PUBLICIDADE

Topo

Taís Araújo e Lázaro Ramos criticam violência contra negros: 'Impotência'

Taís Araújo e Lázaro Ramos criticam violência contra negros - Reprodução/Lucas Mennezes
Taís Araújo e Lázaro Ramos criticam violência contra negros Imagem: Reprodução/Lucas Mennezes

De Universa, em São Paulo

22/05/2020 12h44

Taís Araújo e Lázaro Ramos comentaram hoje sobre o caso de João Pedro, menino de 14 anos morto durante uma ação policial em São Gonçalo, na segunda-feira (18).

Em entrevista à "Quem", o casal comentou sobre a exaustão que é lutar contra a violência policial que atinge a população negra e não ver resultado.

"Dá uma sensação de impotência. É a maior dor. O que a gente pode fazer para acabar com isso?", perguntou a atriz de 41 anos.

Familiares e amigos da vítima relataram ao UOL que João Pedro brincava no quintal da casa de um tio quando policiais invadiram o imóvel e o atingiram com um disparo na barriga. Já a Polícia Civil alega que o adolescente foi atingido durante uma troca de tiros entre bandidos e policiais, sendo socorrido de helicóptero.

Taís afirmou que seu trabalho tem objetivo de mudar esse cenário.

"Não é nem para diminuir as mortes, é para que isso não aconteça mais! Para que todos os dias a gente não receba essas notícias. Enquanto mãe e artista, meu trabalho é muito para uma mudança de mundo e no olhar", explicou.

"É muito difícil falar, porque parece que a gente luta para isso, trabalha, e não há mudança", reclama Taís, que admite que não ter forças para combater isso sempre.

"Não vemos mudanças. Nem todo dia eu amanheço com força. Mas tem dias que eu levanto com coragem e a fim de continuar trabalhando com isso", completa.

Já Lázaro, com quem ela está casada desde 2011, ressalta o papel da arte no processo de mudança.

"Como artista, às vezes vejo que tem muitas expressões que desumanizam essas mortes. Nós temos um papel fundamental para buscar essa humanização", revela.

"Parece pouco, mas não é. Isso vai no coração das pessoas", declara o ator, que reconhece que a arte é subestimada enquanto mecanismo de transformação.

"Temos voz para alertar a sociedade para tentar um caminho que seja mais justo e de valorização da vida."

Diversidade