PUBLICIDADE
Topo

Monark se diz perseguido após ser vetado de ganhar dinheiro pelo YouTube

Ane Cristina

De Splash, em São Paulo

18/02/2022 09h38Atualizada em 18/02/2022 15h02

Monark, ex-apresentador do "Flow Podcast" que deixou o programa após fazer apologia ao nazismo, foi vetado do programa de parcerias do YouTube e não pode mais monetizar seu conteúdo, ou seja, não vai mais ganhar dinheiro pelos vídeos.

"Estou sofrendo perseguição politica do YouTube Brasil. Eles me proibiram de criar um novo canal para poder continuar minha vida, pessoas poderosas querem me destruir. Liberdade de expressão morreu", escreveu no Twitter.

Na publicação, ele acrescentou um print de um e-mail do YouTube, onde a empresa declara que as recentes falas sobre nazismo proferidas pelo apresentador violam as políticas de conteúdo.

"Assim, concluímos pela suspensão da monetização do seu canal. A partir do momento em que esta medida for aplicada, você não terá mais acesso às ferramentas e funcionalidades de monetização, o que inclui o suporte online a criadores de conteúdo", diz o texto.

Enquanto a suspensão permanecer, você não poderá criar um novo canal ou se utilizar de um canal de terceiros para burlar as restrições do Programa de Parceiros do YouTube. YouTube

Splash entrou em contato com o YouTube Brasil, que confirmou a veracidade do e-mail e explicou que Monark ainda pode produzir conteúdo em seu próprio canal, além de criar outros canais, mas não poderá monetizá-los.

A suspensão da monetização é por tempo indeterminado. Monark tem 24 horas para recorrer da decisão. No futuro, ele pode solicitar uma nova inclusão no programa de parceiros do YouTube. (Leia a íntegra do comunicado do YouTube abaixo).

Ainda na manhã de hoje, o influenciador publicou um vídeo criticando a decisão da plataforma.

"Meus comentários foram infelizes sim, mas de maneira alguma foram mal-intencionados, de maneira alguma defenderam qualquer ideologia extremista que você possa pensar. Eu sofri as consequências, eu perdi o 'Flow', eu saí da empresa, do meu programa, eu pedi desculpas várias vezes, mas não acabam as retaliações. Parece que pessoas muito poderosas querem me destruir completamente", diz.

Ele pede ajuda aos seguidores e diz que a situação não é justa: "As consequências estão muito fora de proporção".

Leia na íntegra a nota do YouTube

"Nossas Políticas de Monetização de Canais e o Código de Responsabilidade dos Criadores estabelecem que não é permitido comportamento ofensivo que coloque em risco a segurança e o bem-estar da comunidade do YouTube, formada por espectadores, criadores e anunciantes. A violação dessas políticas pode fazer com que o canal seja suspenso do Programa de Parcerias do YouTube e, consequentemente, ser desmonetizado. Dessa forma, os canais Flow Podcast e Monark foram suspensos do Programa de Parcerias.

Qualquer tentativa de burlar essa restrição, seja com a criação de um novo canal para ser monetizado ou utilizando canais de terceiros para fins de monetização, é considerada uma violação aos Termos de Uso do YouTube e pode resultar em um encerramento definitivo da conta.

Reforçamos que, no caso de suspensão do Programa de Parcerias, o usuário ainda pode produzir conteúdo e subi-lo em seu canal, bem como criar novos canais, porém esse conteúdo não poderá ser monetizado e os novos canais não poderão fazer parte do Programa de Parcerias. Todo o conteúdo publicado na plataforma, independentemente de ser monetizado ou não, deve seguir as Diretrizes da Comunidade do YouTube.

O usuário que for suspenso do Programa de Parcerias do YouTube poderá solicitar nova inclusão para voltar a ter acesso a todas as ferramentas de monetização e o pedido será analisado pela plataforma."

Apologia nazista

No início da semana passada, durante entrevista com os deputados federais Kim Kataguiri (DEM) e Tabata Amaral (PSB), Monark defendeu a criação de um partido nazista no Brasil que fosse reconhecido por lei.

O trecho com apologia ao nazismo logo foi parar nos assuntos mais comentados do Twitter, com enorme repercussão negativa. Na terça-feira, Monark publicou um vídeo pedindo desculpas e disse estar bêbado no momento do podcast.

Mas com a repercussão negativa entre ouvintes e patrocinadores do podcast, a Estúdios Flow, responsável pelo Flow Podcast, anunciou o desligamento de Monark no dia seguinte.

Polêmicas são recorrentes

Apesar de a repercussão ter sido maior desta vez, não é de hoje que Monark causa polêmica por uma conduta reprovável.

No ano passado, ele perguntou no Twitter se "ter uma opinião racista é crime" e ainda comparou homofobia com a escolha do indivíduo tomar um refrigerante.