Topo

Viagem

Mochileiros


"Não sou rica. Consegui viajar muito economizando e não tem milagre"

Gilsimara Caresia no Himalaia - Arquivo pessoal
Gilsimara Caresia no Himalaia Imagem: Arquivo pessoal

Priscila Carvalho

Colaboração para o UOL

18/09/2019 04h00

Quando Gilsimara Caresia decidiu largar seu emprego em um banco, há quatro anos, ela tinha cinco sonhos: percorrer o caminho de Santiago de Compostela, visitar o parque Plitivice, na Croácia, ir até um campo de lavanda em algum lugar do mundo, ver a aurora boreal e conhecer de perto o Holi Festival, na Índia. Quase todos esses desejos já foram realizados - só faltou o espetáculo colorido no céu do hemisfério norte.

Para deixar uma vida de horário comercial e regalias, ela precisou de muito planejamento financeiro e decisão. Depois que juntou a quantia necessária de dinheiro, ela resolveu viajar o mundo por um ano. Na época, ela nem imaginava que sua jornada se estenderia pelo dobro do previsto e que a aventura renderia carimbo de 100 países no passaporte - cerca de metade seria viajando sozinha. Antes do sabático, ela já havia visitado 50 países.

Calculadora na mão

Ao contrário do que muitos podem pensar, tirar um período sabático não é só para endinheirados.

Segundo a viajante, as viagens exigiram muita economia e contas, muitas contas. "Eu comecei a trabalhar com 14 anos. Como estava infeliz no trabalho, tudo que ganhava, investia e guardava. Não tinha uma vida de luxo. Fiquei com um carro popular por quase 15 anos, isso fez diferença", conta.

Gilsimara na Itália - Arquivo pessoal
Gilsimara na Itália
Imagem: Arquivo pessoal

Coloque na lista essas dicas que, segundo Gilsimara, foram cruciais para conseguir economizar e estender seu período de viagem:

  • Planeje bem o deslocamento aéreo

Tenha uma lista de destinos que você quer conhecer (ao menos 20 países), baixe aplicativos e crie alertas para as passagens áreas. Isso garante que você viaje por bem menos e economize uma grana. Mas fique atento com as promoções: alguns países podem não ser tão viáveis em determinada época do ano e o dinheiro pode ser desperdiçado.

Além disso, aproveite os stopovers de algumas companhias aéreas. Normalmente, elas disponibilizam uma viagem "dois em um" e você consegue no mesmo trajeto conhecer mais de um país. Outra dica bem importante é aproveitar as milhas que o cartão de crédito gera. Segundo a viajante, ela passa tudo no "crédito", mesmo que a quantia seja cinco reais.

  • Aproveite o transporte terrestre

Em muitos locais, como na Europa, os aplicativos de carona funcionam bem e ajudam no deslocamento de uma cidade para a outra, ou de um país para o outro. Para se deslocar, ela não abre mão de usar o ônibus que, muitas vezes, sai bem mais barato do que o trem da região. E ainda prioriza voos ou trens noturnos que garantem economia. Neles, é possível dormir e economizar diárias em hostels ou hotéis.

  • Passeios gratuitos

Em muitas cidades, o passeio à pé gratuito está disponível para quem quer conhecer os pontos turísticos sem gastar nada. Basta dar uma gorjeta ao guia ou quanto você pode pagar no fim do percurso e pronto. Normalmente, as excursões costumam durar de duas a três horas, dependendo do tamanho da cidade visitada.

  • Hospedagem barata

Se tem uma coisa que a viajante não abre mão é hospedagem coletiva ou de baixo custo. Segundo ela, se você quer economizar na viagem não tem como ficar em resort ou hotéis de luxo.

Por isso, durante todos os países em que visitou, Gilsimara sempre priorizava hostels, Airbnb, "couchsurfing" (dormir em sofá do anfitrião da casa). Ela também usava o WorldPackers, plataforma na qual é possível trocar emprego por moradia e alimentação. "Fiz muito na Índia. Trabalhei numa obra e tinha alimentação e hospedagem de graça", conta.

  • Alimentação

Quando ela estava viajando, sempre procurava viver como uma pessoa que mora no país. Não se dava ao luxo de ir todo dia a restaurantes e experimentar comidas caras. "Eu fugia de lugares turísticos, a comida tradicional é mais barata e você ainda vive, de verdade, como um local", diz.

  • Seguro viagem

Não dá para viajar sem seguro dependendo do país que você vai. Em suas andanças pelo mundo, a ex-bancária procurava usar sempre o seguro do próprio cartão de crédito. Ela ainda conta que faz uso de um seguro de saúde internacional. "É mais barato que o seguro viagem", diz. Segundo ela, em alguns países como Portugal, Itália e Cabo Verde dá até para ser atendido com um convênio com o SUS de cada país, basta se cadastrar antes.

Gilsimara na Jordânia - Arquivo pessoal
Gilsimara na Jordânia
Imagem: Arquivo pessoal

Quanto custa fazer um sabático?

Ela não conta exatamente quanto gastou durante todo seu período sabático. Mas alerta o viajante: normalmente, são necessários em média 30 dólares por dia para conseguir viajar sem ter qualquer imprevisto e aproveitando de maneira consciente.

"Se fizer algum voluntariado em algum país ou permanecer por um período ainda maior, o dinheiro rende mais", conta.

Como ela sobrevive hoje?

No passado, quando ainda era bancária, Gilsimara fez um curso tecnólogo de turismo e tirou a certificação de guia turístico. Depois que visitou diversos países, sendo que quase todos foram sozinhas, ela percebeu que muitas mulheres ainda tinham o medo de fazer o mesmo.

Ao voltar para o Brasil, ela decidiu criar a agência de viagens GirlsGo, que é focada em levar grupos de mulheres para conhecer alguns países do mundo. Sua expedição já levou viajantes para a Índia, cidades do Brasil e em outubro levará um grupo para o Egito.

"Eu descobri que quero trabalhar com isso, mas hoje faço tudo no meu tempo e consigo ganhar dinheiro com o que mais amo, que é viajar."

Mais Mochileiros