PUBLICIDADE
Topo

Quer um celular com bom custo-benefício? Dá uma olhada nestes aparelhos

Getty Images
Imagem: Getty Images

Thiago Varella

Colaboração para Tilt

18/11/2020 04h00

Se você deseja ter um celular que tire boas fotos com diversas câmeras, não trave, que aguente rodar a maioria dos jogos e que tenha uma bateria que dure, não tem jeito, vai ter que investir um dinheiro considerável. Quanto mais você puder/quiser gastar, maior será a chance de ter em suas mãos um bom aparelho. Agora, sabemos que a realidade da maioria das pessoas é a de um orçamento apertado. Por isso vamos ajudar.

Tilt separou alguns modelos de celular com um bom custo-benefício. Existem alguns mais básicos (e mais baratos) e outros mais avançados (e mais caros), com direito até a top de linha de 2019 (que ainda continua bom). Tudo o que você precisa fazer é listar as suas prioridades quando imagina o celular ideal.

Quero um celular com bateria que dure muito ou prefiro mais ter um aparelho que tenha como destaque as suas câmeras? Quero usar o celular para jogar games avançados ou estará ótimo ter um telefone que é bom para redes sociais, internet e coisas mais básicas? Essas são algumas perguntas que devem estar em sua mente.

E vale muito a reflexão: a gente usa os celulares para tanta coisa hoje em dia, que às vezes é até melhor esperar um pouco mais para comprar um aparelho novo. Enquanto isso, é possível guardar mais dinheiro para investir em um smartphone melhor. É mais seguro do que pagar barato e ficar na mão.

Acompanhar alterações de preços e caçar ofertas também é outra dica valiosa. A Black Friday se aproxima e pode ser uma oportunidade de você conseguir um bom negócio.

Confira a seguir os destaques da lista de Tilt. Todos os celulares foram testados por nossa equipe e tiveram quedas significativas em seus preços após os lançamentos:

Galaxy A51

Samsung Galaxy A51 - Divulgação - Divulgação
Samsung Galaxy A51
Imagem: Divulgação

Este é um dos celulares mais vendidos do mundo e não é um top de linha. Ou seja, tem alguma coisa nele que vale a pena. E eu chuto as suas configurações x preço.

Tilt já testou o Galaxy A51, lançado neste ano, e os pontos positivos foram para o visual, câmera e ótima tela.

O design, no geral, lembra muito o de celulares top de linha. Ele é um aparelho grande em mãos, mas ao mesmo tempo é esguio, o que ajuda na usabilidade. Na frente, o estilo adotado pelo modelo é do furo na tela centralizado e diminuto para a câmera frontal.

As câmeras trazem versatilidade. São quatro traseiras (uma principal, uma grande angular, uma de profundidade e uma lente macro) e diversos modos de fotografar. As fotos têm boa qualidade.

A câmera de selfie tem uma resolução de 32 MP e funciona bem em ambientes iluminados— o ponto negativo fica só pelos resultados de fotos à noite.

A bateria de 4.000 mAh do aparelho garante um dia inteiro de uso longe da tomada, com um pouco de sobra para o dia seguinte. Ou seja, tem um resultado satisfatório e não deve deixar ninguém na mão.

Talvez o grande aspecto negativo do A51 seja o desempenho. O celular não chega a travar, mas durante os nossos testes deu umas engasgadas com alguns aplicativos. Claro que, é bom lembrar, estamos falando de um celular intermediário.

Ele foi lançado por R$ 2.199. Mas o custo-benefício ganha agora. É possível encontrar o Galaxy A51 a partir de R$ 1.619.

Ficha técnica: Galaxy A51
Tela: 6,5 polegadas, Super Amoled, Full HD+
Sistema operacional: Android 10
Processador: Exynos 9611 octacore
Memória: 128 GB de armazenamento; e 4 GB de RAM
Câmeras: traseira quádrupla (48 MP, 12 MP, 5 MP e 5 MP); e frontal de 32 MP
Bateria: 4.000 mAh

Redmi Note 9

Xiaomi Redmi Note 9 - Divulgação - Divulgação
Xiaomi Redmi Note 9
Imagem: Divulgação

A Xiaomi é conhecida do consumidor brasileiro por fazer celulares poderosos a preços mais competitivos do que os da concorrência.

Na contramão dessa lógica, a empresa lançou Redmi Note 9, um smartphone intermediário com algumas características de top de linha, por R$ 2.699, um valor muito acima da média do que vinha praticando.

A vantagem é que, meses após o seu lançamento, o preço do aparelho caiu bastante e pode ser encontrado facilmente em marketplaces. Por isso, ele merece destaque nessa lista.

Entre os pontos altos do celular estão a câmera, a bateria e a tela.

O smartphone traz câmeras quádruplas na parte traseira, sendo um sensor grande angular (8 MP), um macro (2 MP), um de profundidade (2 MP) e um principal (48 MP).

Em relação à bateria, a autonomia é alta. O aparelho vem com um modelo de 5.020 mAh, que aguenta até dois dias de uso moderado.

A tela de 6,5 polegadas é ampla, com um tamanho ideal para assistir vídeos e fazer reuniões. O problema é que isso torna o celular grande e um pouco desconfortável de segurar.

O desempenho fica na média, com um pouco de lentidão, podendo até mesmo travar de vez em quando. Mas nada grave. Encontramos o Redmi Note 9 por a partir de R$ 1.355.

Ficha técnica: Redmi Note 9
Tela: 6,5 polegadas, LCD IPS, Full HD+
Sistema operacional: Android 10
Processador: MediaTek Helio G85
Memória: 64 GB ou 128 GB de armazenamento; e 3 GB ou 4 GB de RAM
Câmeras: traseira de 48 MP (principal), 8 MP (grande angular), 2 MP (sensor macro) 2 MP (teleobjetiva e sensor de profundidade); e frontal de 13 MP
Bateria: 5.020 mAh

Moto G8 Plus

Moto G8 Plus - Divulgação - Divulgação
Moto G8 Plus
Imagem: Divulgação

A linha Moto G faz muito sucesso no Brasil justamente por não estar entre os celulares mais caros e por apresentar características bem interessantes. Ou seja, é um smartphone bom de custo-benefício.

A linha Moto G8 foi lançada em 2019, mas ela ainda possui modelos que merecem destaque, ainda mais pelo fato de que os preços caíram bastante em comparação aos valores de lançamento.

O Moto G8 Plus é um deles. Um dos aspectos mais positivos é a bateria de 4.000 mAh que, no dia a dia, parece ter uma capacidade muito maior. É perfeitamente possível fazer um uso intenso do smartphone e a carga durar mais. Nos testes feitos por Tilt, ela durou quase dois dias completos.

A tela de 6,3 polegadas, resolução Full HD+ e tecnologia LCD é boa para vídeos e qualquer outro tipo de atividades.

A câmera de selfie de 25 MP funciona muito bem em ambientes com luz e a traseira tem três sensores. Dois deles, o de 48 MP (principal) e 5 MP (profundidade), são usados para fotos. A outra lente, de 16 MP, serve para gravar vídeos na horizontal enquanto você segura o celular na vertical.

O desempenho do G8 Plus é que é o ponto fraco deste celular. Não é que trave, mas tarefas simples, muitas vezes, apresentam uma certa lentidão, como trocar de um app para outro ou girar o conteúdo exibido na tela da vertical para a horizontal. Nada que inviabilize o seu uso, mas pode incomodar.

Para estar nesta lista, o preço tem que ser acessível. O Moto G8 Plus foi lançado por R$ 1.699. Hoje, é possível encontrá-lo por partir de R$ 1.149.

Ficha técnica: Moto G8
Tela: 6,3 polegadas, LCD, Full HD+
Sistema operacional: Android 9 Pie
Processador: Snapdragon 655 2 GHz
Memória: 64 GB de armazenamento; e 4 GB de RAM
Câmeras: traseira de 48 MP (principal), 5 MP (profundidade) e 16 MP (câmera de ação); e frontal de 25 MP
Bateria: 4.000 mAh

Moto One Hyper

Motorola One Hyper - Reprodução - Reprodução
Motorola One Hyper
Imagem: Reprodução

O Moto One Hyper também é de 2019, mas o formato inovador da tela (sem entalhes) e câmera de selfie (retrátil) fazem do aparelho uma opção para quem quer um celular com recursos interessante e visual "diferentão". E o melhor: o preço também caiu bastante em relação ao seu lançamento.

O modelo foi lançado por R$ 2.499. Hoje, encontramos por R$ 1.509.

A tela de 6,5 polegadas (16,5 cm) do One Hyper tem poucas bordas graças à tecnologia adotada para abrigar a câmera de selfie, que fica em um módulo motorizado no canto. Esse motor só mostra a câmera quando ela é acionada.

A experiência de assistir a vídeos, trabalhar e jogar é bem interessante. A bateria é de 4.000 mAh e deve durar um dia com um uso moderado. Ele vem com carregador rápido, o que pode ser útil em dias de emergência. Em cerca de 1h ele vai de 0% a 100% de bateria.

A câmera de selfie tem 32 MP de resolução e as fotos ficam com ótima qualidade. Do lado de trás, ele tem um sensor principal de 64 MP e outro grande angular de 8 MP. Os resultados são muito bons para a categoria.

O desempenho do aparelho não chega a ser ótimo, mas é satisfatório para o uso do dia a dia e alguns jogos mais leves. No caso do Fortnite, Asphalt 9 e Call of Duty, por exemplo, os gráficos podem ocasionar quedas de quadros por segundo. Alguns aplicativos podem demorar um pouco para carregar, mas nada que impeça o seu uso.

Algumas ressalvas ficam por conta do peso e pela dificuldade de usá-lo se você tem mãos pequenas, já que ele não é pequeno.

Ficha técnica: Motorola One Hyper

Tela: 6,5 polegadas, Full HD+ e IPS
Sistema operacional: Android 10
Processador: Snapdragon 675
Memória: 4 GB de RAM, 128 GB de armazenamento
Câmera: traseira de 64 MP (principal) e 8 MP (grande-angular) e frontal pop-up de 32 MP
Bateria: 4.000 mAh

Samsung Galaxy S10e

Samsung Galaxy S10e - Divulgação - Divulgação
Samsung Galaxy s10e
Imagem: Divulgação

E que tal comprar um top de linha, mas do ano passado? O Galaxy S10e pode ser uma boa pedida. O celular, lançado para ser uma versão um pouco mais barata do S10, ainda é um excelente aparelho.

O modelo chegou ao Brasil no começo de 2019 por R$ 4.299. Agora, já pode ser encontrado por menos da metade.

O design é bem compacto e a tela, com 5,8 polegadas, não é das maiores, mas dá bem conta do recado. As câmeras são muito boas.

Por mais que não tenha câmeras triplas, o conjunto com duas lentes (12 MP e 16 MP), com direito a uma grande angular, tira fotos incríveis, dignas de um top de linha. A câmera de selfie tem 10 MP de resolução e também é muito boa.

Se até agora, o problema dos celulares anteriores foi o desempenho, aqui isso não vai ser uma questão. Os aplicativos rodam tranquilamente, sem travar. Até mesmo jogos que exigem bastante do hardware do celular vão rodar lisinho. Por isso, se você curte usar o celular para games, ele pode ser o mais adequado.

A bateria também é bem decente, de 3.100 mAh, e deve aguentar um dia inteiro sem muitos problemas.

É impressionante como o preço de um smartphone pode despencar de um ano para o outro. Se no lançamento era quase impossível achar um S10e por menos de R$ 4 mil, agora já dá para encontrar o telefone a partir de cerca de R$ 1.989.

Ficha técnica: Samsung Galaxy S10e
Tela: 5,8 polegadas Full HD+ Amoled
Sistema operacional: Android 10
Processador: Exynos 9820
Memória: 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento (com espaço para microSD de até 512 GB)
Câmeras: traseira dupla (principal 12 MP + grande angular de 16 MP) e frontal (10 MP)
Bateria: 3.100 mAh