PUBLICIDADE

Topo

Paola Machado

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Vive encolhido de frio? Veja razões para fazer mais alongamentos no inverno

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do VivaBem

05/07/2021 04h00

No inverno, é normal que muitas pessoas sintam preguiça e não tenham motivação para manter a regularidade nos treinos. Além disso, mesmo para quem mantém a rotina de exercícios, o frio tende a gerar mais desconforto muscular e rigidez e muita gente sente as articulações do corpo "rangerem" —e isso pode ser ainda mais comum num corpo que já está sofrendo com o sedentarismo há um tempo.

O sedentarismo por si só já pode levar à rigidez muscular, fraqueza e encurtamentos, causando desvios posturais e predispondo a lesões. O frio, quando se associa ao sedentarismo, só piora esse quadro. Já fiz texto falando sobre a influência do frio na percepção da dor sentida no corpo todo. Por tudo isso, reforço a importância que, mesmo em casa, você crie alternativas para continuar se movimentando, especialmente no inverno.

Outro motivo que aumenta a importância de se alongar no frio é a posição mais encolhida, curvada e até praticamente fetal que muita gente costuma adotar quando está frio. Segundo o profissional de educação física Rodrigo Kenzo, da clínica Personal La Posture, "há vários estudos que mostram os benefícios da prática regular do alongamento, entre eles a diminuição da dor, relaxamento muscular, manutenção da saúde física e mental. Mesmo quem é ativo e, por exemplo, pratica musculação, se beneficia com o alongamento no aumento da amplitude de movimento, sem gerar desconfortos".

Ainda de um ponto de vista ainda mais científico, quando nos alongamos ocorre o estiramento das fibras musculares e aumento do fluxo sanguíneo na região, contribuindo para o aumento de seu comprimento, otimizando a recuperação muscular, a amplitude dos movimentos do corpo e reduzindo os espasmos musculares. Portanto, alongar é parte essencial de uma musculatura mais eficiente e saudável. Claro que estou falando de um alongamento planejado e regular, um treino, não aquela "esticadinha" na panturrilha que alguns dão antes de correr, por exemplo.

Alongar deve ser encarado como um treino, em dia específico e com planejamento, não algo que você faz por dois minutos antes de correr ou jogar futebol. E, claro, caso ao alongar você sinta piora dos sintomas ou dores, é importante procurar um especialista para avaliar o seu caso. Ter a assistência do profissional de educação física ou fisioterapeuta fará a diferença na forma que você move seu corpo.

Você sabia que existem vários tipos de alongamento?

Cada forma de se alongar gera efeitos e benefícios diferentes. Você pode inserir alguns tipos de acordo com os seus objetivos, para que tenha melhores resultados e benefícios dessa prática.

1. Alongamento estático é o mais conhecido, realizado quando alongamos os músculos até o ponto máximo do movimento, permanecendo por cerca de 10 a 30 segundos. Muito utilizado após uma atividade física extenuante para relaxamento muscular ou para pessoas que permanecem muito tempo na mesma posição, por exemplo, em home office, para alívio de tensões na região da lombar, ombros ou cervical.

2. Balístico é caracterizado por movimentos vigorosos e rítmicos, com o objetivo de alongar o músculo ou grupo muscular. Os benefícios deste tipo de alongamento são o aquecimento e ativação das fibras musculares, aumentando a velocidade de condução nervosa e diminuindo o tempo a um estímulo externo. Utilizado antes de uma atividade física ou esporte, para aquecimento do corpo e prevenção de lesões.

3. "Contrair-relaxar" também pode ser explicado por fatores neurofisiológicos, enquanto um grupo muscular é ativado, seu antagonista é inibido, e isso facilita o alongamento. Pode ser utilizado antes ou após os exercícios.

Independente do tipo de alongamento que opte por praticar em casa, o benefício é certo! Você sente na hora o seu corpo "destravar" e ainda traz a sensação de bem-estar. Incluí-lo ao longo do dia, em eventuais pausas do trabalho, quando se levantar para eventuais idas ao café e ao banheiro pode ser a chave para o sucesso da consistência dessa prática.

O ideal é que você insira o movimento na sua rotina independentemente da temperatura, mas a atenção deve ser ainda maior no frio caso você esteja sedentário há muito tempo.

*Colaboração Dra. Renata Luri Fisioterapeuta Doutorada em Ciências da Saúde pela UNIFESP e sócia da Clínica La Posture e Juliana Satake Fisioterapeuta da Clínica La Posture.

Referências:

Bacurau, R. F. P; et al. Efeito agudo de uma sessão de exercícios de alongamento balístico e estático na flexibilidade e força máxima. Journal of Strength and Conditioning Research: January 2009 - Volume 23 - Issue 1 - p 304-308.

Bonfim, Aline Evans de Oliveira; Ré, Daniela De; Gaffuri, Juliana; Costa, Marcela Medeiros de Almeida; Portolez, José Luiz Marinho; Bertolini, Gladson Ricardo Flor. Use of static stretching as an intervenient factor in delayed onset muscle soreness. Rev. bras. med. esporte ; 16(5): 349-352, set.-out. 2010

Paulo, Anderson Caetano; Ugrinowitsch, Carlos; Leite, Gerson dos Santos; Arsa, Gisela; Marchetti, Paulo Henrique; Tricoli, Valmor. Acute effect of stretching exercises on upper and lower limbs maximum strength and strength endurance performance. Motriz rev. educ. fís. (Impr.) ; 18(2): 345-355, abr.-jun. 2012.

Lorena, Suélem Barros de; Lima, Maria do Carmo Correia de; Ranzolin, Aline; Duarte, Ângela Luiza Branco Pinto. Effects of muscle stretching exercises in the treatment of fibromyalgia: a systematic review. Rev. bras. reumatol ; 55(2): 167-173, Mar-Apr/2015.

Matsutani, Luciana Akemi; Assumpção, Ana; Marques, Amélia Pasqual. Stretching and aerobic exercises in the treatment of fibromyalgia: pilot study. Fisioter. mov ; 25(2): 411-418, abr.-jun. 2012.

Morcelli, Mary Hellen; Oliveira, Júlia Martins Cruz Alves; Navega, Marcelo Tavella. Comparison of static, ballistic and contract-relax stretching in hamstring muscle. Fisioter. pesqui ; 20(3): 244-249, jul.-set. 2013

Vieira, Wouber Hérickson de Brito; Nogueira, João Felipe de Souza; Souza, Jéssica Cardoso de; Prestes, Jonato. Does stretching and warm-up interfere on neuromuscular response? a literature review. Rev. bras. ciênc. mov ; 21(1): 158-165, 2013.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL