PUBLICIDADE

Topo

PewDiePie se envolve em mais uma polêmica após usar palavra racista

Do UOL, em São Paulo

11/09/2017 11h27

Durante uma transmissão de "PlayerUnknown's Battlegrounds", o youtuber Felix Kjellberg, o PewDiePie, acabou criando mais uma polêmica. Desta vez, em um momento de raiva, ele disse uma frase com a palavra "nigger" em meio a outros palavrões: "What a motherfucking nigger, sorry but what the fuck" (ou "Que crioulo filho da p..., desculpa, mas que p...").

ACOMPANHE UOL JOGOS NO YOUTUBE!

Para quem não sabe, o uso dessa palavra remete ao período de escravidão de negros nos Estados Unidos e, no país, é considerada pesada e extremamente racista a ponto de se referirem a ela como "n-word". 

Além de enfrentar críticas pela declaração racista, PewDiePie também despertou a ira de pessoas relacionadas à indústria de games. Uma delas foi Sean Vanaman, diretor do estúdio indie Campo Santo Games, empresa responsável pelo game "Firewatch". Via Twitter, ele fez uma série de declarações contundentes sobre o tema.

Basicamente, ele afirma que ele declarou que essa atitude do youtuber foi uma espécie de "gota-d'água" e que a empresa entrará com um processo de direitos autorais em vídeos gravados pelo youtuber contendo seus jogos, já que ele considera que ter vídeos associados a PewDiePie, é, de certa forma, endossar seus comentários.

Um vídeo de "Firewatch" gravado por PewDiePie foi visto por 5,7 milhões de pessoas.

Além disso, segundo Vanaman, a Campo Santo Games se certificará que nenhum outro game seu apareça no canal de PewDiePie.

Por fim, Vanaman ainda diz que está "cansado desse moleque tendo mais e mais chances de ganhar dinheiro com o que produzidmos" e que ele é pior do que um "racista enrustido" por propagar lixo que faz um dano real à cultura que cerca a indústria de games. Vanaman ainda convoca outras empresas e produtores a tomarem a mesma ação.

Passado conturbado

Não é a primeira vez no ano que PewDiePie se envolve em uma situação polêmica neste ano. Em fevereiro, um vídeo com conteúdo antissemita culminou com a perda de contratos junto à Disney e o YouTube.

Já em 2016, segundo o jornal norte-americano Wall Street Journal, PewDiePie publicou nove vídeos com conteúdo antessemita a partir do mês de agosto daquele ano.

É improvável que a ação da Campo Santo Games, sozinha, impacte o canal do youtuber, que possui mais de 57 milhões de inscritos. Se outras produtoras seguirem o mesmo caminho, porém, as chances de PewDiePie sofrer os efeitos de sua declaração racista aumentam consideravelmente.

ACOMPANHE UOL JOGOS NO YOUTUBE!