PUBLICIDADE
Topo

Pais reencontram filho sequestrado após busca de 14 anos que inspirou filme

Pais reencontram filho sequestrado após 14 anos na China - Reprodução/YouTube/South China Morning Post
Pais reencontram filho sequestrado após 14 anos na China Imagem: Reprodução/YouTube/South China Morning Post

Colaboração para Splash, de São Paulo

08/12/2021 10h12

Um casal chinês teve um reencontro emocionante com o filho sequestrado há 14 anos na cidade de Shenzhen, no sudeste da China, quando a criança tinha apenas quatro anos. Sun Zhuo, agora com 18 anos, se reuniu com os pais em uma cerimônia organizada pelo Ministério da Segurança Pública do país, na última segunda-feira (6).

O caso inspirou o filme chinês "Dearest" (2014), dirigido por Peter Chan. Desde o desaparecimento do filho, o pai, Sun Haiyang, e a mãe, Peng Siying, nunca perderam as esperanças de encontrá-lo e deram início à uma intensa busca pela criança. Eles venderam propriedades para financiar a própria investigação e ofereceram recompensa de 200 mil yuan (cerca de R$ 176 mil), segundo a imprensa do país.

Zhuo foi sequestrado por um homem que lhe atraiu com doces e um brinquedo. Após diversos alarmes falsos ao longo dos anos, a polícia de Shenzhen confirmou ter encontrado o filho desaparecido neste ano após exame de DNA confirmar a identidade dele. O jovem vivia com pais adotivos em Shandong, no leste da China. Veja o reencontro do filho com os pais.

Autoridades chinesas usaram tecnologia de reconhecimento facial para identificar o suspeito de sequestrar Sun Zhuo, que teve apenas o sobrenome Wu revelado. O homem foi preso acusado de sequestrar duas crianças, incluindo o jovem encontrado agora. Os pais adotivos dele aguardam julgamento em liberdade após pagarem fiança.

À imprensa chinesa, Sun Zhuo disse que pretende continuar vivendo com os pais adotivos, que cuidaram dele por mais de 10 anos, já que desconhecia seus pais biológicos até então. "Eu tenho uma nova casa agora, mas ambos são meus pais", disse o jovem.

Sequestro de meninos chineses

De acordo com a "CNN", o sequestro de meninos na China se agravou com a política de filho único implementada no país, que está mais branda nos últimos anos. Por décadas, pais que tinham um segundo filho recebiam multas exorbitantes ou eram obrigados a interromper a gravidez.

Tradicionalmente, as famílias — especialmente das áreas rurais — viam os meninos como mais capazes prover recursos e continuar a linhagem familiar, o que incentivou um mercado negro de tráfico de meninos, enquanto meninas bebês eram levadas para adoção.

Mais de 8.000 crianças sequestradas foram reunidas com seus pais em 2021, afirmam as autoridades chinesas. Muitos dos casos foram resolvidos usando banco de dados de DNA da polícia da China e a tecnologia de reconhecimento facial.