Topo

Copa de Futebol Feminino: trajetória de pobreza, preconceito e descrença

Ney Montes/Arquivo Pessoal
Imagem: Ney Montes/Arquivo Pessoal

Jardel Sebba

De São Paulo para a BBC News Brasil

07/06/2019 16h05

Mulheres chegaram a ser proibidas de jogar futebol no Brasil de 1941 a 1979.

Quando a seleção brasileira feminina de futebol estrear nos próximos dias pelo mundial da categoria, entrará em campo com ela a sombra das pioneiras do esporte no país, que enfrentaram pobreza, descrença, machismo, ofensas e altas doses de amadorismo para pavimentar a estrada que Formiga e Marta podem trilhar hoje em terras francesas.

Mulheres que foram tachadas de criminosas a atrações circenses exclusivamente pelo desejo de algo tão simples quanto jogar bola.

"Memória é o que você escolhe esquecer, não necessariamente o que você enaltece e quer guardar. Por isso, desde 2015, com a explosão do feminismo no mundo, a gente passou a olhar para essa história de outra forma", diz Daniela Alfonsi, antropóloga e diretora do Museu do Futebol, em São Paulo, que inaugurou em maio a exposição CONTRA-ATAQUE! As Mulheres do Futebol, que reúne material precioso dos primeiros anos e da evolução do esporte no país.

Há registros da prática do esporte entre mulheres desde o começo do século passado, mas foi na década de 1940 que a prática começou a se popularizar entre elas. Tanto que começou a incomodar.

"E, neste crescendo, dentro de um ano é provável que em todo o Brasil estejam organizados uns 200 clubes femininos de futebol, ou seja, 200 núcleos destroçadores de 2.200 futuras mães", escreveu o senhor José Fuzeira em carta endereçada ao então presidente Getúlio Vargas e publicada no jornal Diário da Noite em 7 de maio de 1940.

Num tempo de eugenia e preconceito, ninguém estranhou, em abril do ano seguinte, o Artigo 54 do Decreto-Lei 3.199, que determinava que "às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza". Da mesma forma como também não pareceu estranho a ninguém o fato de ele nunca ter sido efetivamente cumprido.

As senhoras boleiras de Araguari

Eduardo Merege/Museu do Futebol
Imagem: Eduardo Merege/Museu do Futebol

Parte fundamental dessa resistência teve como sede uma cidade mineira quase na fronteira com Goiás. Foi em Araguari que as mulheres futebolistas brilharam em 1958.

Com a intenção de ajudar financeiramente o Grupo Escolar Visconde de Ouro Preto, que passava por dificuldades, o fundador do Araguari Futebol Clube, Ney Montes, convocou pelo rádio meninas interessadas em montar um time de futebol local.

Entre as aprovadas estava Nádima Nascimento, então com 18 anos. "A mulher era educada para ser dona de casa e criar filhos, não tinha outra opção", lembra a hoje costureira, aos 78 anos.

O objetivo original de Ney Montes foi atingido logo no primeiro jogo

"Já na estreia, a renda foi espetacular, encheu de gente para nos ver, e começaram a aparecer convites para jogar em cidades vizinhas", lembra a capitã Zalfa Nader, hoje com 73 anos. Nádima nunca esqueceu dois momentos tensos da trajetória. "Em Goiânia, as pessoas ameaçaram invadir o campo e, em Varginha, o avião, daqueles pequenos, deu uma pane."

Zalfa prefere lembrar do jogo em Belo Horizonte, quando as equipes se apresentaram com as camisas do Atlético e do América da capital. "Quando o Atlético fez gol, as pessoas jogaram chapéus e paletós no campo, de alegria."

O grupo das subversivas senhoras boleiras de Araguari durou cerca de um ano: no fim de 1959, tiveram convite para exibir seus talentos no México mas, por pressões afins, a lei foi cumprida e os times, proibidos.

A proibição acabou oficialmente em 1979, mas a regulamentação do futebol feminino no Brasil só chegou em março de 1983. Entre as regras, jogos de 70 minutos, sem cobrança de ingressos e a inacreditável determinação de que as jogadoras não poderiam trocar de camisa com as adversárias depois da partida.

Essa regra nasceu no ano anterior, quando, em uma uma preliminar feminina no Morumbi antes de São Paulo e Corinthians, a atriz e produtora Ruth Escobar trocou de camisa com outra jogadora.

Também em 1982 entrou em campo o que seria o maior escrete da primeira fase da história do futebol feminino brasileiro. Das areias de Copacabana, a fundação do time do Esporte Clube Radar, fundado em 1981, trazia uma figura fundamental para a primeira década do esporte, o advogado Eurico Lyra Filho.

Apaixonado pelo futebol feminino, Lyra ajudou a regulamentá-lo e, ao mesmo tempo, formou um time imbatível.

O Radar ganhou todas as seis edições da Taça Brasil, primeiro campeonato nacional da categoria, e outros seis campeonatos cariocas.

Mas Eurico era um reflexo do amadorismo da época. Todos os feitos do Radar foram conquistados sem que o dinheiro dos patrocinadores chegasse às jogadoras. Ele tinha fama de dar assistência, se preocupar, ajudar as famílias. Dinheiro, que era bom, nada.

"Ele ajudava muito as meninas, mas, ao mesmo tempo, era uma prática comum na época elas jogarem por uma caixa de cerveja", lembra Suzana Cavalheiro, ex-lateral-direita.

"Não existia para nós a perspectiva de ganhar um salário para jogar futebol naquela época", resume a ex-jogadora do Juventus, que recusou o convite do Radar para terminar a faculdade de Educação Física em São Paulo.

"Às jogadoras sempre foi atribuído um discurso de 'paixão pelo futebol', que contribuiu para manter a falta de profissionalização e de uma devida valorização monetária", pontua Cláudia Kessler, professora da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e doutora em Antropologia Social.

"Quando elas recebiam algo, eram lanches, passagens ou alguma quantia mínima, chamada de 'ajuda de custo'", completa.

Pela paz nos estádios

Ney Montes/Arquivo Pessoal
Imagem: Ney Montes/Arquivo Pessoal

O Radar entrou para a história pela bola e pelas confusões. Só em 1983, primeiro ano da regulamentação, foram duas.

Em julho, na decisão da Taça Brasil, ganhava de cinco a zero no time do Goiás. A três minutos do fim do jogo, um grupo expressivo de jogadoras do time goiano não concordou com uma marcação e agrediu o árbitro, que expulsou o time inteiro.

Três meses mais tarde, a equipe de Copacabana decidiu o primeiro Campeonato Carioca feminino contra o Bangu. Depois de uma vitória pela contagem mínima para cada lado, a decisão foi para um terceiro jogo no estádio Moça Bonita, casa do Bangu.

O Radar abriu a contagem logo no começo, mas, aos 35 minutos do segundo tempo, só o juiz Ricardo Durães não viu a bola bater na mão da zagueira do time de Copacabana dentro da área.

As jogadoras do Bangu partiram para cima dele. Alguns torcedores invadiram o campo e fizeram o mesmo. O falecido patrono do time (e banqueiro do jogo do bicho) Castor de Andrade também correu para cima do árbitro. Sem função originalmente na briga, as jogadoras do Radar partiram para cima das adversárias.

"O Castor de Andrade liberou os seguranças para espancarem o árbitro. Tinha tanto leão-de-chácara naquele dia que os jornais da época brincaram que o estádio do Bangu ia passar a se chamar Coliseu ou Simba Safári", conta Carlos Molinari, jornalista e historiador do Bangu.

"No fim, o Radar venceu por um a zero, o jogo não terminou, todas as jogadoras do Bangu, que ajudaram a surrar o árbitro, foram suspensas e o time se desfez", conclui.

Logo, aquele que foi o primeiro escrete feminino do suburbano carioca a disputar um campeonato oficial foi também seu último. Se não durou muito, o time do Bangu rendeu um mito do esporte: Maria Lucia Lima, a Fia.

Queridinha de Castor de Andrade, que dizem ter ficado impressionado ao vê-la jogar, só não conseguiu uma coisa dele, como revelou em entrevista para o jornal O Globo este ano: jogar descalça, já que não havia chuteira feminina e ela não se adaptava ao calçado tipo Kichute usado pelo time feminino. Com o fim do time do Bangu, Fia foi para o Vasco e esteve nos grupos da seleção em 1988 e 1991.

A primeira seleção do Brasil

Museu do Futebol/Coleção Suzana Cavalheiro
Imagem: Museu do Futebol/Coleção Suzana Cavalheiro

Muito por pressão de Eurico Lyra, a primeira seleção brasileira de futebol feminino foi formada para disputar um torneio experimental na China, em 1988, que serviu de teste para a organização do primeiro mundial da categoria, três anos mais tarde, no mesmo país.

Com doze países na disputa, o Brasil voltou com um honroso terceiro lugar e a certeza de que o amadorismo, no futebol feminino, era mesmo regra.

A campeã foi a Noruega, de quem o nosso selecionado ganhou na fase de grupos e para quem perdeu na semifinal. Se, dentro de campo, o futebol era algo equivalente, fora as coisas não poderiam ser mais diferentes.

"As norueguesas tinham um kit de primeiros socorros que era fantástico, a gente não tinha nem um comprimido para cuidar do fígado", lembra Suzana Cavalheiro.

As dificuldades apareceram na preparação, no Rio. "A gente comia numa instalação militar, e a comida era insuficiente em termos de nutrientes para atletas", recorda Suzana, que fez parte do grupo.

"A gente treinava em dois períodos e ainda lavava a própria roupa, porque cada uma só tinha dois jogos de uniforme."

O uniforme, por sinal era (e foi durante décadas) o que sobrava do material masculino. Quando foi marcada uma apresentação da seleção feminina no Maracanã antes de um Fla-Flu, em 1988, a vaidade falou mais alto.

"Eles deram um agasalho com uma boca de sino deste tamanho, horrível, a gente não queria entrar com aquilo. Aí a Cebola ensinou um pontinho simples e todo mundo fez", conta Suzana.

Não à toa, uma das peças em exposição no Museu do Futebol é a camisa da seleção que Marcia Honório usou em 1988, ao lado de outros três uniformes, entre eles o do Mundial de 2019 - o primeiro a ser vendido no varejo e a ser feito sob medida para elas, por incrível que pareça.

'Remember the time'

'A gente treinava em dois períodos e ainda lavava a própria roupa, porque cada uma só tinha dois jogos de uniforme', recorda Suzana - Museu do Futebol / Coleção Suzana Cavalheiro
'A gente treinava em dois períodos e ainda lavava a própria roupa, porque cada uma só tinha dois jogos de uniforme', recorda Suzana
Imagem: Museu do Futebol / Coleção Suzana Cavalheiro

Nos anos 90, o Radar havia encerrado as atividades. Ainda assim, a vida das mulheres que jogavam futebol melhorou um pouco. Mas só um pouco.

"Como havia poucas equipes femininas, eu comecei jogando com os meninos. Só aos 14 anos que fui fazer uma avaliação no Saad, que foi o que me direcionou para o que me tornei hoje", lembra Emily Lima, ex-jogadora e atual treinadora das Sereias da Vila, time de futebol feminino do Santos, que começou a carreira quando o esporte já tinha uma década de regulamentação no país.

O Saad era um clube originário de São Caetano (SP) que montou seu time de futebol feminino em 1985 e teve destaque na categoria.

"Houve dificuldades, claro, mas só fui viver uma situação negativa que me marcou de fato na seleção, quando tive resultados que não eram tão ruins quanto os de hoje e fui mandada embora por ser mulher", diz a primeira (e única) mulher a dirigir o time nacional feminino, que permaneceu dez meses no cargo, entre 2016 e 2017.

Como jogadora, ela saiu do Saad para o São Paulo em 1997, onde encontrou uma estrutura que já apontava novos caminhos.

"No São Paulo a gente tinha uma casa como alojamento, um centro de treinamento só para a gente, eu nunca tinha vivido aquilo como atleta", conta a treinadora, que lembra, entre outras, de Sissi como uma das jogadoras que a inspiraram no começo da carreira.

"Ela poderia ter sido melhor do mundo, com toda certeza."

Parece exagero, mas só parece. Sissi foi a primeira camisa 10 da seleção feminina, de fato e de direito. Ela já estava naquele time de 1988, mas brilhou mesmo na década seguinte.

A menina do interior da Bahia, que arrancava a cabeça das bonecas para usar como bola, fez um dos gols mais bonitos da história dos mundiais, em 1999 nos Estados Unidos. Bonito e útil: foi o "gol de ouro" contra a Nigéria que levou o Brasil às semifinais da competição, da qual o país sairia com o bronze e ela, como uma das artilheiras.

"Depois da Era Telê (Santana), o São Paulo estava vivendo uma seca de títulos quando, em 1997, montou uma equipe feminina e contratou a Sissi", recorda Arnaldo Ribeiro, chefe de redação dos canais ESPN.

"Como o time masculino passou a colecionar vexames, era comum a torcida gritar 'Sissi, Sissi' durante os jogos, pedindo a camisa 10 para o lugar de Souza, Dodô e companhia", conta o jornalista.

Aquele momento ainda apresentou ao país o talento de Mariléia dos Santos, a mulher que fez mais gols que Pelé (1.574) e brilhou sob a alcunha de um apelido dado pelo falecido locutor (e entusiasta do futebol feminino) Luciano do Valle: Michael Jackson. A nossa "rainha do pop" brilhou no Saad e no Torino, da Itália.

"Marcar a Michael Jackson era triste, em meio metro ela fazia miséria", lembra Suzana Cavalheiro.

Michael estava no grupo que disputou as primeiras Olimpíadas da modalidade, em 1996, e viveu uma situação bizarra.

"Uma coisa que me chamou a atenção na pesquisa para a exposição foi o fato de que a CBF mandou a seleção feminina para Atenas com as passagens de volta compradas para o fim da primeira fase", conta Daniela Alfonsi.

"As meninas seguiram na competição, chegaram até as semifinais e o prêmio delas foi poder voltar no avião exclusivo do time masculino."

Ou seja, as coisas haviam melhorado, mas só um pouco.

Abrindo novos caminhos

Aos 52 anos, Sisleide do Amor Lima, a Sissi, hoje trabalha como técnica de um time de base nos Estados Unidos. Ela integrou o time profissional do Vasco e chegou a enfrentar uma certa Marta quando jogava contra meninas das categorias de base. Aquela mesma que esquentou o banco do cruz-maltino para Fia, a jogadora que encantou Castor de Andrade.

Michael Jackson, quando parou de jogar, foi coordenar o futebol feminino no Ministério dos Esportes, hoje rebaixado a secretaria, para ajudar a pavimentar o caminho das meninas que cresceram já inspiradas pelo protagonismo de Marta.

Quando entrar em campo na França este mês, no mundial da categoria, a jogadora eleita cinco vezes melhor do mundo, que levou o futebol feminino brasileiro a um outro patamar quando apareceu, em 2000, vai carregar o peso do legado das ex-colegas, que abriram o caminho com muito sacrifício.

"Em grande medida, as adversidades vividas por essas jogadoras foram tanto de ordem material como cultural. Algumas deixaram de estudar para se dedicar ao futebol e agora estão no mercado informal de trabalho, com vidas precárias", avalia Cláudia Kessler.

"Nas crises, a gente se sobressai. No meio de tantas dificuldades, aquelas meninas tinham mais bola", compara Lu Castro, jornalista especializada em futebol de mulheres.

"Além disso, estamos há treze anos falando de Marta. Precisamos colocar outros nomes na boca do povo, enaltecer as jogadoras que estão chegando, fazer com que outras se sobressaiam como ela", ressalta. De qualquer forma, o futebol praticado pelas mulheres caminhou para que hoje possa oferecer uma outra visão de país. Ou seja, a saga das pioneiras valeu a pena.

"A ideia de que o time masculino brasileiro representa a nação surge com o primeiro título sul-americano, em 1919. Há uma construção de que a seleção brasileira é o país e ela está toda baseada no futebol masculino", analisa Daniela Alfonsi.

"A seleção feminina talvez abra a possibilidade de olhar para um outro país, que não é o que a gente está acostumado a ver, do oba-oba, dos noventa milhões em ação, mas que também é o Brasil."

Universa em Campo