PUBLICIDADE

Topo

Boa recepção de "Ninokuni" pode atrair público para "Tales of Xillia"

Pablo Raphael

Do UOL, em Nova York*

11/04/2013 13h00

O RPG "Ninokuni", da japonesa Level-5, foi bem recebido no ocidente, tanto pela crítica quanto pelo público. Para o diretor Hideo Baba, de "Tales of Xillia" o sucesso de "Ninokuni" pode atrair mais jogadores para seu game e para os RPGs nipônicos como um todo.

"Muitos jogadores podem ser relutantes em experimentar algo diferente, como um RPG japonês", disse Baba em entrevista a UOL Jogos.

"Por isso é bom ver que um game conseguiu convencer os jogadores ocidentais a se aventurar pelo gênero e, quem sabe, queiram conhecer melhor outros J-RPGs, como 'Tales of Xillia'".

"Não vemos 'Ninokuni' como um concorrente, pois a franquia 'Tales of' é um dos pilares do gênero. Em contra-partida, novos jogos são sempre bem vindos e ajudam a fortalecer a presença dos RPGs japoneses no mercado", explicou o diretor.

15 anos de "Tales"

O lançamento norte-americano de "Xillia" em 6 de agosto marcará o 15º aniversário da franquia de RPG na América.

A série começou com "Tales of Phantasia", para Super Nintendo e de lá para cá, rendeu 13 jogos que acumulam 15 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, se estabelecendo como uma das principais referências em J-RPG, principalmente por seu visual inspirado nos animes, os desenhos animados japoneses.

Versão americana

Lançado no Japão em setembro de 2011, "Xillia" chegará aos EUA em agosto deste ano, um atraso considerável para os padrões atuais. O motivo da demora, segundo Hideo Baba, é o tamanho limitado da equipe de desenvolvimento e o grande volume de texto e falas. Afinal, se trata de um típico jogo de RPG.

Ainda assim, o diretor pede desculpas aos fãs ocidentais: "Sabemos que o jogo demorou para ser localizado para os EUA. Esperamos ser mais ágeis no futuro".

TRABALHO DE EQUIPE

Divulgação
Em "Xillia", você controla 2 protagonistas: Jude e Milla, além de 2 personagens de apoio. É possível combinar os ataques de 2 membros do grupo para executar poderes especiais, as Link Artes. Durante o combate, também é possível passar o controle dos personagens secundários para outros jogadores, em multiplayer local para até 4 pessoas.

"Xillia" traz uma série de novidades para a série: pela primeira vez, os personagens têm proporções realistas e a câmera não é fixa, por exemplo.

Os mapas e cenários são escalonados proporcionalmente aos personagens. Detalhes de fundo ficam maiores e mais nítidos conforme o jogador se aproxima, dando uma sensação de imersão maior e mais próxima dos RPGs contemporâneos, como "Skyrim" e "Dragon's Dogma".

Um detalhe que pode chatear os puristas: as vozes do game só estarão disponíveis em inglês - os fãs de games e animes não poderão curtir o áudio original em japonês. Sobre legendas em português, a Namco Bandai não se posicionou oficialmente sobre a possibilidade de "Xillia" chegar ao Brasil com esta opção.

Também não foi confirmado o lançamento da edição de colecionador de "Tales of Xillia" por aqui. Disponível com exclusividade para os EUA, a caixa inclui o game, trilha sonora, livro com artes conceituais e uma caprichada estátua da heroína Mila.

Essa edição é limitada e não estará disponível fora dos EUA - não foi lançada nem para o mercado japonês, público consumidor tradicional da série "Tales of".

"Tales of Xillia" é exclusivo para PlayStation 3.

*O jogador viajou a convite da Namco Bandai.