PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

Greve atrapalha programas e funcionamento da RedeTV

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

31/08/2021 12h51

A decisão de centenas de funcionários da RedeTV entrarem em greve desde à meia-noite de hoje (31) já prejudica o funcionamento de algumas áreas da emissora, bem como programas.

Segundo a coluna apurou, com boa parte dos câmeras e operadores de áudio de braços cruzados, houve dificuldade para gravar o programa de Claudete Troiano.

Uma empresa terceirizada de limpeza teve de ser contratada às pressas para manter os protocolos de limpeza. Nem sequer cafezinho tem na emissora nesta terça-feira.

Alguns funcionários que não aderiram à greve estão sendo deslocados para outras funções.

A emissora, porém, nega que estejam ocorrendo quaisquer problemas e que os grevistas não estão prejudicando em nada a grade de programação.

Sem reajustes

A principal reivindicação dos grevistas é a dos radialistas: embora não haja praticamente essa função na casa, muitos funcionários ali são registrados como tal, e eles alegam que estão há quase quatro anos sem receber reajuste ou abono.

Em nota, a emissora disse lamentar a decisão tomada por "uma minoria". Neste momento, dezenas de grevistas estão firmes e segurando faixas de protesto em frente à emissora, em Osasco.

Entre as reivindicações dos grevistas estão:

- reajuste salarial de 18,72%, aplicado sobre o salário e demais cláusulas econômicas vigentes em maio de 2017;

- abono salarial retroativo equivalente a 353,89% de uma remuneração;

- manutenção de todas as cláusulas sociais constantes da última Convenção Coletiva assinada - 2.016/2018

A emissora, por sua vez, alega que, apesar da pandemia, não fez cortes de pessoal no ano passado.

Os funcionários rebatem que todos os salários tiveram cortes de 25% o ano de 2020 todo, e que isso só não prosseguiu em 2021 também porque o sindicato foi à Justiça exigir que a emissora abrisse suas contas para provar que havia necessidade de manter os cortes.

Em tempo: no jargão contábil, a RedeTV fechou o ano de 2020 no "azul".

Enquanto cortava salários de funcionários em outubro do ano passado, a direção da emissora gastou (com cartão corporativo) R$ 10 mil em vinhos e espumantes europeus, como esta coluna informou à época.

Não é muito para uma emissora que tem até adega, mas é o exemplo que fica (e revolta).