PUBLICIDADE
Topo

Apple TV e Roku: o futuro da televisão está aqui (ou quase)

<a href="http://tecnologia.uol.com.br/mundo-apple/ultimas-noticias/2010/09/01/nova-apple-tv-aposta-no-aluguel-de-conteudo-via-internet-com-preco-inicial-de-us-099.jhtm" target="_blank">Steve Jobs segura a nova Apple TV, que aluga conteúdo via internet com a partir de US$ 0,99</a>  - Justin Sullivan/Getty Images/AF
<a href="http://tecnologia.uol.com.br/mundo-apple/ultimas-noticias/2010/09/01/nova-apple-tv-aposta-no-aluguel-de-conteudo-via-internet-com-preco-inicial-de-us-099.jhtm" target="_blank">Steve Jobs segura a nova Apple TV, que aluga conteúdo via internet com a partir de US$ 0,99</a> Imagem: Justin Sullivan/Getty Images/AF

David Pogue

Do New York Times

08/10/2010 11h45

Os norte-americanos costumavam se reunir em frente aos seus televisores, digamos, às 20h nas quintas-feiras e sintonizar o canal 3: o país inteiro tinha um laço cultural comum.

O lado negativo: todo mundo tinha que se reunir às quintas às 20h.

A exigência que toda a população assistisse aos mesmos programas ao mesmo tempo evaporou-se com o avanço da tecnologia. Mas o que vai substituir o velho sistema? Poderemos contratar apenas os canais que queremos? Pagaremos por episódio? A Internet vai se tornar o novo sistema de distribuição?

Nesta altura, a televisão do futuro ainda está meio vaga, meio no ar. Mas já existe uma diversidade de opções de televisão por demanda na forma de aparelhos (daqueles que ficavam em cima do televisor, o que se tornou impossível com as telas planas).

Só nesta semana, estrearam dois aparelhos: Apple TV e Roku. Os dois são baratos e semi-acabados – mas podem ser portais para um novo futuro da televisão “a la carte”.

O novo aparelho da Apple TV (US$ 100, cerca de R$ 170) é uma pequenina caixa preta brilhosa, de 3 cm de altura. Vem inteligentemente embrulhada com seu lindo controle remoto de alumínio e seu fio preto enrolado envolvido em uma minúscula caixa de papelão de 12 cm.

A Apple TV funciona somente com televisores de alta definição e se conecta por um cabo HDMI (não incluído). Ela se conecta com sua rede doméstica e portanto à Internet, seja por uma rede Wi-Fi ou via cabo Ethernet.

Seu menu principal oferece quatro escolhas:

  • Robert Galbraith/Reuters

    Imagem mostra diferença de tamanho da nova da Apple TV, quatro vezes menor que a antiga

Filmes: A Apple TV não vem mais com disco rígido, então você não pode baixar filmes e guardá-los. Só o que você pode fazer é “alugar” – pagar US$ 4 ou US$ 5 e assisti-los enquanto baixam da Internet.

Todas as restrições estúpidas de sempre continuam. Você tem que acabar de assistir em um prazo de 24 horas após começar. Você tem que começar a assistir em até 30 dias. Nem todos os filmes estão disponíveis e, mesmo depois de surgirem podem desaparecer novamente por seis a nove meses durante a “janela da HBO”, como chama a indústria.

Tudo isso faz você se perguntar se alguém na Apple TV tem filhos. As crianças assistem os filmes várias vezes – o que você vai fazer, alugar o mesmo filme duas vezes por semana? (Você ainda pode comprar os filmes pela Apple, mas tem um problema; continue lendo). Além disso, para dormirem cedo, muitas vezes têm que terminar de assistir um filme na noite seguinte, o que a janela de 24 horas torna impossível. Será que realmente ia prejudicar as finanças dos estúdios se dessem a você dois dias para assistir um filme?

A Apple anuncia que os filmes são oferecidos no mesmo dia em que são lançados em DVD. Isso é ótimo, pois até recentemente você tinha que esperar 30 dias antes desses filmes serem disponibilizados online. Mas atenção: a Apple está falando sobre comprar filmes e não alugar pela Apple TV. Você não vai achar “Homem de Ferro 2”, “Karatê Kid”, “Zumbilândia” ou “Príncipe da Pérsia” para alugar na Apple TV, apesar de terem saído em DVD.

A qualidade dos filmes é incrível. Talvez seja preciso esperar um minuto ou dois para baixar o suficiente do filme antes de ele começar a passar.

Shows de televisão: É aqui onde a balança começa realmente a pesar: US$ 1 por programa, sob encomenda. Imagine: você não precisa de televisão a cabo. Não precisa de canais. Não precisa de TiVo. Qualquer programa, qualquer hora, por um preço razoável. Se qualquer ideia jamais tivesse “futuro” escrito na testa, seria essa.

Infelizmente, o futuro exige a participação das redes de televisão, e poucas delas estão jogando bola com a Apple. Você pode escolher certos programas da ABC/Disney, Fox e BBC – mas a seleção é bem fraca. Atualmente, a televisão sob demanda por US$ 1 é uma ideia brilhante em busca de executivos de estúdios com visão.

Internet: Aqui você tem acesso a vídeos de YouTube, rádio de Internet (uma joia escondida), galerias de fotos do Flickr ou MobileMe e filmes sob demanda da Netflix.

Esta possibilidade – de assistir a qualquer um dos 12.000 filmes da Netflix a qualquer momento –é de fato um grande avanço. É gratuita e ilimitada, se você tiver uma conta de DVD por correio da Netflix. Essa característica existe em muitos aparelhos de DVD ou câmeras de vídeo, mas antes você ainda tem que escolher os filmes em um computador. Na Apple TV, porém, você pode escolher o filme e assisti-lo, tudo dentro das telas de menu atraentes da Apple.

Computadores: A Apple TV pode passar as fotos, músicas e vídeos que estão nos computadores da sua casa – desde que tenham o software iTunes.

Isso é uma forma de superar as limitações de filmes e catálogos de televisão da Apple TV. No seu computador, você pode alugar e comprar filmes e programas de televisão de dezenas de redes. Tudo isso então fica disponível para ser assistido pela Apple TV, desde que o computador no qual você tenha comprado o programa esteja ligado.

Confuso? Sim.

A característica mais legal da Apple TV é a AirPlay, que permite que você envie vídeos de seu iPhone, iPod Touch ou iPad para sua tela de televisão. Pode ser útil se você estiver assistindo um programa no avião, chegar em casa e assistir o final excitante na tela grande. Infelizmente, a Apple diz que essa característica só ficará pronta no mês que vem.

Se existe um caso clássico do jeito Apple contra o jeito Aberto, este é o do rival da Apple TV, Roku Box. Produto da Apple: bonito, simples, controlado, uniformemente polido. Produto aberto: expansível, ilimitado, caótico, desengonçado, qualidade irregular. (veja também: iPhone contra Android, Mac contra PC.)

  • Mark Lennihan/AP

    O aparelho da Roku (US$ 60 ou até US$ 100 para mais portas) é uma caixa de plástico maior e mais feia. Funciona tanto com HD quanto com TV padrão

Concorrente "maior e mais feio"

O aparelho da Roku (US$ 60 ou até US$ 100 para mais portas) é uma caixa de plástico maior e mais feia. Funciona tanto com alta definição quanto com televisão padrão. Programadores independentes podem criar “canais” fora dela –algo como aplicativos- que entregam vídeos da Web para a sua televisão. Há 85 no momento.

Alguns que você já ouviu falar: Netflix, Pandora, Liga de Beisebol (por uma taxa). A maior parte você não ouviu falar: Blubrry, UppTV, Hmz Network, Roxwel.

Para instalar cada uma dessas “redes” é preciso visitar um site e digitar um código que aparece na sua tela de TV. Depois disso, você estará no céu dos vídeos da Web. Estranhamente, o YouTube não é um dos canais disponíveis. A empresa diz que há uma forma de consegui-lo, mas como não está no catálogo, o cliente médio nunca vai saber disso. (O mesmo acontece com o acesso à música e aos vídeos de seus computadores domésticos. É possível, mas não é publicado nem programado.)

A caixa Roku permite que você alugue ou compre filmes, graças a sua integração com a loja de vídeo da Amazon. Assim, você pode comprar os mesmos programas de US$ 1 da ABC/Disney, Fox e BBC. Neste caso, porém, você compra o programa em vez de alugá-lo, ou seja, você pode assisti-lo quantas vezes quiser. A Apple diz que a Amazon pode oferecer isso apenas porque está assumindo uma perda em cada programa que vende – um modelo empresarial insustentável. Bem, não importa; se você quer comprar ou alugar filmes e programas de televisão, a Amazon supera a Apple. (Você não gostaria que a Apple tivesse mais força de negociação com os estúdios?)

Então, aqui estamos, no alvorecer da nova era de televisão sob demanda, com várias empresas concorrendo pela liderança –as primeiras caixas de televisão da Google estão a caminho- e terminando com aparelhos confusos, mal estocados e que ainda não chegaram lá. Você pode escolher a experiência impressionante, mas limitada da Apple; você pode ter a seleção muito maior de material irregular da Roku; ou pode esperar um pouco até que as peças estejam se encaixando melhor. O futuro da TV certamente está a caminho, mas não há razão urgente para se atrelar a um ponto da concorrência.