Mais próximo do amor e mais longe da solidão

Eliane Alves Cruz | Por Helton Simões Gomes e Ismael dos Anjos

O exame de DNA se popularizou. Mais barato e fácil de fazer, ele virou uma importante ferramenta para resgatar a ancestralidade negra do povo brasileiro. Tilt propôs, e 20 personalidades toparam fazer o teste e olhar para essa cicatriz histórica gerada pela escravidão no Brasil (veja abaixo). Se você quer entender o papel da ferramenta genética e como o Estado brasileiro moeu memórias, leia o texto "Quando o DNA diz de onde vim", que dá início ao projeto documental Origens. Agora, é hora de elas contarem o que descobriram e de onde vieram. Com a palavra, Eliana Alves Cruz:

Só temos empatia com o que, minimamente, sabemos. Saber que você descende de um povo te aproxima dele, dá um quentinho no coração

Este é um capítulo da série

Origens

Quem não sabe de onde veio não sabe para onde vai?

A escritora Eliana Alves Cruz, 54, alcançou um feito impossível para a maioria dos negros brasileiros: não só traçou sua árvore genealógica com muitos detalhes, a partir de informações garimpadas em documentos, cartórios e bibliotecas, como contou a história da família no romance "Água de Barrela". Agora, no projeto "Origens" (veja mais no documentário), ela viu a tecnologia confirmar no seu DNA a ancestralidade africana que desencavou a duras penas.

"Temos tanta certeza de que não vamos achar nada e de que o passado está apagado que nem perguntamos. A minha família, quando viu que meu interesse em escrever era sério, começou a abrir baús: 'tem isso aqui, isso aqui...' As pessoas sabem que aquilo tem valor, mas não dão crédito. Duvidamos de nós e dos nossos, porque, além dos apagamentos, fomos tirados desse lugar de produção de conhecimento e ciência", acredita.

Agora ligue o som, no canto superior direito.

A família de Eliana veio do Recôncavo da Bahia para o Rio de Janeiro antes de ela nascer. Num quintal acolhedor de Realengo, bairro da zona oeste, sentada no jardim cravado de pés de abacate e manga, cresceu ouvindo as histórias do avô comunista e vendo de perto o trabalho incessante da avó costureira. Ainda menina, mudou para Madureira, na zona norte. Até aí, sua família negra não causava espanto: "Éramos parte da paisagem".

Foi a transferência para a Tijuca, bairro de classe média, que fez tudo mudar. Dessa época, ela lembra especialmente de um episódio de racismo na escola que evidenciou a "violência que é estar num ambiente em que seu corpo não é naturalizado e é hostilizado". "Até hoje tenho lapsos de memória muito grandes. Foi algum mecanismo psicológico que arrumei por questão de sobrevivência. A gente aprende a conviver, mas fica lá nas cicatrizes e, inconscientemente, no que fazemos", conta.

Advogado, o pai preparava os filhos dentro de casa: "Vocês não pertencem a este lugar. Este lugar detesta vocês, então aprendam a sobreviver nele. Entenda que tudo vai ser feito para que você não continue aqui". Soava a profecia. Além das violências físicas, passou a ser constantemente diminuída por professores. A menina expansiva minguou.

"Até você entender que não é burra, não é essa pessoa horrorosa... A menina preta cresce achando isso. Hoje olho minhas fotos e falo: 'como eu era bonita, se soubesse disso antes'. Mas não tinha como saber, porque o mundo dava outra informação", diz. "Eu estaria mais empoderada [se soubesse da origem antes], porque isso [ausência de informações] vem com uma chaga enorme de autoestima."

Também foi com o pai que Eliana aprendeu a ocupar espaços historicamente vetados a negros e criou apego à sua ancestralidade. "Precisamos ocupar espaços, mas ocupar como, com que discurso, com que finalidade? Temos que dar um passinho à frente", explica. Isso a motivou a trazer para seus livros lugares importantes na história dos negros no Brasil.

No romance "O Crime no Cais do Valongo", ela jogou luz no único vestígio da chegada de africanos escravizados ao Rio de Janeiro. "Para botar no mapa, como ficção mesmo, de situar no imaginário brasileiro e dar a minha contribuição", afirma. "Quando a gente traz essas histórias [do Cais do Valongo], meio que devolve cidadania e sepulta de novo com toda pompa e circunstâncias que essas pessoas merecem."

"Água de Barrela" é um trabalho de vida toda que serve para construir um passado para seus familiares em forma de livro. Todos ajudaram, mas sem a tia-avó Anolina nada teria sido igual. Tia Nunu, conta a escritora, funcionou como uma "tradutora do nosso passado", dando pedacinhos da história e a direção dos lugares.

"Ela foi diagnosticada com esquizofrenia e lembra muito. Me deu a história real, porque não tem a autocensura que as outras pessoas tinham", explica. "Precisei estudar essa doença para poder conversar sem fazê-la sofrer, mas pude aferir a veracidade das coisas que ela contou com documentos e completar as informações com pesquisa."

"Foi fascinante observar isso: a ciência diz que ela não é capaz, mas ela me conta uma história e essa mesma ciência comprova que ela está certa. Quando um exame de DNA me diz que sou 90% africana e 70% da região da onde ela me falou que eu vim, a ciência está se contradizendo."

Esse trabalho de pesquisa e registro também tem ajudado a preencher lacunas de outras pessoas. "É uma sensação muito boa, porque eu sempre cresci com essa coisa: 'está faltando algo'. E isso te joga no vazio, como se você estivesse largado."

"Assim como muitos foram referências para mim, sou referência para várias pessoas, muitas meninas. É lindo, para além da vaidade. A gente deveria achar natural: você é mais velha, óbvio, precisa influenciar. Se não, para que serviu sua vida? É uma costura de preservação da memória."

Depois de registrar a história da família em livro e esmiuçar seu DNA publicamente, Eliana diz ter mais satisfação que medo de expôr dados tão íntimos. "Somos tão invadidos todos os dias, por tanta coisa. Esse é um conhecimento importante para mim", explica. Ela brinca e diz que mapear a origem genética do povo negro poderia até ser uma política de ressarcimento. "Exame de DNA para todo mundo!"

"Foi um sentimento de alívio, confirmação, alegria e pertencimento quando recebi o resultado. Só temos empatia com o que, minimamente, sabemos. E saber que você descende de um povo te aproxima dele, te faz mais próximo do amor e mais longe da solidão. É um encontro afetuoso, dá um quentinho no coração."

A escritora acredita que viveu na pele os impactos que a falta de uma base ancestral causa na vida de uma criança. Ela percebe a diferença nos próprios filhos, que receberam a bagagem já mastigadinha. "[O filho] tatuou o mapa da África e botou uma rosa dos ventos bem na região de onde viemos. Fiquei bem emocionada, é sinal de que o trabalho está feito", conta. "E deu um certo alívio, porque ele já se entende como homem negro. Por que ele tem isso? Porque fizemos um resgate familiar e em grupo."

"A diáspora se espalhando e nós tecendo uma costura enorme. Seria lindo se outras pessoas escrevessem suas histórias, imagina quantas conexões teríamos? Amplia demais, cria uma força. Estou sofrendo isso tudo, mas tem uma multidão comigo, não estou sozinha. Passou da hora de nos apossarmos da palavra amor."

Este é um capítulo da série

Origens

Quem não sabe de onde veio não sabe para onde vai?

Testes de DNA:

  • Como o teste é feito: o DNA é coletado pela própria pessoa que esfrega uma haste flexível com algodão na parte de dentro da bochecha. Na sequência, este material deve ser enviado para a empresa;
  • O que o teste mostra: As empresas fornecem detalhes da ancestralidade, que pode retroceder de cinco a oito gerações, e pode mostrar a linhagem de pai e mãe ou até busca de parentes;
  • Quem oferece no Brasil: Genera, meuDNA (Mendelics) e MyHeritage;
  • Quanto custa: os testes variam de R$ 200 a R$ 500.

Publicado em 28 de abril de 2021.

Reportagem: Helton Simões Gomes e Lola Ferreira

Coordenação e Edição: Fabiana Uchinaka e Helton Simões Gomes

Produção: Barbara Therrie

Arte: Deborah Faleiros

Fotos: Keiny Andrade