Topo

Família homenageia homem trans usando fita no peito e vídeo viraliza

Maurício Dehò

De Universa, em São Paulo

08/10/2019 12h34

Resumo da notícia

  • Richard Alcântara está em processo de transição de gênero e foi surpreendido em um churrasco de família, em Caçapava (SP)
  • Enquanto junta dinheiro para se submeter a uma mastectomia, o auxiliar de cozinha, de 22 anos, usa fitas sobre o peito
  • Os parentes resolveram fazer uma homenagem e copiaram Richard, ao também usar as fitas
  • O vídeo da surpresa viralizou: "Está sendo legal contar a minha história. Que minha família sirva de exemplo", disse

Richard Alcântara chegou a um churrasco de família tímido. Em processo de transição, o auxiliar de cozinha estava receoso por usar pela primeira vez fitas para esconder os seios — enquanto junta dinheiro para se submeter a uma mastectomia. O que ele não esperava era uma homenagem dos parentes, que o copiaram. O vídeo com a família "uniformizada" viralizou nas redes sociais.

Em entrevista por telefone para Universa, Richard, de 22 anos, detalhou como foi o domingo (6). Hoje morando em São Caetano do Sul (SP) para trabalhar, ele voltou a Caçapava, no interior paulista, para ver a mãe e demais familiares, com uma novidade que ainda o deixava inseguro.

"Era a primeira vez que ia ficar com a fita na frente dos meus pais, e estava com muito receio de a família julgar. Não era nada com eles, era comigo mesmo. Então, pedi para minha namorada tirar uma foto minha perto da piscina, o mais rápido possível, para eu colocar a blusa rápido, porque estava com vergonha. Nisso, meu tio viu", contou Richard.

Quando foi ao banheiro, o tio colocou em ação seu plano: pediu a fita de Richard à namorada, falou para a mãe dele dar uma enrolada nele enquanto todos se preparavam, e o resultado foi o visto no vídeo. Até uma criança cobriu o peito.

"Quando saí, estavam todos com a fita e ele [o tio] disse que tem muito orgulho de mim", disse Richard. A inclusão é comum na família. "Tenho primo gay, tia lésbica casada... Nossa família sempre foi de ter respeito e amor, para além de qualquer tipo de preconceito. Se eu conquisto uma coisa, minha família toda conquista."

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Foi a namorada de Richard que publicou os vídeos, com uma mensagem emocionada: "Um ano atrás ele sofria com a fase de aceitação e temia a rejeição da família, já atentou contra a própria vida por consequência de depressão, mas o que ele não sabia é que tudo tem seu tempo, nada acontece por acaso. Essa é uma demonstração de amor incondicional de uma família, [que] mesmo com tanta diversidade sempre colocou amor e união acima de tudo. Preconceito não tem espaço onde amor e respeito se fazem presentes!", escreveu Yuri Almeida.

"O grupo da da família agora está 'bombando'. Ontem começou a viralizar e está sendo legal contar minha história. Que a minha família sirva de exemplo para outras", ponderou Richard.

Percebendo-se trans

Richard Alcântara conta que, aos 15 anos, se viu como mulher lésbica. Na época, sua mãe sofreu um pouco. "Ela tinha aquele sonho de eu ser uma princesinha que gosta de balé, pois era a única filha." Richard se entendeu como trans quando viu uma novela, em 2017.

"Minha mãe me aceitou, respeitou e lutou comigo. Passei por depressão, aos 16 anos, porque nunca gostei do meu corpo. Sempre admirei barba... Eu atentei contra minha própria vida, porque achava que não era suficiente, mesmo com o apoio da família", diz.

"Quando assisti à 'Força do Querer', com o Ivan, eu percebi que aquilo era a novela da minha vida e me ajudou muito. Minha mãe via todos os dias comigo, chorava muito... Quando em uma das partes da novela aconteceu a cirurgia para retirar os seios, eu contei que era um homem trans, que queria iniciar minha transição. Perguntei para a minha mãe se me aceitava e lutaria comigo e ela, chorando muito, disse que sim."

Dificuldades na transição

Richard admite que ainda tem medo do preconceito e que já sofreu na rua com comentários e ameaças de agressão. Outra dificuldade, em sua opinião, é conseguir passar pelos procedimentos médicos que deseja, como a mastectomia.

O auxiliar de cozinha afirma que ficou cinco meses procurando endocrinologistas que o auxiliassem, mas teve muitas portas fechadas. Há cinco meses, no entanto, começou o tratamento hormonal.

Richard Alcântara e Yuri Almeida - Reprodução/Instagram
Richard Alcântara e Yuri Almeida
Imagem: Reprodução/Instagram

"Muitas vezes pensei em desistir, pensei em começar tratamento hormonal por conta, mas minha namorada não deixou. Ela sempre me apoiou: toda vez me acompanhava nos médicos. Até que consegui um endócrino e passei por uma bateria de exames, com 90 ou mais, e comecei a tomar hormônio", afirma Richard. "Cirurgia ainda não fiz por falta de dinheiro. Talvez eu faça uma vaquinha online."

Sobre a repercussão, Richard e Yuri ainda estão num misto de felicidade e susto, com tantos compartilhamentos e mensagens recebidas.

"Tem muita gente apoiando, muitas mensagens enchendo meu coração de alegria e amor, me dando esperanças de que o amor ainda existe. Eu só quero fazer isso, espalhar amor e respeito. Quero que todos que passam por isso se sintam abraçados por esse vídeo", conclui Richard.

Diversidade