PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Bonito e equilibrado, Nissan Versa precisa perder o ar de recém-lançado

Benê Gomes

Jornalista e produtor de TV, desde 2001 atua como profissional especializado no segmento automotivo. Assina o boletim diário Sexta Marcha, da Rádio Transcontinental FM de SP, dirige e apresenta o_ _Programa Momento Vox – BAND SP. É diretor da Onze Produções, produtora de vídeo e conteúdo digital, e é o idealizador do Programa Auto+, onde atuou por 15 anos

Colunista do UOL

18/07/2021 04h00

Esse aí é o novo Versa? Sim, mais de seis meses após seu lançamento no Brasil, esse é um tipo de reação ainda comum quando você sai para a rua com o renovado sedã da Nissan. É um ponto positivo, pois ele realmente está muito diferente, muito melhor. No entanto, pode ser um problema, pois é um sinal também de que a nova geração do modelo ainda não conquistou a popularidade esperada e merecida por aqui.

Tive contato com o Versa em sua versão intermediária, a Advance, que traz praticamente tudo o que ele tem novo. O primeiro impacto positivo vem do lado de fora, esse um ponto, é verdade, muito ajudado pela lembrança do desenho da antiga geração - que por mais que a gente se esforce, é difícil considerar bonito - e que continua sendo vendida, agora batizada de V-Drive.

Coisa que não acontece agora, com seu desenho elegante, carregado de vincos na dianteira, mais o conjunto óptico atualizado e alinhado com nova grade que segue o padrão dos novos modelos Nissan. Na versão Advance, os faróis são halógenos e não há luz de neblina, esta só disponível na versão de cima, assim como os faróis de LED. Mas do lado de fora, merece muita atenção a nova proposta visual da traseira, agora digna de carros de alto padrão, bastante diferente da geração anterior.

O novo Nissan Versa é vendido em quatro versões: Sense manual, Sense CVT, Advance e Exclusive. Montado agora sobre uma nova plataforma, o sedã pôde receber equipamentos de ponta, como é o caso do alerta de colisão frontal com frenagem automática de emergência, câmera com visão 360º, alertas de tráfego cruzado e de ponto cego, para dar alguns exemplos.

Esses, ao menos por enquanto, disponíveis somente na versão Exclusive; mas isso não significa que a Advance seja pobre em conteúdo de segurança. Dentro da sua proposta, não deixa de fora itens bastante importantes, como os controles eletrônicos de tração e estabilidade, piloto automático, assistente de partida em rampa e seis airbags.

Outra característica marcante do novo Versa diz respeito ao conteúdo "emprestado" do Nissan Kicks, como é o caso do painel central, o conjunto de instrumentos e o sistema multimídia com tela de 7 polegadas. No quesito conforto, a situação melhorou bastante também com os novos bancos - sim, agora maiores e mais confortáveis - sendo que os assentos dianteiros contam com a tecnologia "gravidade zero" da Nissan, que realmente proporciona mais conforto em longos trajetos.

Carro bom de guiar

Resultado também da nova plataforma, o Versa ganhou em segurança, com comentei antes, mas também em equilíbrio dinâmico. Isso é resultado de ações que não aprecem diretamente, mas que envolvem, por exemplo, o tipo de aço utilizado na construção da carroceria, os componentes aplicados no conjunto de suspensão e até a calibragem da direção com assistência elétrica.

Na prática, esse é outro impacto muito positivo que você tem quando toma contato pela primeira vez com o Versa atual, porque percebe rápido o quanto ele roda silencioso e confortável, mas ao mesmo tempo muito firme e seguro, com uma direção ajustada, que responde bem aos comandos em velocidades baixas ou altas. A dinâmica geral é apurada e torna o Versa um carro gostoso de guiar. Pra ajudar, o banco do motorista tem ajuste de altura, e o volante também conta com regulagem de altura e profundidade.

Tudo quase perfeito

Tudo vai muito bem, mas tem um pequeno enrosco quando vamos falar do trabalho de motor e câmbio. Não dá pra reclamar de falta de força do motor 1.6 flex aspirado de 114 cavalos; mas como trabalha com transmissão automática do tipo CVT e tem torque um pouco baixo - 15,5 Kgfm - o comportamento médio do Versa é o de um carro mais lento nas retomadas.

Ele vai muito bem no trânsito urbano, garante bons números de consumo - cidade: 11,7 km/l ; estrada: 13,9 km/l *com gasolina - o que compensa também o tanque de combustível menor, de 41 litros, como no Kicks. Mas exige atenção quando você encara uma estrada, ainda mais se estiver com o carro cheio. Na hora de executar aquela ultrapassagem, precisa administrar bem a situação pra não tomar susto.

Além dessas características, o Versa segue como um bom sedã compacto, mas com espaço digno de modelo médio. Sem esquecer do porta-malas generoso, com 482 litros de capacidade. Pois agora, com o visual bem legal, muito mais seguro e bem servido de equipamentos, só precisa perder esse ar de modelo recém-lançado, o que não é legal, concorda?

O novo Versa ainda vende pouco pelo potencial que tem e, neste momento, fica atrás até de modelos mais antigos. Certamente é outra vítima da falta de componentes que vem atrapalhando a produção de todas as fabricantes automotivas, aqui e lá fora, já que o Versa é importado no México. Ainda assim, dá pra dizer que falta um tempero no molho desse bonito sedã. Quem sabe um preço mais apelativo frente aos concorrentes turbinados? Quem sabe!

Preço Nissan Versa 1.6 Advance CVT: R$ 96.190,00

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL