerca faça uma adesão ao modelo sustentável. Patrick é um divulgador deste tipo de tática para o futuro, e já instruiu assentamentos do Movimento Sem-Terra (MST) e pequenos, médios e grandes produtores da região.

É um dos divulgadores da "Rede Agroflorestal do Vale do Paraíba", que desde então cultiva frutas nativas da região. A fazenda é aberta para estudiosos e visitantes.

O estudo que apresentou o modelo agroflorestal para Patrick concluiu que a Fazenda Coruputuba está entre as cinco melhores iniciativas de agrofloresta sustentável entre 178 locais analisados no Brasil. "Nada mais justo do que manter no mínimo um legado para meu bisavô, um cara que fez tanta coisa pela região", conclui.

Empresas que mudam