PUBLICIDADE
Topo

Benê Gomes

Tiggo 8: Por que SUV deve assumir vice-liderança da categoria em 2021

Benê Gomes

Jornalista, produtor e roteirista, atua no setor automotivo desde 2001. É idealizador e diretor do programa Auto+, exibido pela RedeTV. Também dirige e apresenta o programa Momento Vox, no ar pela Band, e é colunista da rádio Transcontinental FM de São Paulo

Colunista do UOL

17/01/2021 04h00

Para quem ainda tem dúvidas em relação ao nível de qualidade dos atuais carros da Caoa Chery no Brasil, consegue mudar de ideia ao observar de perto o SUV Tiggo 8, mais recente lançamento da marca em nosso mercado.

Utilitário esportivo de porte grande, com 4,70 m comprimento, o Tiggo 8 conseguiu chamar a atenção de quem, até pouco tempo, só tinha olhos para modelos como Volkswagen Tiguan e Peugeot 5008, isso pensando nos modelos que também oferecem versões com sete lugares e carregam um interessante pacote tecnológico.

Bem resolvido por fora, o Tiggo 8 faz bonito na lista de equipamentos, com carregador de celular sem fio, teto solar panorâmico, seis airbags, faróis e lanternas de led, alerta de ponto cego e até câmera com visão 360 graus e três modos de visualização na boa tela de 10,25 polegadas do sistema multimídia.

É nela também que estão a maioria dos comandos e configurações do carro, inclusive um mais curioso e de gosto duvidoso, o recurso que permite escolher a cor da luz ambiente - que conta com opções de cores bem vibrantes - e que quando acionado, acompanha o ritmo da música do sistema de som e quase cria um clima de casa noturna, com as luzes piscando em diferentes pontos dentro do carro.

Aliás, característica marcante do Tiggo 8 nesse quesito é a pequena quantidade de botões no painel, quase tudo é feito pela tela com comandos por toque, algo natural para um carro mais luxuoso. O mesmo clima é encontrado graças ao painel de instrumentos 100% digital com tela de 12,3 polegadas e opções de personalização.

Alinhado com a proposta tecnológica, a cabine é elegante, com detalhes em couro, acabamento bem feito e, repito, é o que se espera ver em um carro com esse porte e preço. Depois, temos boa conversa sobre os detalhes na traseira do Tiggo 8, começando pela proposta dos bancos adicionais e que abre espaço para até sete pessoas.

Nele temos o mesmo padrão dos modelos concorrentes, ou seja, sem mágica, os dois bancos adicionais acomodam duas crianças com conforto; agora, dois adultos - mesmo com a opção de avançar o banco da fileira no meio, dificilmente encontram conforto.

O que ele tem de diferente é o acesso, que é feito exclusivamente pela porta direita, atrás do passageiro. O sistema é simples, a operação para movimentar o banco do meio é fácil, basta puxar o encosto e ele corre leve por um trilho.

Com os dois bancos montados, o espaço do porta-malas fica bem modesto, apenas 193 litros de capacidade. Situação diferente para quem não utiliza os sete lugares, que consegue aproveitar os 889 litros de capacidade.

Mas ainda falando da parte traseira do Tiggo 8, há um recurso que pode agradar: a tampa do porta-malas com abertura automática. Sim, é algo até já bem conhecido em outros carros, mas que nele tem um diferencial. Isso porque não é necessário nenhum movimento com os pés, por exemplo, basta chegar perto da tampa do porta-malas - com a chave presencial próxima, na mão ou no bolso - que o sistema reconhece e dá o alerta com uma piscada nas luzes das lanternas; neste momento, é só se afastar para que a tampa abra automaticamente.

Inédito motor turbo é outro trunfo do SUV chinês

Ao volante, o Tiggo 8 vai muito bem, tem refinamento na construção da carroceria, rodas de liga leve aro 18, conjunto de suspensão independente e um acerto geral equilibrado. Dá para usufruir daquele conforto de um carrão pra família sem ficar incomodado com falta de firmeza em curvas ou em velocidades altas.

Algo que combina com outro trunfo e que certamente vem ajudando a empolgar os novos compradores desse SUV: o motor 1.6 16V turbo movido a gasolina. O motor é inédito aqui, estreou exatamente no Tiggo 8, conta com sistema de injeção direta de combustível e rende 187 cavalos de potência e 28 Kgfm de torque.

Para administrar bem essa força enviada exclusivamente para as rodas dianteiras, conta com a transmissão automática de dupla embreagem e 07 velocidades. Não tem opção de trocas manuais por aletas no volante, mas compensa com dois modos de condução: Eco, onde o foco é a economia de combustível, e o Sport, opção para quem quer explorar as respostas mais rápidas em giros mais altos do motor.

A receita garante consumo interessante, até porque esse motor - ao menos por enquanto - só utiliza gasolina; então mesmo se tratando de um carro grande e pesado, consegue registrar média de consumo na casa dos 12 Km/l na estrada e próxima dos 10 Km/l na cidade.

O Tiggo 8 já é produzido na fábrica da Caoa Chery em Anápolis, Goiás, e causou boa impressão em 2020. Situação comprovada pelo número de vendas significativo para um modelo novo, produzido por uma marca jovem e de origem chinesa. Foram 1.620 unidades, mas em apenas cinco meses de vendas e com crescimento rápido mês a mês.

Em dezembro, por exemplo, praticamente dobrou o número alcançado em novembro, fechando uma média que, caso tivesse um ano inteiro na conta, certamente ultrapassaria as 4 mil unidades comercializadas em 2020. Condição que colocaria o Tiggo 8 na condição de segundo SUV mais vendido em sua categoria, atrás apenas do líder Toyota SW4, e a frente com folga de Chevrolet Trailblazer e Mitsubishi Pajero, atuais segundo e terceiro colocados no ranking nacional. Algo que tem grandes chances de acontecer em 2021.

Preço Caoa Chery Tiggo 8 TXS 1.6 Turbo GDi: R$ 168.600