PUBLICIDADE

Topo

Como saber se o aumento de peso foi provocado por inchaço

iStock
Imagem: iStock
Paola Machado

Paola Machado é formada em educação física, mestre em ciências da saúde (foco em fisiologia do exercício e imunologia) e doutora em ciências da saúde (foco em fisiopatologia da obesidade e fisiologia da nutrição) pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo). Atualmente, atua como pesquisadora, desenvolvendo trabalhos científicos sobre exercícios, nutrição e saúde. CREF: 080213-G | SP

Colunista do UOL

02/09/2020 04h00

Se em um mesmo dia você se pesar de manhã, logo ao acordar, e depois à noite, antede de dormir, provavelmente vai observar uma diferença nos números apresentados na balança. Isso ocorre pois vários pontos podem fazer nosso peso flutuar ao longo de um único dia, como a quantidade de água e glicogênio (carboidrato) no corpo, alimentação (obviamente, depois de comer 500 g você estará mais pesado) —veja aqui como decifrar o peso na balança.

Dito isso, como você consegue detectar se ao longo do tempo os números variáveis na balança são um processo de retenção hídrica (inchaço) ou acúmulo de gordura corporal?

Seu corpo é composto principalmente por água, distribuída por todo organismo. O edema é o resultado do extravasamento de um líquido (pobre em proteínas do sangue) que sai dos vasos sanguíneos e vai para o tecido subcutâneo. A retenção hídrica ocorre quando o excesso de fluidos se acumula dentro do corpo —sistema circulatório ou nos tecidos e cavidades —, podendo causar inchaço nas mãos, pés, tornozelos e pernas.

O inchaço pode ser provocado por diversos motivos, como alterações hormonais que ocorrem na gestação ou no ciclo menstrual (principalmente na fase lútea), sedentarismo, alimentação rica em sódio ou carboidratos simples, falta de hidratação —ou mesmo processo de desidratação —, alguns tratamentos medicamentosos, condições climáticas etc.

Condições mais sérias, como doenças/disfunções renais, hepáticas e insuficiência cardíaca, podem causar retenção aguda de água, mas geralmente o peso da água reduz com o tempo, com a ajuda de mudanças no estilo de vida. Se você estiver com retenção súbita ou grave de água, procure um médico.

Sinais que indicam a retenção líquida

- Suas extremidades, como mãos, punhos, tornozelos ou pés estão inchando e o peso aumentou, provavelmente é devido à retenção líquida. Preste atenção se as meias ficam marcadas, os sapatos —que antes não incomodavam — estão justos demais nas laterais, se está com dificuldade para colocar ou tirar o anel ou mesmo o relógio está apertado demais.

- Ganhar peso em um curto espaço de tempo Se o peso variou demais de um dia para outro (ou no mesmo dia), pode ser sinal de retenção e de que você precisa se hidratar mais, melhorar a alimentação e se exercitar.

Se você se pesa todos os dias, deve notar que o número na balança pode variar entre 1 kg e 2 kg quilos, podendo ser somente o peso da água. Leva mais tempo para que a gordura seja registrada na balança —por isso eu não recomendo se pesar todos os dias e, sim, escolher um dia da semana, pela manhã, em jejum, com o mínimo de roupas possíveis, para realizar a pesagem.

Teste para identificar a retenção

Com os dedos, pressione a pele da região que você sente inchada por apenas dois segundos e observe. Se a marca do dedo permanecer durante três segundos, é um sinal que pode haver líquido retido nos tecidos periféricos.

Vale lembrar que há testes mais específicos realizados com profissionais da área da saúde, como análises de composição corporal, que avaliam de forma mais fidedigna o grau de inchaço.

Infográfico Paola Machado - Paola Machado/ Big Stock - Paola Machado/ Big Stock
Imagem: Paola Machado/ Big Stock

Como reduzir o inchaço

Nos casos em que o inchaço é leve e não há nenhum problema de saúde subjacente, você pode reduzir a retenção de água com algumas dicas.

  • Reduzir consumo de sódio O sódio é um eletrólito derivado do sal, que desempenha papel fundamental nos níveis de hidratação do corpo e na capacidade de equilibrar os fluidos. Os níveis de sódio muito baixos ou muito altos prejudicam esse equilíbrio, levando ao acúmulo de água. Vale lembrar que alimentos processados e ultraprocessados são geralmente ricos em sódio.
  • Reduzir o estresse O estresse aumenta o nível do hormônio cortisol, que leva a um aumento do ADH, um hormônio conhecido por ser antidiurético. Quando o corpo está em um estado normal, sem estresse, o ADH permite que os rins "entendam" quanta água deve ser liberada. Entretanto, quando o ADH está desequilibrado, ocorre uma alteração na homeostase, o que pode levar à retenção de água.
  • Melhore a qualidade de sono O sono ajuda seu corpo a equilibrar seu nível de hidratação. Sem um sono adequado, seu corpo não tem tempo suficiente para se regular e pode, também, afetar a função renal que equilibra os níveis de sódio e água, o que pode levar à retenção de líquidos.
  • "Ajuste" os eletrólitos São minerais essenciais, como magnésio, potássio, cálcio e sódio, importantes para muitas funções corporais, incluindo a regulação dos níveis de água. Quando os níveis de eletrólitos ficam desequilibrados, o mesmo ocorre com os níveis de fluidos, o que pode causar retenção de água. Peça orientação para, se necessário, combinar eletrólitos com a quantidade de água que você está ingerindo.
  • Faça exercícios Você já tentou se pesar antes e logo após um treino? Há uma variação de peso que costumamos levar em consideração para ajuste de hidratação durante a atividade física. A sudorese induzida pelo exercício leva a uma queda imediata no peso da água, bem como a um aumento no fluxo sanguíneo e na circulação. Dessa forma, é importante repor os líquidos após o treino para não ficar desidratado.
  • Alimente-se de forma equilibrada Frutas e vegetais contam com vitaminas e outros nutrientes que equilibram seu corpo e ajudam a combater a retenção.
  • Consuma alimentos fonte de potássio O potássio ajuda a equilibrar os níveis de sódio no corpo e aumenta a produção de urina. Alimentos ricos em potássio incluem banana, tomate, abacate, couve e espinafre.
  • Ingira alimentos ricos em magnésio Os alimentos ricos em magnésio podem ajudá-lo a reduzir a retenção. São eles: grãos integrais, vegetais, nozes, vegetais de folhas verde-escuras.
  • Aumente a ingestão de vitamina B6 A vitamina B6 é importante para a formação de células vermelhas do sangue e desempenha muitas outras funções no corpo. Estudos demonstraram que ela pode reduzir a retenção de água em mulheres com síndrome pré-menstrual. Os alimentos ricos em vitamina B6 incluem banana, batata, nozes e carne.
  • Reduza o consumo de carboidratos simples Quando você consome carboidratos, seu corpo os decompõe em glicose (açúcar), que é usada como combustível. Essa glicose pode ser estocada nos músculos e no fígado como glicogênio, que tem uma relação codependente com a água, sendo que para cada grama de glicogênio que seu corpo armazena, pelo menos 3 gramas de água vêm com ele. Dietas ricas em carboidratos também podem fazer com que seus níveis de insulina aumentem, o que leva a um aumento de sódio e água nos rins. Por isso, ingira carboidratos complexos, concentrando-se em frutas e vegetais, e consuma de acordo com as recomendações nutricionais, pois eles são essenciais para nossa energia.
  • Beba mais água Muita gente acha que beber água retém líquido. Pelo contrário. Beber água ajuda no combate à retenção. A água vai melhorar a capacidade de funcionamento dos seus rins e eliminar o sódio e o excesso de fluidos do seu sistema. Além disso, se você não está bebendo água o suficiente, pode desidratar, retendo líquidos como forma de compensação.
  • Evite ficar sentado por longos períodos Estar inativo pode impedir que os fluidos do seu corpo circulem com eficiência, fazendo com que a água se acumule nos tecidos do seu corpo. Além do exercício, movimente-se no seu dia a dia.
  • Ingira alimentos que hidratam Muitos alimentos são naturalmente hidratantes e funcionam como diuréticos naturais. Alguns deles incluem salsão, beterraba, aspargos, uvas, erva-doce, agrião, melão, melancia, cranberries e pepino.
Referências:
  • Lawrence E. Armstrong, Matthew S. Ganio, Douglas J. Casa, Elaine C. Lee, Brendon P. McDermott, Jennifer F. Klau, Liliana Jimenez, Laurent Le Bellego, Emmanuel Chevillotte, Harris R. Lieberman, Mild Dehydration Affects Mood in Healthy Young Women, The Journal of Nutrition, Volume 142, Issue 2, February 2012, Pages 382-388, https://doi.org/10.3945/jn.111.142000
  • Kojima S, Inoue I, Hirata Y, et al. Effects of changes in dietary sodium intake and saline infusion on plasma atrial natriuretic peptide in hypertensive patients. Clin Exp Hypertens A. 1987;9(7):1243-1258. doi:10.3109/10641968709160047
  • Luft FC, Rankin LI, Bloch R, Willis LR, Fineberg NS, Weinberger MH. The effects of rapid saline infusion on sodium excretion, renal function, and blood pressure at different sodium intakes in man. Am J Kidney Dis. 1983;2(4):464-470. doi:10.1016/s0272-6386(83)80079-1
  • Sagnella GA, Markandu ND, Buckley MG, Miller MA, Singer DR, MacGregor GA. Hormonal responses to gradual changes in dietary sodium intake in humans. Am J Physiol. 1989;256(6 Pt 2):R1171-R1175. doi:10.1152/ajpregu.1989.256.6.R1171
  • Clare BA, Conroy RS, Spelman K. The diuretic effect in human subjects of an extract of Taraxacum officinale folium over a single day. J Altern Complement Med. 2009 Aug;15(8):929-34. doi: 10.1089/acm.2008.0152. PMID: 19678785; PMCID: PMC3155102.
  • Heer M, Baisch F, Kropp J, Gerzer R, Drummer C. High dietary sodium chloride consumption may not induce body fluid retention in humans. Am J Physiol Renal Physiol. 2000;278(4):F585-F595. doi:10.1152/ajprenal.2000.278.4.F585
  • McKnight JA, Roberts G, Sheridan B, Atkinson AB. The effect of low and high sodium diets on plasma atrial natriuretic factor, the renin-aldosterone system and blood pressure in subjects with essential hypertension. Clin Endocrinol (Oxf). 1994;40(1):73-77. doi:10.1111/j.1365-2265.1994.tb02446.x
  • León A., Del-Ángel M., Ávila J.L., Delgado G. (2017) Phthalides: Distribution in Nature, Chemical Reactivity, Synthesis, and Biological Activity. In: Kinghorn A.D., Falk H., Gibbons S., Kobayashi J. (eds) Progress in the Chemistry of Organic Natural Products. Progress in the Chemistry of Organic Natural Products, vol 104. Springer, Cham. https://doi.org/10.1007/978-3-319-45618-8_2
  • "4 Water." Institute of Medicine. 2005. Dietary Reference Intakes for Water, Potassium, Sodium, Chloride, and Sulfate. Washington, DC: The National Academies Press. doi: 10.17226/10925.
  • Walker AF, De Souza MC, Vickers MF, Abeyasekera S, Collins ML, Trinca LA. Magnesium supplementation alleviates premenstrual symptoms of fluid retention. J Womens Health. 1998;7(9):1157-1165. doi:10.1089/jwh.1998.7.1157
  • Facchinetti F, Borella P, Sances G, Fioroni L, Nappi RE, Genazzani AR. Oral magnesium successfully relieves premenstrual mood changes. Obstet Gynecol. 1991;78(2):177-181.
  • ACE FITNESS. https://www.acefitness.org/certifiednewsarticle/715/electrolytes-understanding-replacement-options/
  • Ebrahimi E, Khayati Motlagh S, Nemati S, Tavakoli Z. Effects of magnesium and vitamin b6 on the severity of premenstrual syndrome symptoms. J Caring Sci. 2012 Nov 22;1(4):183-9. doi: 10.5681/jcs.2012.026. PMID: 25276694; PMCID: PMC4161081.
  • InformedHealth.org [Internet]. Cologne, Germany: Institute for Quality and Efficiency in Health Care (IQWiG); 2006-. Causes and signs of edema. 2008 Nov 5 [Updated 2016 Dec 30]. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK279409/
  • Ebrahimi E, Khayati Motlagh S, Nemati S, Tavakoli Z. Effects of magnesium and vitamin b6 on the severity of premenstrual syndrome symptoms. J Caring Sci. 2012;1(4):183-189. Published 2012 Nov 22. doi:10.5681/jcs.2012.026
  • D'Elia L, Barba G, Cappuccio FP, Strazzullo P. Potassium intake, stroke, and cardiovascular disease a meta-analysis of prospective studies. J Am Coll Cardiol. 2011;57(10):1210-1219. doi:10.1016/j.jacc.2010.09.070
  • Kakkos SK, Allaert FA. Efficacy of Ruscus extract, HMC and vitamin C, constituents of Cyclo 3 fort®, on improving individual venous symptoms and edema: a systematic review and meta-analysis of randomized double-blind placebo-controlled trials. Int Angiol. 2017;36(2):93-106. doi:10.23736/S0392-9590.17.03815-9
  • Eleanor McLaughlan, Julian H. Barth. An analysis of the relationship between serum cortisol and serum sodium in routine clinical patients. Practical Laboratory Medicine. Volume 8. 2017. Pages 30-33. ISSN 2352-5517. https://doi.org/10.1016/j.plabm.2017.04.003.
  • Mesen TB, Young SL. Progesterone and the luteal phase: a requisite to reproduction. Obstet Gynecol Clin North Am. 2015 Mar;42(1):135-51. doi: 10.1016/j.ogc.2014.10.003. Epub 2015 Jan 5. PMID: 25681845; PMCID: PMC4436586.
  • Gallen IW, Rosa RM, Esparaz DY, et al. On the mechanism of the effects of potassium restriction on blood pressure and renal sodium retention. Am J Kidney Dis. 1998;31(1):19-27. doi:10.1053/ajkd.1998.v31.pm9428447
  • Bob Murray, Christine Rosenbloom, Fundamentals of glycogen metabolism for coaches and athletes, Nutrition Reviews, Volume 76, Issue 4, April 2018, Pages 243-259, https://doi.org/10.1093/nutrit/nuy001
  • Natalia Rakova, Friedrich C. Luft, Jens Titze. Increased salt consumption induces body water conservation and decreases fluid intake. J Clin Invest. 2017;127(5):1932-1943. https://doi.org/10.1172/JCI88530.
  • Tiwari S, Riazi S, Ecelbarger CA. Insulin's impact on renal sodium transport and blood pressure in health, obesity, and diabetes. Am J Physiol Renal Physiol. 2007;293(4):F974-F984. doi:10.1152/ajprenal.00149.2007
  • CDC. https://www.cdc.gov/salt/potassium.htm
  • Horita S, Seki G, Yamada H, Suzuki M, Koike K, Fujita T. Insulin resistance, obesity, hypertension, and renal sodium transport. Int J Hypertens. 2011;2011:391762. doi:10.4061/2011/391762

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL