Topo

Viagem


Conheça a Amsterdã que vai além dos tradicionais coffeeshops

Eduardo Vessoni

Do UOL, em Amsterdã*

17/04/2013 08h05

Amsterdã figura na lista de destinos dos sonhos de muitos viajantes (sobretudo quando o assunto é o famoso consumo liberado de drogas como maconha e haxixe nos tradicionais coffeeshops da cidade, que por pouco não mudou no ano passado com a lei que restringia o uso de entorpecentes).

Mas não é só de drogas e sexo fácil que Amsterdã é feita. Nesta reportagem, o UOL Viagem destaca algumas experiências que valem ser provadas neste destino com quase 800 mil habitantes e arquitetura formada por edifícios erguidos a partir do século 16, recortada por 165 canais e mais de 1.200 pontes.

Aluguel de bicicletas

Para se sentir um autêntico morador de Amsterdã, a dica é alugar uma bicicleta e encarar o trânsito caótico que abriga 73 magrelas para cada 100 habitantes. Segundo dados do órgão oficial de turismo da Holanda, o país possui duas vezes mais bicicletas do que automóveis. Basta sair às ruas, sobre duas rodas ou a pé, para o visitante se dar conta que pedalar por ali é uma experiência única e que exige atenção redobrada ao longo de seus 400 km de ciclovias. Os serviços variam de acordo com o tempo de aluguel e são oferecidos por empresas como Mack Bike (www.macbike.nl), Orange Bike (www.orange-bike.nl) e Het Zwarte Fietsenplan (www.hetzwartefietsenplan.nl).

Endereços escondidos
Super lotada e cara, Amsterdã chega a assustar visitantes de primeira viagem. No entanto, o destino guarda alguns atrativos (e com entrada gratuita) que podem ajudar a economizar durante sua estadia na cidade. Um dos endereços escondidos em meio ao caos do centro histórico é Begijnhof (Rua Spui, s/n; seg. das 13h às 18h30, de ter. a sex. das 9h às 18h30 e sáb. e dom. das 9h às 18h; entrada grátis; www.begijnhofamsterdam.nl), um pátio interior do século 14 de uma antiga comunidade religiosa que abriga casinhas em estilo holandês e uma capela. Localizado ao lado da Westerkerk, considerada a maior igreja protestante da Holanda, o discreto Homonument (www.homomonument.nl), um memorial de granito erguido em 1987 em forma de triângulo que homenageia homens e mulheres perseguidos por sua opção sexual. O visitante sem roteiro definido e com algum interesse em clássicos da arquitetura é surpreendido também durante caminhadas sem rumo entre edifícios históricos e sua impressionante rede de 165 canais do século 17, declarados pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade. Pouco conhecidas, as praias artificiais de Amsterdã são outras atrações escondidas da cidade como a Strand Zuid, uma área de 2.000 m² frequentada pelas classes mais altas, e a StrandIjburg, uma espécie de praia hippie local. Ambas estão a poucos minutos do centro da cidade em transporte público.

  • Eduardo Vessoni/UOL

    Um dos endereços escondidos de Amsterdam é o Begijnhof, um pátio interior do século 14 de uma antiga comunidade religiosa que abriga casinhas em estilo holandês e uma capela

Heineken Experience
Este é o tour multimídia pelo museu e outras áreas da tradicional fábrica cervejeira de mais de 150 anos de existência. O tour autoguiado é uma experiência multissensorial que reconta a história desta empresa holandesa a partir de salas temáticas onde é possível conhecer as etapas e os ingredientes de preparação do produto, ver filmes em 4D em que o público se sente como se estivesse dentro de máquinas de fazer cerveja e até atuar como dj em pick ups como as usadas pelos profissionais que tocam em eventos promovidos pela empresa. O tour, que termina em um bar onde podem ser provados alguns tipos de cerveja, é uma das experiências mais indicadas para quem já conheceu os atrativos históricos da cidade (Endereço: Stadhouderskade, 78. Aberto diariamente, das 11h às 19h30. Entrada paga. www.heinekenexperience.com)

Lojas temáticas
Tão famosos quanto os concorridos coffeeshops, Amsterdã abriga também estabelecimentos que valem uma visita mesmo que drogas e sexo não sejam seus interesses na cidade. O "Bairro da Luz da Vermelha" do centro, conhecido como  "De Wallen", é o mais famoso e maior entre todos os que existem na cidade. É ali que estão localizados os "sex shops", lojas com os mais variados e curiosos produtos relacionados ao tema como roupas sensuais, objetos e vídeos. Outra mania na cidade são as smartshops, lojas que vendem desde produtos psicodélicos como bonecos e peças decorativas até trufas, energéticos e cápsulas que simulam os efeitos de drogas reais. Um dos maiores e mais populares estabelecimentos do gênero é o Magic Mushroom (www.magicmushroom.com), empresa que começou em 1996 vendendo, exclusivamente, cogumelos.

Coffeeshops: se você quiser conhecer...

Desde os anos 70, a Holanda conta com uma lei que descriminaliza o uso de drogas leves em estabelecimentos previamente autorizados. Espalhados entre atrativos turísticos de Amsterdã, esses coffeshops podem vender para clientes até cinco gramas de drogas como maconha e haxixe e se encontram em ruas próximas ao Bairro da Luz Vermelha (local que abriga vitrines iluminadas onde visitantes podem contratar os serviços de prostitutas), a Centraal Station (como é conhecida a estação ferroviária da cidade) e a Warmoes Straat. Amsterdã tem coffeeshops clássicos como o Bulldog (Oudezijds Voorburgwal, 220), o Mellow Yellow (Vijzelgracht, 33) e o The Grasshopper (Nieuwezijds Voorburgwal, 59).

Museu Van Gogh
Sem dúvida esta é uma das atrações mais populares da cidade e recebe, anualmente, 1,5 milhão de visitantes. As obras assinadas pelo pintor holandês formam o que se considera o maior acervo do mundo dedicado a Van Gogh e reúne mais de 1.400 peças como telas, desenhos e documentos relacionados a diversas fases, além de abrigar obras de outros artistas do século 19. Trata-se de um passeio imperdível para os amantes da arte e admiradores da figura fascinante de Van Gogh. www.vangoghmuseum.nl

Museu Anne Frank (Anne Frank House)
A fila sempre imensa do lado de fora chega a desanimar, mas o interior desta casa onde Anne Frank escreveu seu famoso diário durante a Segunda Guerra Mundial é uma das experiências históricas mais marcantes de Amsterdã. Com acervo discreto, o museu é uma oportunidade única de circular pelos cômodos da casa, como as salas utilizadas como esconderijo de refugiados, e ver objetos como o diário original escrito durante os anos de perseguição aos judeus na Europa (Endereço: Prinsengracht, 267. Aberto diariamente, das 9h às 22h - os horários podem variar de acordo com a época do ano. Entrada paga. www.annefrank.org).

  • Cris Toala Olivares/Divulgação

    O Museu Casa Anne Frank é uma das atrações históricas mais importantes de Amsterdã

Tours temáticos
A cidade conta com tours guiados por temas como "Red Light District", o tradicional Bairro da Luz Vermelha; "Coffeeshops famosos", um passeio de duas horas em que o visitante conhece mais sobre a história do uso de drogas na Holanda e curiosidades sobre os estabelecimentos históricos de Amsterdã que vendem drogas leves; e saídas de bicicleta. Mais informações podem ser encontradas em agências como: Sandemans (www.newamsterdamtours.com) e Mac Bike (www.macbike.nl).

Mercados de rua
Os "mercados de pulga" são outra experiência obrigatória para quem quer conhecer melhor o estilo de vida dos moradores de Amsterdã. O Waterlooplein (www.waterloopleinmarkt.nl), localizado na Waterloo Square desde 1883, é considerado um dos melhores da cidade e abriga dezenas de barracas onde é possível encontrar objetos antigos, roupas de segunda mão e peças novas de vestuário trazidas de países orientais. Considerado um dos maiores da Europa, o Albert Cuyp Market (www.albertcuypmarkt.com) está localizado no bairro De Pijp, na rua que dá nome ao mercado, e abriga diversas barracas onde é possível encontrar souvenirs, frutas, flores e até eletrônicos. Porém a mais curiosa entre tantas opções na cidade é o Floating Flower Market, declarado o único mercado flutuante de flores do mundo. Situado no canal Singel (entre as praças Koningsplein e Muntplein), sobre barcos que funcionam como lojas, o local abriga comerciantes que vendem espécies como tulipas e narcisos.

* O jornalista Eduardo Vessoni viajou a Amsterdã com o apoio do Eurorail Group (www.eurailgroup.org) e do Bulldog Hostel (www.bulldoghotel.com)

Viagem