Topo

Carreira e finanças


Carreira e finanças

Nokia promete eliminar desigualdade salarial entre gêneros

Denis Freitas/Universa
Imagem: Denis Freitas/Universa

Niclas Rolander

27/05/2019 09h29

Algumas funcionárias da Nokia vão receber um reajuste de salário em meados deste ano, como parte dos esforços da empresa para diminuir as diferenças salariais entre homens e mulheres.

A fabricante finlandesa de equipamentos de rede planeja alocar um orçamento especial para eliminar as diferenças salariais entre homens e mulheres que desempenham a mesma função. Uma auditoria recente sobre salários pagos pela Nokia realizada pela Mercer revelou uma diferença salarial que só poderia ser explicada pelo gênero. As mulheres respondem pela maioria dos empregados com baixos salários, mas alguns homens também vão receber aumentos.

"A auditoria mostrou uma diferença de remuneração pequena, mas estatisticamente significativa e inexplicável, entre homens e mulheres", disse o CEO da Nokia, Rajeev Suri. "Estamos fazendo isso porque uma lacuna salarial como esta não se encaixa em nossos valores."

A Nokia, que emprega mais de 100 mil pessoas em todo o mundo, se une a um número crescente de empresas e governos focados nas desigualdades salariais entre homens e mulheres que desempenham as mesmas funções. O Reino Unido agora exige que todas as empresas com mais de 250 funcionários divulguem suas diferenças salariais por gênero; em sua força de trabalho no Reino Unido, a Nokia registrou uma diferença salarial entre homens e mulheres de 21,1%. Isso ocorre principalmente porque homens têm empregos mais bem remunerados na empresa, mas o estudo da Mercer também revelou que algumas das funcionárias da Nokia não recebiam salários equivalentes aos dos colegas de equipe.

A Salesforce.com é o exemplo mais conhecido da abordagem sendo adotada atualmente pela Nokia. Em 2015, a empresa de software com sede em São Francisco gastou US$ 3 milhões para eliminar as desigualdades salariais entre homens e mulheres. Descobriu-se também que, mesmo depois de investir a quantia para eliminar a diferença salarial, todos os anos o problema se repete. A empresa gastou outros US$ 3 milhões para eliminar as diferenças salariais em 2017, quando novas discrepâncias foram descobertas.

A Nokia disse que vai destinar uma quantia maior do que a da Salesforce - a força de trabalho da empresa finlandesa é três vezes maior -, mas não informou o valor total. O diretor de marketing da Nokia, Barry French, disse que a quantia é "significativa", mas não "material". A empresa teve faturamento de 22,6 bilhões de euros (US$ 25,3 bilhões) no ano passado.

French disse que as diferenças salariais encontradas eram, em sua maioria, pequenas, mas "bastante dispersas", com uma probabilidade maior de aparecer entre as equipes de engenharia e P&D.