PUBLICIDADE
Topo

Ricardo Feltrin

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Assista: Grandes eventos esportivos podem 'sumir' da TV em breve

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

01/04/2021 14h49

Resumo da notícia

  • Eventos esportivos custam fortunas fora do alcance das TVs
  • E agora há 'bigtechs' interessadas em Copas, Olimpíadas etc
  • Com isso, o esporte de 1º nível em breve pode dizer adeus às TVs
  • Maiores prejudicados são os brasileiros que só têm TV aberta

A entrada das chamadas "bigtechs" na concorrência por conteúdo contra TVs (abertas ou pagas) pode nocautear essas últimas —especialmente nas transmissões esportivas de porte.

"Bigtech" é o nome dado para as novas empresas gigantes de tecnologia, como Google, Facebook, Amazon, Netflix, Twitter, além de grandes portais de internet.

Além de encarecer o custo dos direitos de exibição de eventos como Copa do Mundo, Olimpíadas, Liga dos Campeões etc, a entrada das "bightechs" na concorrência já assusta —ou melhor, apavora— executivos das tradicionais TVs.

Isso porque a maioria das emissoras não tem dinheiro para investir, enfrenta perda crescente de público neste milênio e está acossada pelas novas mídias, como o streaming.

A verdade nua e crua: a TV aberta e, em breve, também a por assinatura, correm o risco de se tornar "os primos pobres" da mídia mundial.

Quem vai perder com isso é uma "população" estimada em 80 milhões brasileiros (55 milhões abaixo da linha de pobreza) que têm na TV aberta seu único entretenimento familiar.

É sobre isso que o colunista Ricardo Feltrin trata esta semana no canal do UOL no YouTube.

Assista ao programa desta semana.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL