PUBLICIDADE

Topo

Lollipop Chainsaw

André Forte

do Gamehall

17/05/2012 16h51

Um dos mais excêntricos e talentosos produtores japoneses da atualidade, Suda 51 sabe como surpreender os fãs de seus jogos. Após trabalhos como o estilo visual impactante de "Killer 7" e a sanguinolência gratuita de "No More Heroes", sua próxima investida é "Lollipop Chainsaw", um jogo PlayStation 3 e Xbox 360, no mínimo, curioso pela união de dois universos tão distintos – uma líder de torcida e zumbis.

Juliet Starling, a protagonista, teria tudo para participar de comédias pastelão dos anos 80. Vestida com uma roupa de colegial, a garota com dotes acrobáticos não se acanha a ligar sua serra-elétrica para dar cabo de mortos-vivos famintos por carne humana.

CONHEÇA A EQUIPE DE PRODUÇÃO DE "LOLLIPOP"

  •  

Alô, anos 80

O aniversário de 18 anos da loirinha Juliet dificilmente será esquecido. Foi justamente nesse dia que a escola da líder de torcida, San Romero Knights, foi invadida por uma infestação de zumbis que infectaram seus amigos e professores.

Cabe a ela acabar com esses seres nefastos a tempo de fazer sua festa de aniversário e, para isso, ela está armada com seus inseparáveis pompons, fitinhas e motosserra.

É com essa história maluca que Suda 51 promete amarrar a carnificina zumbi em "Lollipop Chainsaw", mas ele não está sozinho nessa empreitada. Aliás, o japonês soube bem como escolher uma boa companhia para contar essa história.

A trama do game é escrita por James Gunn, roteirista do remake de "Despertar dos Mortos", de 2004. Além deste, Gunn também é responsável por filmes ainda mais grotescos, como "Tromeo & Juliet", que mostra uma visão obscura e violenta do clássico de Shakespeare.

"Suda e a Warner chegaram a mim há dois anos e disseram 'Estamos trabalhando nesse projeto e pensamos que você possa se interessar'. Eles me mostraram o projeto e minha reação foi 'Sim, eu quero estar envolvido nisso. Faço tudo o que vocês esperam que eu faça'", disse Gunn em entrevista à Game Informer.

A CABEÇA DO NAMORADO

Os mais atentos certamente notaram que na cintura de Juliet há uma cabeça. Ele é Nick, o namorado de Juliet. Apesar de não explicar como o cara foi parar ali, Gunn deu uma única pista: "Juliet é otimista e Nick é pessimista, mas você até consegue entendê-lo pelo fato dele não ter um corpo".

Assim como o roteiro sem muitas firulas, o jogo segue o estilo dos fliperamas dos anos 80 em sua mecânica. Simples, o jogador controla Juliet na luta frenética contra hordas de zumbis e sua progressão é feita a cada leva de mortos-vivos abatidos.

Segundo a revista Game Informer, um dos cenários testados na demonstração jogável oferecida pela Grasshopper acontece em uma casa de fliperama, a Fulci Fun Center.

Juliet chegou ao local procurando por sua irmã, Rosalind, mas foi surpreendida ao perceber que todos os nerds do local viraram zumbis.

Os controles também chamam a atenção pelo desapego à complexidade: apenas dois botões de ataque, sendo um forte, com a serra elétrica, e um fraco, com os pompons. Caso consiga dar cabo de vários inimigos ao mesmo tempo, Juliet acumula mais pontos.

No final da batalha, Juliet é atacada por Josey, um chefe de fase a bordo de uma nave espacial que joga bombas em estilo 8 bits contra a garota.

VEJA ALGUNS DOS CHEFES MACABROS DO GAME

  •  

Sai o sangue, entra a purpurina

Se a temática à principio sugere muito sangue, as bizarrices de Suda 51 visam transformar a experiência de "Lollipop Chainsaw" em algo mais leve, até para agradar as meninas.

Não raro o jogador vai se deparar com magias cor de rosa, corações cintilantes e zumbis que viram purpurina quando morrem.

É sem dúvida, uma abordagem bem diferente à matança de zumbis de jogos como "Dead Rising" e "Yakuza: Dead Souls", mas também, caso "Lollipop Chainsaw" fosse em algum aspecto parecido com alguma franquia já estabelecida, certamente o nome de Suda 51 não estaria envolvido no projeto.