Topo

Homem baleado por beijar namorado em bar recebe alta: "estou despedaçado"

Marcelo Macedo, 33, se recupera após ser atingido por 4 tiros em um bar de Camaçari - Reprodução
Marcelo Macedo, 33, se recupera após ser atingido por 4 tiros em um bar de Camaçari Imagem: Reprodução

Aliny Gama

Colaboração para o UOL, em Maceió

28/10/2019 12h51

O homem de 33 anos atingido por quatro tiros após beijar o companheiro em um bar em Camaçari (BA), região metropolitana de Salvador, recebeu alta médica do HCG (Hospital Geral de Camaçari), no último sábado (26). A polícia investiga o crime de homofobia e tentativa de homicídio. Três suspeitos prestaram depoimento e foram liberados pela polícia.

Marcelo Macedo teve o fígado, o baço, um dos rins e um braço atingidos por quatro tiros pouco tempo depois que chegou ao bar, que fica no bairro Inocoop, na companhia do namorado, na noite do último dia 20. A vítima foi levada pela Polícia Militar para o HGC, onde se submeteu a cirurgia e outros procedimentos.

Em um relato nas redes sociais, o jovem afirmou que "me chamar de 'viado' não é ofensa. Tomar quatro tiros sim". Ele disse que não se lembra de detalhes do ocorrido e que entrou em estado de choque ao notar o que tinha acontecido.

"É difícil acreditar que as pessoas são agredidas tão cruelmente e de maneira tão covarde pelo simples fato de demonstrar afeto. É triste. Dói. Estou despedaçado. Nem no meu pior pesadelo eu imaginei que um dia pudesse ser tão violentado. Ver a morte de perto é assustador", escreveu a vítima.

Macedo disse que viveu um "verdadeiro filme de terror nos últimos dias" e que está com medo porque nenhum suspeito do crime foi preso nem teve a identidade revelada.

"Estamos assustados em saber que quem atentou contra a minha vida está solto por aí, sua cara não está estampada em todos os jornais estando tão vulnerável como eu me encontro agora, botando a cabeça no travesseiro deitado na cama da sua casa e dormindo todos os dias tranquilamente."

Agressões e fuga

Amigos do jovem relataram que o crime ocorreu após Macedo cumprimentar uma amiga. O namorado dela ficou enciumado, e ele, para contornar a situação, acariciou o companheiro para mostrar que "não gostava de mulher".

Um homem se levantou de uma das mesas e perguntou se Macedo não tinha "respeito às pessoas do bar". Em seguida, segundo relato, outros três homens começaram a agredir a vítima e o companheiro de Macedo.

"Os três partiram pra cima de Marcelo, o espancaram até cair. O outro agredindo o companheiro de Marcelo e mandando ele fugir do local. Quando o rapaz correu, ele viu um dos homens sacar a arma e efetuar os disparos em Marcelo. Mesmo ele estando caído, com dois disparos, quase desfalecido, eles vieram, continuaram a agressão e efetuaram mais dois disparos", relatou um amigo de Macedo.

O grupo que agrediu e tentou matar o rapaz fugiu sem ser identificado. A polícia recolheu imagens de câmeras de estabelecimentos comerciais próximos para identificar os autores do crime.

A Polícia Civil da Bahia informou que três suspeitos de cometer o crime, dentre eles, um policial militar, se apresentaram à 18ª Delegacia Territorial de Camaçari, na semana passada. Os três investigados foram liberados após prestarem depoimento.

A polícia não divulgou os nomes deles e informou que detalhes só serão repassados ao término do inquérito policial, para não atrapalhar as investigações. Os trabalhos durarão 30 dias.

Diversidade