Topo

Preta Gil lembra beijo em Amora Mautner: 'Protesto contra homofobia'

Preta Gil no programa Conversa Com Bial - Reprodução/TV Globo
Preta Gil no programa Conversa Com Bial Imagem: Reprodução/TV Globo

De Universa, em São Paulo

30/10/2019 06h48

Preta Gil lembrou momentos marcantes de sua vida em participação no "Conversa com Bial" de ontem. A cantora recordou que chocou na escola na adolescência com Amora Mautner, hoje diretora da novela "A Dona do Pedaço", quando a professora disse que homossexualidade era doença e poderia ser curada.

"Falei 'o meu pai namora o pai dela, a minha mãe namora a mãe dela, e a gente namora. A gente deu um chupão no meio da sala de aula. Beijo de língua", relembrou.

A ousadia, no entanto, não ficou impune. "No dia seguinte, a professora chamou a gente, as mães, e a diretora disse: 'essa escola não atinge a modernidade de vocês, melhor procurarem outra escola."

"Tenho o maior orgulho de ter sido expulsa da escola porque beijei minha melhor amiga num protesto contra a homofobia aos 16 anos", diverte-se.

Relação com o corpo

No programa, a cantora confessa já ter procurado emagrecer por conta de críticas que recebia. "Eu realmente cresci achando que eu era bonita e gostosa. Quando fiz o primeiro álbum, 'Prêt-à-Porter', um nu (na capa), mostrei pro meu pai e ele disse: 'desnecessário, Preta'. Aquilo foi uma confusão na minha cabeça, mas ele é um sábio, sabia o que eu passaria depois", diz.

"Não deu outra: lancei o disco achando que eu estava abafando e veio uma enxurrada de críticas na época, um conservadorismo. Foi um escândalo a capa do disco, nunca pensei que isso fosse acontecer", surpreende-se.

"Comecei a me questionar se as pessoas não estavam certas. Será que não sou bonita, não sou gostosa, não posso posar nua para o meu disco? Comecei a querer emagrecer para que parassem de falar de mim. Tipo 'me deixa em paz, quero ser amada, querida'. Uma espécie de aprovação. Não sei o que causo nas pessoas, mas tem muita gente que não gosta", analisa a cantora.

Diversidade