PUBLICIDADE

Topo

Jogo brasileiro "Knights of Pen & Paper" será lançado para PC

Théo Azevedo

Do UOL, em San Francisco

26/03/2013 12h49

Nas paredes da Behold Studios, fundada em 2009 na cidade de Brasília, está impressa a frase: "Criamos os games que gostaríamos de jogar". "Knights of Pen & Paper" é a melhor prova de que o slogan funciona, afinal, após 500 mil downloads nas plataformas iOS e Android, o charmoso RPG agora está a caminho do PC (via Steam), Mac e Linux, chancelado pela publisher europeia Paradox Interactive.

O anúncio aconteceu apenas na GDC 2013, mas tudo começou no ano passado no SBGames, evento que aconteceu em Brasília, quando Behold e Paradox se encontraram. O publisher, que já havia fechado a distribuição de "Dungeonland", da carioca Critical Studios, apaixonou-se por “Knights” e fechou negócio ali mesmo. "Graças ao 'Knights' conseguimos contratar mais pessoas e mudar para um espaço maior", conta Ronaldo Nonato, que cuida do marketing da produtora.

Na verdade ele está sendo até generoso ao dizer "espaço maior", já que antes disso equipe se encontrava em um café de Brasília "para aproveitar o wi-fi e ar condicionado grátis e, de vez em quando, tomar um café". Quando "Knights" foi lançado, a US$ 2, tudo mudou para os jovens empreendedores.

O sucesso de "Knights of Pen & Paper" nas plataformas móveis atraiu um "angel investor" e, após algumas mudanças, a Behold agora é composta basicamente por cinco sócios e cinco funcionários.

O QUE É "KNIGHTS"

"Knights of Pen & Paper" é um RPG em turnos ao melhor estilo retrô, inspirado em "D&D" e outros grandes títulos da década de 90. Você controla tanto os personagens, como numa sessão tradicional de RPG "de mesa", quanto o mestre, escolhendo que batalhas travar. Como é de se esperar, há múltiplas classes, itens, monstros e tesouros.

Mas como tudo começou? Bem, os integrantes da empresa, amantes dos RPGs de papel e caneta, durante uma sessão de jogatina se deram conta de que não havia nenhum jogo no mundo digital que fizesse jus, de acordo com os critérios deles, a “Dungeons & Dragons”. Foi aí que se deram conta: "Somos desenvolvedores de jogos. Vamos criar nosso próprio game", lembra Nonato.

Daí até escolher um visual pixelado e música chip tune foi um passo, à medida que RPGs tradicionais "de mesa" estão muito relacionados às décadas de 80 e 90. “Quando você joga 'Knights' é impossível não notar que foi feito por pessoas que adoram RPGs do gênero", explica Robin Cederholm, produtor da Paradox. "Gostamos de trabalhar com pequenos desenvolvedores que têm paixão pelos games que produzem", completa.

Knights of Pen & Paper +1 Edition
Knights of Pen & Paper +1 Edition
#dev_albumEmbed015('tagalbum','71544+AND+16715')

O que muda no PC

Com lançamento programado para entre junho e setembro, "Knights" ainda não tem preço definido, mas uma coisa é certa: vai manter as microtransações, tal qual nas plataformas móveis. Entretanto, Nonato é rápido para esclarecer: "Não se trata de 'pagar para ganhar'. Na verdade, a opção de comprar as moedas de ouro com dinheiro de verdade serve basicamente para acelerar o progresso do jogador".

No PC as novidades começam com ajustes finos que incluem a possibilidade de se locomover diretamente para onde se deseja ir - antes era preciso passar lugar por lugar até o destino final -, e o recurso para trocar de personagens na Taverna, sem que seja preciso iniciar uma nova partida.

Porém, a maior boa nova fica mesmo por conta da adição de "dungeons". Nessas masmorras há vários ambientes, nos quais é preciso circular para encontrar a chave que leva ao chefão. Cada sala funciona como um teste e costuma guardar itens valiosos para a jornada. "São recursos que tornam a experiência um pouco mais ampla, sem perder as raízes", aposta Nonato.

VEJA O PRIMEIRO TRAILER DO GAME

  •